Que em 2021 possamos entender a importância real dos nossos idosos

“Ele é muito novo para morrer!” Disse a minha filha sobre o meu pai, avô dela. Essa talvez é uma das melhores formas de exemplificar o verdadeiro sentimento que todos nós, enquanto sociedade, deveríamos ter em relação a todas as pessoas idosas nesse atípico mês de dezembro de 2020, o ano que não acabará.

A pandemia não deveria matar mais as pessoas idosas quando comparadas a qualquer outro grupo etário.

Certamente você que ama ou que cuida de uma pessoa mais velha já se deparou com os atuais discursos preconceituosos sobre as pessoas idosas e talvez tenha recebido mensagens que as mostram em situações que as caracterizam como teimosas, chatas, rabugentas e que “não batem bem das ideias”.

E também muitas pessoas idosas ouviram horrores sobre quem são e o que ainda estão fazendo nesse mundo. E a resposta é bem simples: sem as pessoas idosas, o mundo deixaria de existir!

O mundo de hoje não teria as construções, as tecnologias, as profissões e muitos conhecimentos que nos dão a sensação de que dá para seguir a construção do mundo sem os mais velhos e as mais velhas. São inumeráveis os motivos para que façamos tudo que seja possível para mantê-los nas nossas vidas!

Do isolamento ao uso de máscaras e álcool gel e, pasmem, até repensar o famoso encontro de família para as festas de final de ano e de celebração de um novo ano.

Será mantendo a distância física nesse Natal é que demonstraremos um amor e um sentimento de “fica comigo em 2021” para as nossas velhas e velhos.

Aquele prato preferido que, muitas vezes, são as idosas ou idosos que preparam, ou aquele ritual que tem a condução da pessoa mais velha, dessa vez poderá não acontecer como de costume. E, se acontecer, será com os cuidados que aprendemos este ano.

O momento de pandemia ainda demanda muita atenção e não podemos adotar o discurso de “o que tiver que ser será”, jamais! Muitos idosos e idosas estão sendo quase que coagidos a pensar que para o mundo seguir, eles precisam deixar de existir.

O que precisamos é que a vacina, juntamente com todas as medidas já conhecidas e que mantêm o risco de adoecer lá embaixo, ainda persistam, para que em 2021 as festas voltem a ser como sempre foram!

Um final de ano com muito cuidado e distanciamento social, mas não o distanciamento afetivo. São muitos os motivos para querermos estar próximos das pessoas mais velhas: porque estamos com medo, com angústia, alguns com falta de dinheiro e de sorte, outros querendo colo, abraços e beijos, mas o contato físico com a família e os amigos, ainda não é possível.

Aproveite as festas da melhor forma possível, ainda que fisicamente perto ou distante. Saibamos que tudo isso, toda essa loucura e situação de final dos tempos passará. Aí as celebrações que nosso povo sabe fazer tão bem estarão liberadas!

Esse é o texto inaugural desta coluna que, em 2021, procurará trazer assuntos interessantes para pensarmos a longevidade no nosso país e no mundo. Esse também é outro motivo para festejarmos com os cuidados devidos em 2020 para nos conhecermos mais em 2021.

+ sobre o tema

Exposição: Imagens da Ancestralidade em tramas da pele

O Museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia dando continuidade...

‘A Lei do Amor’ é criticada pela morte de personagem negro e gay

Em uma novela com 70 personagens, o personagem Zelito,...

Astros da música se unem para homenagear Stevie Wonder em Los Angeles

Beyoncé, Tony Bennett e Pharrell Williams, entre outros astros...

O “Chico da Botica”: o jornalista pioneiro

O jornalista, político e poeta Francisco Xavier Ferreira nasceu...

para lembrar

Afrocolombianos son los que más emigran a Chile

Zamira es pequeña y se esconde tras una...

Brasil vai entregar recursos para produção de medicamentos em Moçambique

Governo brasileiro já pode doar recursos para construção de...

Clarence Avant, conhecido como ‘padrinho da música negra’ morre aos 92 anos

Clarence Avant, conhecido como "Padrinho Negro" da música e...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=