Guest Post »
Racismo no Supermercado Andreazza em Caxias do Sul

Racismo no Supermercado Andreazza em Caxias do Sul

Entidades em defesa do negro repudiam caso de racismo ocorrido em Caxias do Sul


Fundador de rede de supermercados foi denunciado por operadora de caixa.

Uma frase proferida pelo fundador de uma rede de supermercados para a operadora de caixa Queren Pereira de Souza Oliveira, 23 anos, fez entidades em defesa do negro se manifestarem contra o acusado de  racismo, Orlando Andreazza, 80. Grávida de sete meses, Queren registrou ocorrência por ser abordada com a seguinte pergunta:

 — Você sabe a semelhança entre um Fusca quebrado na esquina e uma negra barriguda?

 Uma funcionária teria dito em seguida:

 — Você não entendeu? Os dois estão esperando um macaco!

 Para o presidente do Conselho Municipal da Comunidade Negra (Comune),

Sérgio Ubirajara da Silva Rosa, esse tipo de fato não é isolado, e ainda há muito preconceito em Caxias:

 — Uma brincadeira dessas sempre tem um fundo de preconceito. Tanto é verdade que não causou indignação nos demais funcionários, que terminaram rindo de tudo. Eles também não são muito diferentes de quem fez a brincadeira estúpida.

 O diretor da União de Negros pela Igualdade (Unegro) em Caxias disse que chega ao seu conhecimento, em média, cinco casos por ano de trabalhadores reclamando de racismo nas empresas.

 — É de se responsabilizar a empresa, porque é onde a jovem exercia sua função. O proprietário deveria ser exemplo por estar empregando, mas no íntimo dele a questão racial é forte e ele acabou faltando com respeito _ opina.

Coordenador da Igualdade Racial, órgão da Secretaria de Segurança Pública e Proteção Social, Diógenes Antônio de Oliveira Brazil também lamentou o episódio:

— São pessoas que guardam a maldade dentro delas. Quando ele externa esse tipo de sentimento é porque tem uma antipatia com a comunidade negra. Ela vai precisar de um tratamento psicológico por conta do fato, mas ele também precisa.

 

Fonte: Lista Racial

Artigos relacionados