Racismo Ambiental: Povos tradicionais resistem à injustiça

 

 

 

A expropriação de territórios e ausência do poder público na solução dos conflitos é uma das questões denunciadas pelo Grupo de Trabalho de Racismo Ambiental da Rede Brasileira de Justiça Ambiental (RBJA), que lançou o “Mapa da Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil”, ontem, no auditório da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Além da divulgação do estudo, outras ações estão sendo realizadas pelo grupo. De hoje até amanhã, acontece a 1ª Oficina de Combate ao Racismo Ambiental do Nordeste, no Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), no Passaré, com a presença de representantes dos Estados do Ceará, Piauí, Maranhão e Rio Grande do Norte.

Participam do evento movimentos, fóruns, populações tradicionais e pesquisadores que estarão reunidos para discutir estratégias de resistência em relação aos problemas socioambientais gerados pelo modelo de desenvolvimento capitalista.

Comunidades tradicionais

As índias Tremembés, de Itapipoca, e os índios Tapuya Kariri, de São Benedito, participaram do lançamento do “Mapa da Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil”. Eles representam algumas das comunidades que estão citadas no estudo, como os índios Jenipapo Kanindé, de Aquiraz, os Tapebas, de Caucauia, e o Povo Anacé, de São Gonçalo do Amarante.

Usando cocar, colares e símbolos indígenas, Francisco de Assis, o neguinho Tapuya Kariri, como prefere ser chamado, explica que participar desses espaços é ser exemplo de resistência contra as injustiças ambientais que as comunidades sofrem. Em São Benedito, por exemplo, de onde ele vem, as monoculturas de cana e batata estão causando danos a cerca de 380 pessoas, dentre 64 que se reconhecem índios. “Eles usam as águas dos nossos rios, destroem a terra e nos impedem de realizar o plantio, se me visto assim, com penas e dentes dos bichos, é para valorizar a natureza que não é vista”, protesta.

Fonte: Blog do Luiz Fernnando

+ sobre o tema

Site identifica casos de racismo na Europa

Foi criado um novo portal europeu destinado a mostrar...

FHC defende debate sobre modelo de cotas raciais

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) defendeu hoje o...

Triste do país que dorme com tantos homicídios

Brasil experimentou em 2017 o recorde histórico de letalidade...

para lembrar

Após sofrer racismo, jovem se vinga e faz sucesso nas redes sociais

A jovem Tora Shae chamou a atenção da web após contar uma...

“SBT não pode acobertar” Sheherazade, diz deputada

  Em entrevista ao 247, deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ)...

Mulher denuncia que foi à delegacia registrar acidente, apanhou e foi presa

Como internauta frequentador de sua importante página na Internet...

Recusa a ver ‘Olhos que Condenam’ pode ser um ato revolucionário

Narrativas exclusivamente dolorosas podem ser, na verdade, alienantes por Dodô...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=