Racismo no Brasil é “estrutural e institucionalizado”

ONU revela estudo sobre a discriminação no país. Campanha para eleições não aborda interesses dos negros.

A Organização das Nações Unidas (ONU) concluiu que o racismo no Brasil é “estrutural e institucionalizado” e “permeia todas as áreas da vida”, informa o portal UOL.

Num estudo publicado na última sexta feira pela ONU, os especialistas concluem que o “mito da democracia racial” ainda existe na sociedade brasileira e uma parte “nega a existência do racismo”.

O documento surge num momento em que o racismo no Brasil volta a ser tema de discussão. Recentemente a equipa de futebol Grémio de Porto Alegre foi excluída da Taça do Brasil devido ao comportamento racista dos seus adeptos no jogo contra o Santos, no dia 28 de Agosto.

Outro caso é o de uma jovem negra do estado Minas Gerais que publicou no Facebook uma fotografia em que posa com o seu namorado branco. A jovem foi vítima de injúrias raciais. Um dos perfis da rede social escreveu: “Onde comprou essa escrava?”. Em seguida: ”Me vende ela”.

A jovem denunciou o caso à polícia, que deve indiciar os autores por crime de injúria racial. A pena pode chegar a três anos de prisão e multa.

O estudo da ONU diz ainda que os negros no Brasil são os que mais são assassinados, têm menor escolaridade, menores salários, maior taxa de desemprego, menor acesso à saúde, morrem mais cedo e têm a menor participação no Produto Interno Bruto. São também a parte mais representada nas prisões e os que ocupam menos postos no governo.

A organização sugere que se “desconstrua a ideologia do branqueamento que continua a afectar as mentalidades de uma porção significativa da sociedade”. Também destaca que “o Brasil não pode mais ser chamado de uma democracia racial e alguns órgãos do Estado são caracterizados por um racismo institucional, nos quais as hierarquias raciais são culturalmente aceitas como normais”.

Os especialistas da ONU estiveram no Brasil entre os dias 4 e 14 de Dezembro do ano passado.

 

Debates da campanha para as eleições presidenciais não abordam temas de interesses dos negros

 

Uma análise do Instituto Patrícia Galvão, com base nos dados das agências Ibope e Datafolha, mostra que, mesmo sendo a maioria dos eleitores, as diferenças sentidas pelos negros estão ausentes do debate político na campanha para as eleições presidenciais, que decorrerá a 5 de Outubro.

O estudo, intitulado “Gênero e Raça nas Eleições Presidenciais 2014: A força do voto de mulheres e negros”, indica que os negros representam 55 por cento dos eleitores, enquanto que os brancos são 44 por cento e os amarelos correspondem a um por cento.

A socióloga e especialista em pesquisa de opinião Fátima Pacheco Jordão sublinha a ausência dos temas de interesse da população negra na campanha para as eleições.

“Chama a atenção o distanciamento dos autodeclarados pretos em relação ao programa, que pode ser explicado pelo facto de a questão racial não aparecer com ênfase nas campanhas. A não ser na exibição de alguns modelos negros, a população não se vê representada nos programas”, afirmou.

A socióloga destacou ainda que a população negra brasileira reconhece cada vez mais a sua identidade. “A autodeclaração é uma questão de identidade enquanto cidadão e cidadã”, disse.

 

Foto: Jamil Bittar

Fonte: Rede Angola

+ sobre o tema

John Grisham, um racista que não vê problema na pedofilia

Por: Rodolfo Viana Quem produz pornografia infantil é um criminoso. Quem...

“Gosto de falar de racismo porque há quem pense que tudo vai bem”

O ex-jogador francês Lilian Thuram trocou o futebol pelo...

Professora faz declaração preconceituosa sobre a síndrome de down e gera revolta

'Não me venha com documentário sobre gente com síndrome...

para lembrar

I Seminário Nacional sobre os impactos do Racismo na Ciência e na Saúde

É inegável o crescimento de políticas públicas e de...

Campanha do Estado sobre racismo institucional é finalista de prêmio nacional

A campanha sobre o racismo institucional do Governo do...

Painel trata combate ao racismo como exercício de cidadania e justiça

A busca por uma sociedade coletivamente solidária, com igualdade...

Dia Internacional da Mulher: comemorar o quê? – Por: Janethe Fontes

Vou iniciar esse texto dizendo que não temos o...
spot_imgspot_img

Estudantes contam como diretores do IFAL desencorajam denúncias de casos de racismo

Mobilizados contra casos de racismo, assédio e LGBTfobia no Instituto Federal de Alagoas (IFAL), Campus Maceió, estudantes revelam como foram sistematicamente desencorajados por diretores...

Enegrecer a docência universitária

Um educador em um sistema de opressão é revolucionário ou opressor.   ‒ Lerone Bennett Jr. Peço licença para iniciar este texto com um dado bastante obsceno:...

Empresas lucram com a diversidade, mas não lidam com a diferença

No final dos anos de 1990, quando eu terminava o Ensino Médio, comecei a procurar emprego de carteira assinada. Eu tinha pouca experiência, era...
-+=