Nossa fraternidade seletiva, por Gregorio Duvivier

Não era amor, era cilada

Por Gregorio Duvivier, no GGN

 

Nossa fraternidade é seletiva. Só temos fraternité com quem é cliente personnalité

Amor, Ordem e Progresso. O binômio positivista na verdade era uma tríade –assim como a Liberdade-Igualdade-Fraternidade dos franceses, só que sem rimar. Nosso trinômio era ainda mais chique, em verso livre. “O amor vem por princípio, a ordem por base/ O progresso é que deve vir por fim/ Desprezastes esta lei de Augusto Comte/ E fostes ser feliz longe de mim”, cantava Noel.

O amor estava no princípio, antes do Verbo. Ou talvez o amor fosse um verbo –da quarta conjugação, daqueles verbos terminados em “or”: por, depor, transpor, amor.

protesto_fora_dilma_paulo_lopes_estadao_conteudo

Imagina que lindo ter amor na bandeira –mas os inventores do país tiraram o elemento fundamental da tríade positivista. Amputaram a fraternidade da nossa tríade, e assim nasceu nossa república: amorfóbica.

Não sou o primeiro a levantar essa bandeira de uma outra bandeira. Jards Macalé fez campanha pela volta do amor na flâmula. Chico Alencar fez um projeto de lei. Suplicy (saudades) tentou emplacar o projeto. Nada. Ao contrário da bíblia, do boi e da bala, o amor não tem bancada. O amor não faz lobby e ficou do lado de fora da festa da democracia. Talvez aí tenham começado os nossos problemas: no recalque da fraternidade.

Lembro que uma vez reclamei para um francês que eles eram pouco afetivos, enquanto nós brasileiros vivíamos numa cultura mais amorosa. E o professor, roxo de raiva, perguntava, aos berros, onde estava, na história do Brasil, o amor pelos negros, pelos gays, pelos índios, pelas crianças de rua. O carinho que temos pelos nossos semelhantes é proporcional ao ódio que temos pela diferença. Nossa fraternidade é seletiva. Só temos fraternité com quem é cliente personnalité.

Nossa cultura é muito erótica –e muito pouco amorosa. O amor liquído aqui já tá gasoso. Ou como dizia o Poeta: não era amor, era cilada. Cilada. Cilada.

Não quero engrossar o coro dos que acreditam que protesto é coisa de gente mal amada. Acho que pode haver muito amor no protesto.

Mas não encontrei nesse. Houvesse mais amor, não estariam protestando contra o fato do DOI-Codi não ter enforcado a Dilma quando teve oportunidade. Não teria gente dizendo que “tinham que ter matado todos os comunistas em 64”.

Houvesse mais amor, estariam pedindo o fim do programa nuclear brasileiro. Houvesse mais amor, estariam pedindo o fim do incentivo à indústria bélica. Houvesse mais amor, estariam protestando contra a polícia que acaba de cometer uma chacina –não estariam tirando selfie com ela.

Toda revolução é uma obra de amor –caso contrário, é golpe.

+ sobre o tema

Após ser eliminado por fraude nas cotas raciais, candidato ganha causa e é nomeado diplomata em vaga para negros

Após ser barrado em uma comissão, por não apresentar características...

Mãe de motoboy diz que filho foi morto por ser negro

Por: TALITA BEDINELLI A pedagoga Elza dos Santos, 62,...

Marina Silva acerta filiação ao PSB

O quadro sucessório de 2014 sofre uma reviravolta...

O quociente eleitoral e partidário. Em quem mesmo você votou ??? – Por: Rodnei Jericó

Em nosso sistema eleitoral à escolha do representante do...

para lembrar

Os efeitos da ditadura nas Favelas do Rio

O historiador Marco Marques Pestana, que faz doutorado na UFF...

Torturada na ditadura, Amelinha Teles deve receber honoris causa na Unifesp

A mensagem chega por WhatsApp, e-mail, inbox, DM e...

Não É Pela Moral, É Pela Política E Com A Esquerda Preta!

Professores, pesquisadores e militantes do movimento negro se reuniram...

14 reportagens internacionais que mostram por que o impeachment de Dilma é ilegítimo

Veículos internacionais de grande circulação descrevem "situações bizarras" que...

Militares no alvo

Nada na operação da Polícia Federal ontem chamou mais a atenção que o envolvimento da alta cúpula militar do governo Jair Bolsonaro na trama golpista. As...

As mulheres trans torturadas pela ditadura na Argentina

“Nos anos da ditadura, não existiam leis para as mulheres trans. Para o Estado, simplesmente não existíamos.” Julieta González acende seu terceiro cigarro desde o...

Racismo, perseguição e assassinatos nas instalações da CSN nos anos da ditadura

Eram 6 horas da manhã do dia 1° de abril de 1964, quando João Alves dos Santos Lima Neto, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos,...
-+=