‘Quiseram caracterizá-la como uma louca’ – Colégio Anhembi Morumbi quer transformar vítima de racismo em ré

Membros da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) não se convenceram com a defesa apresentada por advogados e querem ouvir a diretora do Colégio Internacional Anhembi Morumbi, Dea de Oliveira. Ela é acusada de forçar a ex- estagiária Ester Elisa da Silva Cesário a alisar os cabelos para se adequar aos padrões da instituição.

O presidente da Comissão, Adriano Diogo (PT) acredita que houve uma tentativa de inverter o foco da investigação.

 

Ouvir a matéria

“Pelo andar da carruagem, pode ser que a menina de vítima vire ré. Quiseram caracterizá-la como uma louca, uma pessoa que não tem o que fazer na vida, que quer aparecer, que é midiática. A diretora [conselheira Mercedes Vieira] falou que era um problema de antagonismo pessoal, que era um problema de relacionamento. E a postura da delegada é de alguém que quer se livrar do problema.”

No dia 17 deste mês, a Comissão ouviu a delegada de Crimes Raciais, Margareth Barreto, representantes do colégio, além de Ester. Durante a audiência, a delegada informou que a diretora ainda prestou depoimento, embora oito pessoas já tenham sido ouvidas.

A Alesp tem a prerrogativa de abrir um inquérito próprio e conduzir as investigações, em paralelo à autoridade policial. Na sequência, a denúncia pode ser oferecida ao Ministério Público. O deputado afirma que encontra dificuldades de tramitar o caso dentro da própria Comissão.

“Eu não estou conseguindo chamar [à Assembleia] a Delegacia de Ensino para dizer – diante de uma violação tão grave – quais os procedimentos que a Secretaria de Educação está tomando, embora sejam flagrantes os depoimentos e as evidências.”

O Colégio Anhembi Morumbi foi alvo de dois protestos de organizações do movimento negro. No último, manifestantes ocuparam o Shopping Higienópolis, no centro da capital.

De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.

+ sobre o tema

Leci Brandão é alvo de ódio e intolerância: “Passaria a faca no seu pescoço”

Por apoiar o arquivamento de um projeto que proíbe...

No Brasil, racismo estrutura as desigualdades

Nunca é demais enfatizar o peso, o papel preponderante...

É preciso ‘amazonizar’ o Brasil

Estive no "centro do mundo". É assim que a Amazônia é...

Anarquismo Negro – por Ashanti Alston[1]

Tradução: Mariana Santos (Das Lutas) Apoio: Caralâmpio Trillas   Muitos anarquistas clássicos...

para lembrar

Não podiam ser chefes. Não queriam ser escravos

SÃO TOMÉ DO PORTO E PRÍNCIPE. Por Daniel Rocha, no...

Demba Ba parte para cima de adversário após suposta ofensa racista na China

Contratado pelo Shanghai Shenhua no mês passado, Demba Ba...

Gritaram-me macaca

Na última semana de outubro, as redes sociais foram...

Vídeo mostra mulher negra expulsa de voo da Gol na BA: ‘levaram à força’

Uma mulher negra foi retirada pela Polícia Federal de...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=