Protestos conservadores: entre o hilário e o trágico, por Roberto Bitencourt da Silva

Neste domingo, uma vez mais, desencadearam-se os protestos dos setores conservadores, envolvendo especialmente estratos médios da sociedade. Eles têm um quê de hilário e folclórico. Têm refletido apelos políticos e morais inconsistentes, que mal conseguem formular uma frase dotada de sentido racional.

O sentimento de ódio prevalece e embota a capacidade de percepção sobre o País e os seus problemas. Balbucios de críticas e de propósitos políticos predominam, sem um mínimo de consideração à lógica e ao bom senso.

Garantir privilégios, ou pretensos privilégios, de classe ou estratos de classe dão certa tônica aos protestos, associado a uma cosmovisão social, política e econômica despudoradamente excludente. Não raro, protestos que também desconsideram as próprias e boas normas do nosso idioma.

Igualmente, tais protestos expressam uma dimensão trágica. Revelam o poder de influência dos conglomerados de mídia nas sensibilidades e nos comportamentos coletivos. Uma “escola paralela”, como diriam Paulo Freire e Sérgio Magalhães, nos idos dos anos 1980.

Uma “escola” que se sobrepõe, coloca para escanteio a educação formal/escolar e hoje defende estritamente uma agenda negativa para o Brasil. Mira um retrocesso em relação às parcas conquistas alcançadas nas últimas décadas, como a recente eliminação da fome e os direitos sociais garantidos na Constituição de 1988, além de direitos assegurados remotamente, como a legislação trabalhista.

A faceta trágica desses protestos é representada ainda pela reverberação, nas ruas, de visões de mundo incongruentes com o nosso tempo. Um reflexo da força de incidência do passado na modelagem do tempo presente: a herança escravista, colonial, militar.

Não gratuitamente, pulularam, neste domingo, apelos esdrúxulos ao retorno da monarquia e à intervenção das Forças Armadas e dos EUA. Nas tomadas feitas pelas câmeras de televisão, as imagens apresentavam uma nítida prevalência branca entre os manifestantes, abarcando saudações nazi-integralistas e identificações com símbolos estadunidenses.

Após diferentes ensaios de acordos interinstitucionais e partidários, assim como em função dos posicionamentos contra o impeachment advindos de setores empresarias e infocomunicacionais decisivos, como alguns analistas têm destacado, é bastante plausível que a sombra da destituição do governo vá se desfazendo aos poucos.

A incorporação, pelo governo federal, das agendas empresarial/financista e dos adversários de campanha, Marina e Aécio, parece desanuviar o ambiente, em que pesem ruminações fascistóides como a deste domingo.

Nesse sentido, em que pese a hilaridade eventual dos protestos reacionários, não se pode deixar de observar que têm alcançado êxito parcial. Se não obtiveram – e provavelmente não conseguirão – o “fim do PT”, a “destituição” da presidente Dilma Rousseff, estão fazendo retroceder, em décadas, a agenda do País e das forças populares, progressistas e de esquerda.

Praticamente estão congelando o Brasil no tempo, com informal poder de veto sobre mudanças progressistas. Um poder inflado e assegurado por megaempresas de comunicação como a Globo. Fenômeno que está obscurecendo qualquer horizonte de reformas sociais, políticas e econômicas, que permitam compatibilizar, efetivamente, as condições de vida do Povo Brasileiro com a pujança da riqueza natural e material do País. Urge criar um bloco social e político alternativo, à esquerda.

Roberto Bitencourt da Silva – doutor em História (UFF) e professor da FAETERJ-Rio/FAETEC e da SME-Rio. 

+ sobre o tema

Minha Casa, Minha Vida: Governo amplia limite de renda para compra da casa própria

Rendimento mensal máximo sobe de R$ 4.900 para R$...

Serra chama negros tucanos ao Palácio para abafar crise

Fonte: Afropress     S. Paulo - A crise aberta com as...

Eleição tem mais brancos que a proporção da população brasileira

A maioria dos candidatos das eleições deste ano se...

A antielitização latino-americanas

Por: Amílcar Salas Oroño     As elites latino-americanas enfrentam uma crise...

para lembrar

Cidade de Chicago retira estátuas de Cristóvão Colombo após protestos

O gabinete da prefeita da cidade informou em comunicado...

Unicamp tenta entender a onda conservadora e fundamentalista do Brasil

Movimentos como MBL, a presença de João Dória no...

Manifestantes fazem atos contra Bolsonaro e a favor da vacina: veja fotos dos protestos pelo Brasil

Atos começaram logo pela manhã deste sábado (29) em...

Série de TV com Jesus negro desperta ira de conservadores nos EUA

Estreou nos Estados Unidos o seriado humorístico americano Black Jesus (Jesus...

Nota fiscal vira símbolo de protesto contra o racismo na mão de celebridades

Nos primeiros seis primeiros meses deste ano já foram registrados 265 casos de injúria racial pelos canais de denúncia da Secretaria de Justiça e...

Mulheres realizam protesto contra ofensas racistas à militante de Colatina

O Movimento de Mulheres Negras de Colatina e Região Zacimba Gaba realiza, na próxima segunda-feira (16), uma manifestação contra o racismo sofrido por uma de suas...

Protestos contra o governo e a favor da vacina são noticiados por mídia estrangeira

Os protestos de sábado (3) contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e a favor da vacina no Brasil foram noticiados em grandes veículos da imprensa estrangeira. The...
-+=