Curitiba: Bar do Bispo é condenado a indenizar casal que sofreu discriminação racial e ofendido por funcionária

 

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná manteve a sentença do Juízo da 2ª Vara Cível do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba que condenou o Bar do Bispo a indenizar um casal de clientes (J.C.V. P e L.V.), em R$ 10.000,00 para cada um, os quais foram ofendidos, com palavras discriminatórias, por uma funcionária do estabelecimento no momento em que pagavam a conta no caixa.

De acordo com a sentença, restou comprovado que os autores foram vítimas de discriminação racial, o que mais agrava o fato, presenciado por várias pessoas, que efetivamente se sensibilizaram com a situação vivida pelos autores, tanto que se dispuseram, espontaneamente, a prestar esclarecimentos em Juízo.

O caso

Relatam os ofendidos que, no dia 4 de março de 2007, por volta das 5 horas, após terem consumido duas garrafas de água mineral, no valor de R$ 6,00 cada uma, dirigiram-se ao caixa do Bar para pagar a conta, no valor R$ 12,00. Lá chegando, J.C.V.P. entregou à funcionária a ficha de consumo e uma nota de R$ 20,00 e ficou aguardando o troco. Passados alguns instantes, a funcionária pediu-lhe novamente o dinheiro. Ao afirmar que já tinha pagado, a funcionária passou a agredir verbalmente o casal, referindo-se à raça negra com palavras discriminatórias.

O casal exigiu a presença do gerente, que se negou a efetuar o fechamento do caixa para que se comprovasse o pagamento da conta, insistindo com os autores para que pagassem o valor supostamente devido.

Em seguida, o casal solicitou que fosse chamada a Polícia Militar ou então que se verificassem as gravações das câmeras do sistema de segurança para comprovar o pagamento da conta, pedidos estes recusados pela gerência.

O recurso de apelação

Inconformado com a decisão de 1º grau, o Bar do Bispo recorreu da sentença, alegando no recurso que não há prova nos autos de que os funcionários tenham constrangido o ofendido os autores.

O apelante assinalou que o local é muito frequentado por negros e que os proprietários são afrodescendentes, não devendo o estabelecimento ser responsabilizado pela atuação da funcionária.

O voto do relator

Baseado em depoimentos testemunhais, o relator da apelação, desembargador Renato Braga Bettega, entendeu que houve abuso por parte da funcionária do bar ao proferir palavras de baixo calão e ofender a honra subjetiva dos autores [casal de clientes] ao se referir de forma discriminatória à sua cor, o que indubitavelmente enseja a ocorrência de danos morais.

Mesmo que haja desavenças entre as pessoas, a ofensa à honra e ainda mais o preconceito racial jamais podem ser tolerados, sob pena de violação aos princípios da moral, dos bons costumes e da dignidade da pessoa humana, que devem reger a vida em sociedade, afirmou o relator.

Por fim, explicou o desembargador relator que a condenação em danos morais também possui o condão de se apresentar como medida profilática para evitar comportamentos sociais que agridam a honra subjetiva das pessoas.

O voto do relator foi acompanhado pelos desembargadores DArtagnan Serpa Sá e Francisco Luiz Macedo (revisor).

(Apelação Cível nº 680.774-1)

 

Fonte: JusBrasil

+ sobre o tema

Três PMs envolvidos no caso Amarildo se entregam

Os três policiais militares do Rio que tiveram...

Alunos de arquitetura da UFMG se recusam a projetar casa com área para empregados

Em nota, estudantes da UFMG pedem cancelamento do trabalho...

Pimenta, saberes e ciência

Eu nasci em 1969 de parto natural — atravessado,...

para lembrar

Não pise nos mortos

1992 foi o último ano em que morei com...

Histórias de racismo envolvendo crianças e maneiras de lidar com ele

Os pais Jonathan Duran e Georgia Kitsos viveram episódios...

Em memória dos que perdemos

O recém-aprovado relatório da CPI da Covid centrou esforços...

A reprodução das desigualdades de gênero e raça nos contos de fadas

O presente artigo visa trazer alguns elementos para discussão...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=