Racismo no futebol brasileiro tem raízes históricas

Por: FÁBIO ALVES

 

Os casos de racismo registrados, este ano, ampliam o histórico de atos deste tipo no futebol brasileiro. No início do século XX, o futebol foi popularizado pelos operários europeus, que vieram ao Brasil. Muitos clubes criados por estes imigrantes surgiram e só aceitavam brancos. Mas o esporte ganhou as ruas e adeptos da pluralidade brasileira – brancos, pardos, mulatos.

Com a dificuldade de encontrar jogadores europeus e a desenvoltura dos brasileiros no novo esporte, os clubes, aos poucos, aceiraram novos jogadores. Algumas agremiações foram mais conservadoras e as mudanças trouxeram os primeiros conflitos e manifestações racistas.

Um caso ficou famoso e dificilmente será esquecido. O Fluminense, um dos muitos clubes que se orgulhava em manter as tradições europeias de seus fundadores, é conhecido como pó de arroz por conta do jogador Carlos Alberto. Para se ‘camuflar’, o atleta passava o pó de arroz, que escorria por seu rosto à medida que as gotas de suor caíam, como relatou Mário Filho, em sua obra O Negro no Futebol Brasileiro, de 1947. Confira a transcrição:

“O caso de Carlos Alberto, do Fluminense. Tinha vindo do América, com os Mendonças, Marcos e Luís. Enquanto esteve no América, jogando no segundo time, quase ninguém reparou que ele era mulato. Também Carlos Alberto, no América, não quis passar por branco. No Fluminense foi para o primeiro time, ficou logo em exposição. Tinha de entrar em campo, correr para o lugar mais cheio de moças na arquibancada, parar um instante, levantar o braço, abrir a boca num ‘hip, hip, hurrah’.

Era o momento em que Carlos Alberto mais temia. Preparava-se para ele, por isso mesmo, cuidadosamente, enchendo a cara de pó-de-arroz, ficando quase cinzento. Não podia enganar ninguém, chamava até mais atenção. O cabelo de escadinha ficava mais escadinha, emoldurando o rosto, cinzento de tanto pó-de-arroz.

Quando o Fluminense ia jogar com o América, a torcida de Campos Sales caia em cima de Carlos Alberto:

– Pó-de-arroz! Pó-de-arroz!

A torcida do Fluminense procurava esquecer-se de que Carlos Alberto era mulato. Um bom rapaz, muito fino.”

Os piores casos de racismo no futebol 

 

Racismo no Futebol Alemão 

 

racismo no futebol francês

 

A história do racismo no futebol brasileiro 

Fonte: DM

 

+ sobre o tema

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

para lembrar

Instrumentos Africanos na Cultura Brasileira

São claras as influencias da África sobre a...

Aprovados em 2ª chamada no Sisu devem se matricular hoje e amanhã

As matrículas para os aprovados em segunda chamada no...

O papel das instituições educacionais para o combate à discriminação

Quando resgatamos o passado para vivenciar o futuro, para...

Contrução identitário e a importância da educação das relações étnico-raciais na infância

Os espaços de educação infantil são característicos pela ampliação...
spot_imgspot_img

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...
-+=