“Leite e Ferro”, primeiro longa de Cláudia Priscila, estreia em 25 de novembro

“Leite e Ferro”, primeiro longa de Cláudia Priscila, estreia em 25 de novembro

*** O filme foi premiado como melhor documentário e melhor direção de documentário na edição de 2010 do festival de Paulínia

O Documentário “Leite e Ferro”, primeiro longa da diretora Cláudia Priscila, estreia em todo o país no dia 25 de novembro. Premiado como melhor documentário e melhor direção de documentário, em 2010, no Festival de Paulínia, o filme registra com delicadeza a maternidade na prisão e tem como cenário o Centro de Atendimento Hospitalar à Mulher Presa (CAHMP).

“Leite e Ferro” retrata o cotidiano do CAHMP, uma instituição em São Paulo que abrigava mulheres em fase de aleitamento após darem a luz. Mães e bebês ficam juntos atrás das grades, mesmo que por pouco tempo. Já que depois de quatro meses, a criança vai para outra pessoa da família, a uma instituição ou é adotada, às vezes até de maneira ilegal.

O documentário também discute a contradição das emoções. Por um lado a maternidade é vista como um momento de plenitude na vida das mulheres, por outro a situação limite do encarceramento e da exclusão. Nesta narrativa uma personagem se destaca e conduz a história. Trata-se de Daluana, apelido que recebeu após se envolver e ter um filho com o “famoso” traficante Da Lua.

Traficante desde dos 10 anos, Daluana, hoje na casa dos 40 anos, cresceu na rua e passou por diversas instituições carcerárias. Aos 14 anos teve sua primeira filha, e esta é a segunda vez que está no CAHMP para amamentação, a primeira foi em 2000.

Daluana e suas colegas são registradas de uma forma diferente pela diretora, com uma intimidade de roda de comadre. Assim surgem relatos e discussões, muitas vezes ditas com bom humor, sobre o prazer de amamentar, sexo, fidelidade, violência policial, amor, tráfico, drogas e religião.

As filmagens do documentário aconteceram durante um mês do ano de 2007, no Centro onde se encontravam 70 mães e 70 crianças. Mas, o CAHMP foi fechado há quase dois anos e as presas, realocadas em centros hospitalares.

O documentário “Leite e Ferro”, de Cláudia Priscilla, também conquistou, em 2011, o Grande Prêmio na Mostra Competitiva Internacional e Destaque Feminino na Competitiva Nacional do Femina – Festival Internacional de Cinema Feminino, além de ter sido selecionado para diversas mostras e festivais como: o 5º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, Indie – Mostra de Cinema Mundial (2010), 5ª Mostra Cinema e Direitos Humanos da América do Sul (2010), 32º Festival Internacional Del Nuevo Cine Latinoamericano em Havana, Cuba (2010), Visions Du Rèel, Nyon, Suíça (2011) e Panorama Coisa de Cinema (2011).

Sobre a Diretora Cláudia Priscilla

Formada em jornalismo, Cláudia Priscila, dirigiu os curtas-metragens “Parachacal” (2001), selecionado para o Festival do Minuto, “Sexo e Claustro” (2005), selecionado para o Festival de Berlim, Guadalajara, entre outros e “Phedra” (2008), selecionado para o Curta Rio, Festival de Curtas de São Paulo e para o Mix Brasil. Seu primeiro longa-metragem como diretora é “Leite e Ferro”. É autora também do roteiro do documentário “33” (escrito em parceria com Kiko Goifman).

Atuou como diretora de produção nos curtas metragens “Menino e o Bumba” (2007) de Patrícia Cornils e “Território Vermelho” (2004) de Kiko Goifman , no documentário de média metragem “Morte Densa” de Kiko Goifman e Jurandir Muller, e no longa “Atos dos Homens” (2006) de Kiko Goifman. Também foi assistente de direção no filme “FilmeFobia” de Kiko Goifman.


Entrevista com a Diretora Claudia Priscilla

O que a motivou a retratar a maternidade na prisão? Como conheceu o Centro de Atendimento Hospitalar à Mulher Presa (CAHMP)?

O que me motivou a fazer este filme foi a minha experiência com a maternidade, após o nascimento do meu filho Pedro. Tive vontade de entender como essa experiência poderia acontecer em uma situação limite, tanto emocional quanto física. Quem me apresentou a instituição foi a Heide da Pastoral Carcerária.

No que “Leite e Ferro” se difere de outros filmes que abordam o tema maternidade e presidiárias?

Acho que “Leite e Ferro” é um filme sobre mães em uma situação ímpar. O foco do filme é a maternidade, mas seria impossível não falar também da instituição. Acho que o diferencial de todos os filmes é o olhar do diretor.

Como foi a pesquisa para realizar o documentário? Quanto tempo do inicio das filmagens até a finalização?

A pesquisa é fundamental nos meus trabalhos, começo sempre com uma investigação teórica e depois vou para campo. Eu e a Lorena Delia (pesquisadora e produtora) ficamos dois meses freqüentando a instituição. Num primeiro momento conversamos com cada uma das mulheres presas separadamente e depois passávamos o dia com elas na cadeia. Fizemos a filmagem em um mês. A pesquisa e filmagem foram feitas em 2007. Depois do filme pronto participamos de festivais nacionais e internacionais.

