Raça, gênero e a produção das desigualdades na formação da sociedade brasileira

Artigo produzido por Redação de Geledés

Esgotado

DESCRIÇÃO DO EVENTO

Imersão Singularidades Gratuita: Raça, gênero e a produção das desigualdades na formação da sociedade brasileira (Parceria Geledés)

Este encontro, em consonância com o 13 de Maio – Dia Nacional de Denúncia contra o Racismo, tem como objetivo abordar os impactos do paradigma de raça e suas intersecções com gênero nas relações sociais e na produção das desigualdades na sociedade brasileira.

Data e Hora:

15 de maio

das 9h às 16h: almoço – 12h às 13h / 15’de intervalo pela manhã e 15′ pela tarde

Público-Alvo

Educadores e estudantes em geral.

Plataformas

Zoom e Moodle

Carga Horária

6 horas

Objetivos

  • Apresentar os fatores sociohistóricos que configuram o racismo brasileiro.
  • Introduzir o debate sobre o que é e como funcionam o racismo estrutural e racismo institucional.
  • Possibilitar o contato com dados que evidenciam os limites à igualdade de oportunidades em contextos racistas.
  • Trazer exemplos de como raça e gênero operam como estruturantes da sociedade brasileira.
  • Discutir os obstáculos do racismo para a consolidação da democracia no Brasil.

Metodologia de Trabalho

O trabalho será realizado de forma dialógica, buscando trazer exemplos do cotidiano e incitar a participação das pessoas presentes na oficina com perguntas disparadoras.

No primeiro momento, a partir de questões sobre como compreendem os temas abordados, apresentaremos uma abordagem dos conceitos e como eles se materializam nas relações cotidianas. Posteriormente, trabalharemos com dados da realidade brasileira para dialogar, em conjunto, sobre as implicações do racismo e suas intersecções com gênero na produção do cenário brasileiro.

Uma semana antes da oficina, você terá acesso na plataforma moodle aos seguintes conteúdos:

  • Vídeo de boas vindas, apresentação das/os docentes e explicação do propósito da oficina.
  • Padlet para a apresentação dos alunos: foto + breve apresentação
  • Materiais de estudo prévio (vídeos + textos + podcasts).
  • Roteiro da oficina.

Docentes

Suelaine Carneiro – Graduada em Sociologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1992). Mestre em educação pela Universidade Federal de São Carlos (2015). É coordenadora da área de educação de Geledés Instituto da Mulher Negra. Foi assessora da Relatoria Nacional do Direito Humano à Educação (Plataforma DHESCA), mandatos 2007-2010. Tem experiência na área de Educação, com ênfase nos seguintes temas: relações raciais, gênero, direitos humanos, educação, educação popular, feminismo, desigualdades e violência racial.

Jaqueline Lima Santos – Doutora em Antropologia Social pela UNICAMP, mestre em Ciências Sociais/Antropologia pela UNESP, licenciada e bacharel em Ciências Sociais pela PUC-Campinas. Consultora de Geledés Instituto da Mulher Negra. Pesquisadora dos temas juventude, educação, políticas sociais, gênero, relações étnico-raciais, diáspora negra, pós-colonialismo, cultura Hip-hop e PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa).

+ sobre o tema

São Paulo abre centro de promoção da identidade negra

A prefeitura da capital paulista inaugurou ontem (8) o...

Aplicativo irá ajudar no combate à violência contra a mulher

Rio Grande do Sul será o primeiro estado brasileiro...

Organizações de Mulheres Negras se encontram com relatora da OEA

Representantes de Criola e Geledés – Instituto da Mulher...

Desigualdades e recuperação da aprendizagem na pandemia

Convidamos você para participar do próximo evento do Ciclo...

para lembrar

Por que os negros não comemoram o 13 de maio, dia da abolição da escravatura?

A Lei Áurea, que aboliu oficialmente a escravidão no...

“raça é um marcador da vida no Brasil”

Na minha primeira viagem ao Brasil, em 1986, participei...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz um levantamento da cobertura vegetal na maior metrópole do Brasil e revela os contrastes entre...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em situação de pobreza no Brasil em 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro...
-+=