Quando o futebol vai lutar contra a homofobia?

Nos últimos anos, o cerco ao racismo no futebol apertou. Acompanhamos a punição de clubes e torcedores. Por mais que ainda aconteça, ofender uma pessoa por conta da cor da pele não é mais tolerável nos gramados e arquibancadas. Por outro lado, quando os xingamentos e o preconceito atinge a orientação sexual, há um retumbante silêncio, uma naturalização na homofobia. É natural chamar árbitros, atletas e torcedores de veados.

Do Soujec

Isso pode ser comprovado por uma recente moda que pegou nas arquibancadas de diversos estádios pelos país. Quem acompanha o futebol já deve ter, em algum momento, escutado o grito “ooooooo bicha”, entoado todas as vezes em que o goleiro adversário vai bater o tiro de meta. A “novidade” foi trazida ao Brasil pela torcida do México durante a Copa do Mundo de 2014. Os mexicanos gritavam “oooo puto”, que é o mesmo que bicha.

O que deveria ser um ato condenado por todos torna-se, no contexto do jogo, um mantra, um artifício natural utilizado pela torcida para tentar desestabilizar o rival. Assim como em todos os lugares, a homossexualidade vira argumento para desmerecer o outro.

Em Joinville, na Arena, não é diferente. Toda as vezes que o goleiro vai repor a bola, os torcedores que sentam atrás do goleiro fazem ecoar o grito de bicha. A homofobia é tão naturalizada que as pessoas não param para pensar nem mesmo no público homossexual que frequenta o estádio. Não há o mínimo de empatia. No fim das contas, é como se fossem invisíveis.

Outro problema dessa naturalização se reflete dentro de campo. Não podemos ser ingênuos de imaginar que não há homossexuais no futebol. Eles existem, porém, a cultura do futebol impede que eles se assumam. Esses atletas não encontram um ambiente seguro e acolhedor para exercer livremente a própria sexualidade. Algo parecido aconteceu com os negros no começo do futebol, que eram impedidos de defender os clubes.

As pessoas vão acabar dizendo: “ah mas é brincadeira, não pode falar mais nada agora”. Se for homofóbico e ofender alguém, não pode mesmo ou, pelo menos, não deveria ser permitido. A punição exemplar aplicada aos racistas deveria ser empregada também a quem ainda xinga com base na orientação sexual.

Agora, tão pior quanto essa atitude dos torcedores é o silêncio da diretoria. É uma obrigação da diretoria tornar o estádio um ambiente acolhedor para toda a torcida. Além do mais, o clube perde a oportunidade de se posicionar publicamente contra a homofobia, ressaltando que respeita todos e todas. Existe a campanha contra o racismo no Estadual deste ano, mas aliado a isso quero muito ver um dia o enfrentamento em relação ao machismo e à homofobia. É um passo fundamental para tornar o futebol mais democrático.

¡Unamos fuerzas en pro de la diversidad, #Incondicionales!Entérate cómo: http://goo.gl/yPQsBq#AbrazadosPorElFútbol

Publicado por Selección Nacional de México em Terça, 29 de março de 2016

A prova de que é possível combater a homofobia no futebol foi dada pela Confederação do México, que iniciou uma campanha para pedir o fim do tal grito de “puto”. Há até alguns jogadores que aparecem no vídeo reforçando o pedido. Além disso, a Fifa também já puniu algumas seleções por conta de xingamentos homofóbicos.

 

Texto enviado por Alexandre Perger
Jornalista formado no Bom Jesus Ielusc. Fanático torcedor do Joinville, desde o saudoso tempo do Ernestão. Um sujeito que detesta o futebol moderno e que sonha em ver esse esporte devolvido ao povo.

+ sobre o tema

Alemanha passa a reconhecer ‘terceiro gênero’ nas certidões de nascimento

A Alemanha legalizou nesta sexta-feira (14) a existência de...

61% dos profissionais LGBT brasileiros escondem sua orientação no trabalho, diz pesquisa

Apesar de 75% das empresas terem políticas que proíbem...

‘Estupro em hospital não é caso isolado’, diz advogada

Um médico anestesista foi preso em flagrante acusado de...

para lembrar

Juliana Alves: Vontade de Mudar

A atriz Juliana Alves, 32 anos, já foi integrante...

Como Eu Matei A Minha Filha

Sou machista. Fui criado assim. Cresci, casei e tive...

Primeira amazonense a presidir a UNE define prioridades na educação

Em meio a desafios no fomento à educação brasileira,...

Mulheres negras e a violência que se quer silenciar.

No Brasil, seis em cada dez mulheres assassinadas são...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=