As personagens ficam à vontade para contar suas histórias no documentário, por mais chocantes que sejam. Como se deu essa sintonia com as mães para que houvesse tanto conforto em se expor frente à câmera?

Acho que o tempo que passei com elas – os dois meses de pesquisa – foi fundamental para a construção de uma intimidade. A opção em fazer “rodas de conversa” também contribuiu muito para a espontaneidade das mulheres.

O filme traz depoimentos de mulheres com personalidades bem diferentes, mas com histórias bem parecidas. Quais foram os critérios usados para a escolha dos personagens?

A primeira pessoa que entrevistei durante a pesquisa foi a “Daluana”, fiz duas perguntas e ela falou por duas horas…. tive certeza que estava diante de alguém especial para o documentário. As outras personagens também foram escolhidas neste processo. O importante era detectar pessoas dispostas a falar livremente sobre a experiência da maternidade no cárcere.

Como foi a experiência de estar em contato com a realidade dessas detentas durante as de filmagem?

Foi muito difícil, tive que encarar muitos monstros internos. Cheguei ao limite de me sentir culpada por estar em liberdade e elas não, porque isso não é um detalhe, estar encarcerada muda tudo na vida de alguém.

Poderia nos contar um pouco sobre essas mulheres em particular? Em sua opinião por que a “personagem” Daluana se destaca e acaba conduzindo o documentário?

A “Daluana” me encantou. Além do carisma tem uma história de vida incrível, ela faz parte de uma geração “romântica” da bandidagem, roubava de quem tinha e era chamada de tia Hobin Hood. Um dia ela me falou que jamais assaltaria um velhinho saindo do banco com seu dinhero da aposentadoria e que não entendia este tipo de crime.

Mesmo com realidades tão diferentes, em algum momento a sua história ou experiências se identificaram com a delas?

Me identifiquei muito com elas, acredito que temos muito em comum e por isso foi difícil fazer este documentário.

Alguns depoimentos do filme, em determinadas cenas, são registrados com uma intimidade de roda de amigas. Quais os desafios de filmar neste formado? Você teve que intervir em algum momento para todas não falarem a o mesmo tempo?

A proposta era que eu desse um tema e elas falassem livremente. Colocamos a mulherada em grupo e não tinha como impedir que uma falasse em cima da outra, acredito que estas rodas enriqueceram o filme. Cada uma tinha uma história melhor que a outra para contar, é como em uma mesa de bar.

Como você vê a relação destas mães presas com seus filhos? È diferente das mães em “liberdade”?

A liberdade é a diferença em qualquer coisa na vida.

Qual o depoimento que mais te emocionou?

Passei a maior parte do tempo emocionada… mas a “Daluana” foi a pessoa que mais me tocou por isso “roubou” o filme.

Esse é o seu terceiro documentário e o primeiro no formato longa-metragem. Por que optou pelo documental e não ficção?

A ideia sempre foi fazer um documentário sobre o assunto, nunca imaginei fazer uma ficção. “Leite e Ferro” foi concebido como um documentário. Meus curtas falam sobre sexualidade e mulher, me sinto a vontade tratando de assuntos femininos, assuntos do meu universo.

Esta não é a primeira vez que você trabalha com Kiko Goifman. Fale um pouco desta parceria.

Eu e Kiko somos casados e trabalhamos juntos há dez anos, ele é meu parceiro na vida. Além do trabalho, falamos sobre projetos e filmes o tempo todo. Temos uma vida onde trabalho e vida pessoal se confundem, porque temos prazer na profissão.

Quais são seus projetos futuros?

Eu e Kiko dividimos a direção do longa “Olhe Pra Mim de Novo” que está sendo exibido em festivais e foi selecionado para o Panorama do festival de Berlim de 2011. Além disso, vou dirigir um curta ficção com Pedro Marques (que fez fotografia e montagem do “leite e Ferro”) com o cartunista Laerte.

“Leite e Ferro” estreia nos cinemas dia 25 de novembro de 2011.

+ sobre o tema

O uso do crack na gestação causa sérios riscos ao feto

Aumento do consumo do crack entre mulheres e as...

Ministra Eleonora Menicucci critica médico que não faz aborto legal

Para secretária de Políticas para Mulheres, profissional que não...

SEMDF participa do Encontro das Trabalhadoras da CTB

Desenvolvimento, autonomia e igualdade foi o tema que conduziu...

Governo proíbe uso de algemas em presos durante cirurgia e parto

Resolução recomenda uso de outros meios de contenção em...

para lembrar

Sexo e gênero e a boçalidade eleita

"ANTES DA TRANSFORMAÇÃO DE UM HOMEM OU DE UMA...

Como o 8 de Março mudou a ciência

Eva Alterman Blay é Professora Emérita da USP e...

Especialistas pedem mais compromisso com saúde de presidiárias

Se a realidade psicológica e social da mulher encarcerada...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=