Racismo protagonizado por Arthur Nory é relembrado no dia em que ginasta conquista ouro em Mundial

O hoje campeão mundial chegou a ser suspenso após “brincadeiras” contra Ângelo Assumpção, único negro da seleção de ginástica em 2015. “O saco do supermercado é branco, o de lixo é preto por quê?”, questionava Nory ao colega em vídeo

Por Wanderson Trindade, no O Povo

O hoje campeão mundial chegou a ser suspenso após caso de racismo contra Ângelo Assumpção, único negro da seleção de ginástica em 2015 (Foto: Instagram / Reprodução)

O título de campeão mundial conquistado neste domingo, 13, por Arthur Nory fez usuários das redes sociais celebrarem a vitória, mas também relembrarem caso polêmico envolvendo o atleta em 2015. Naquele ano, o hoje medalhista de ouro na barra fixa havia participado de “brincadeiras” de cunho racista contra seu colega de seleção brasileira, Ângelo Assumpção.

À época, Arthur e grupo de outros atletas gravaram vídeos fazendo comentários racistas sobre a cor da pele de Ângelo, único negro da equipe brasileira. Até então conhecido como Arthur Mariano, Nory questionava a Ângelo: “O saco do supermercado é branco, o de lixo é preto por quê?”. Em meio a risos, o garoto de 20 anos, naquele momento, estava ao lado dos também ginastas Felipe Arawaka e Henrique Flores.

Com repercussão negativa, os atletas foram suspensos pela Confederação Brasileira de Ginástica (CBG). Eles ainda chegaram a gravar vídeo pedindo desculpas a Assunção. Depois da suspensão, Arthur adotou o sobrenome Nory e seguiu carreira no esporte.

Após conquistar medalha de bronze no solo durante as Olimpíadas Rio 2016, no entanto, as redes sociais se dividiram entre a celebração do título e o episódio de racismo. Fato similar acontece neste domingo.

Com a notícia do ouro no Mundial, usuários utilizaram as redes sociais para apontar o passado do ginasta. “Aquele lembrete toda vez que esse cara é exaltado: Arthur Nory é racista”, escreveu uma seguidora no Twitter.

“O Ângelo, vítima do racismo desse rapaz da foto, perdeu patrocínio. O racista mudou o nome e conquistou medalha. Em 2016, conquistou medalha de bronze no solo”, apontou outra.

O termo “racista” permaneceu entre os primeiro da rede social durante a tarde deste domingo.

+ sobre o tema

Para Ives Gandra: sobre direitos e privilégios

São Paulo, 20 de novembro de 2017. Prezado Ives Gandra, Márcia...

Dois judeus acusados por ataques racistas

AFP - Agence France-Presse Um tribunal israelense acusou dois jovens judeus...

O racismo começa na gravidez

Série de reportagens aborda a realidade de mulheres negras...

Racismo: a máquina de matar e encarcerar negros – Deborah Small

Os fatores que levam ao racismo resultam em mortes...

para lembrar

Homem agride adolescente é preso acusado de racismo em supermercado em Araçatuba

Um desempregado, que não teve idade divulgada, foi preso...

O racismo não bateu à porta, mas entregou uma carta

Não é novidade que o Brasil é um país...

Justiça decreta prisão de major envolvido no caso Amarildo

Outros três policias envolvidos no desaparecimento e morte do...

De azul ou de rosa, crianças negras na linha de tiro do Estado genocida

Qualquer pessoa que tenha perdido uma criança na família...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=