Quando a morte bate na porta de meu vizinho

É desanimador ter que acordar com a notícia de que a facção rival veio na tua área, matou dois e feriu mais cinco, todos moradores e nenhum bandido.

Por Bruno Rico, no Mamapress

É mais desanimador ainda quando você fica sabendo que um dos mortos era um pai que levava seu filho de 4 anos pra comer batata fritas, e no meio do tiroteio esse pai abraçou seu filho para protegê-lo das balas, e de fato ele protegeu, mas faleceu, e a criança ainda está no hospital por conta de estilhaços. E é extremamente desanimador quando você vê que isso não foi notícia expressiva, afinal, é guerra de pobre, guerra de preto, é melhor deixar que eles se matem, não dá mídia, poucos se interessam.


Eu poderia fazer um baita texto sobre isso, mas falta-me energia e ânimo. Só sei que seguimos numa guerra que não é nossa, matando com uma arma que não foi feita pela gente, guerreando por uma droga que não foi feita aqui, votando em um engomadinho que não sabe nada de favela – e ainda quer falar por ela. Mas tem uma coisa que é muito nossa: o sangue que segue escorrendo.

Ato na Central do Brasil contra o genocídio da juventude negra-foto José de Andrade
Ato na Central do Brasil contra o genocídio da juventude negra-foto José de Andrade

“Aqui vale muito pouco a sua vida
a nossa lei é falha,
violenta e suicida.
Se diz que, me diz que, não se revela
parágrafo primeiro
na lei da favela. Legal…
O assustador é quando se descobre
que tudo deu em nada
e que só morre o pobre.
A gente vive se matando, irmão, por quê?”

+ sobre o tema

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso,...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase...

Jornalista é vítima de injúria racial dentro de supermercado da Baixada Fluminense

O colunista Daniel Nascimento, do jornal O Dia, foi...

para lembrar

Em São Paulo, PM assassinou 338 pessoas em oito meses

O mês de agosto foi o mais violento, com...

Marcha denuncia o descaso com o extermínio da juventude negra

Em sua 5ª edição, ato que será realizado nesta...

Plano de Prevenção à Violência Contra a Juventude Negra

Sob a coordenação geral da Secretaria Nacional de Juventude...
spot_imgspot_img

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...

Enviado ao STJ, caso Marielle passa a ter dois eixos de apuração: executores e mandantes

O caso da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, assassinados em 2018, foi dividido em dois eixos. Uma parte segue no Rio...
-+=