Raissa Santana, a Miss Brasil 2016, quer mostrar que mulheres negras podem TUDO

Nascida na Bahia, Raissa Santana se mudou, aos seis anos, para o Paraná, sendo esse o estado que a Miss Brasil 2016 simbolizou na disputa, que aconteceu no dia 1° de outubro, em São Paulo. Com apenas 21 anos de idade, a modelo e estudante de marketing é a segunda negra a ser coroada em 62 anos de história do tradicional concurso (a primeira foi Deise Nunes, a Miss Brasil 1986). “Faz 30 anos que uma mulher negra não é eleita e eu me sinto muito orgulhosa e feliz em poder representar não só a beleza negra, mas todas as mulheres”, conta.

Apesar de, historicamente, o Miss Brasil não representar grande parte das brasileiras, neste ano, a diversidade esteve muito mais presente no concurso. Das 27 candidatas, seis eram belíssimas negras – e o número impressionou. Na opinião de Raissa, esse panorama foi extremamente positivo.

Raissa Santana, do Paraná, recebe a coroa de Miss Brasil 2016 em São Paulo (Foto: Celso Tavares/ EGO)

“O nosso país é muito miscigenado e mais da metade da população é negra. Acredito que esse padrão de beleza estava enraizado e esteja sendo quebrado, não só aqui, no Brasil, mas em outros países também”, opina. “Antes, você olhava para os concursos de beleza e sempre via os mesmos tipos de mulheres, eram todas muito parecidas. Hoje em dia, vemos meninas brancas, loiras, morenas, ruivas… Eu acredito e espero que, daqui pra frente, continue assim, com vários perfis bem distribuídos no concurso, com espaço para todas as raças e etnias”.

Além disso, a atual Miss Brasil ainda fez questão de reforçar a importância da representatividade em seu reinado.

“Eu acho que é muito significativo mostrar a diversidade que o Brasil tem, expor a importância de misturar raças e não ressaltar apenas um padrão de beleza para quem não tem uma referência”.

Sobre meninas e mulheres que, anteriormente, não se viam representadas, a coroada é categórica:

“Eu vou fazer com que elas se inspirem e se aceitem mais. Hoje, muitas delas ainda não têm um parâmetro. Agora, por eu ser a Miss Brasil, vou ter o poder de incentivar cada uma e mostrar que elas podem, sim, conquistar qualquer coisa: um concurso de beleza, uma carreira, o que quiserem!”.

Deise D’anne, do Maranhão, Raissa Santana, do Paraná, e Danielle Marion, do Rio Grande do Norte, no Miss Brasil 2016 em São Paulo (Foto: Celso Tavares/ EGO)

Raissa será a representante brasileira no Miss Universo, que acontecerá no dia 30 de janeiro, nas Filipinas. Danielle Marion, do Rio Grande do Norte, e Deise D’anne, do Maranhão, ficaram, respectivamente, em segundo e em terceiro lugar na disputa pela coroa.

+ sobre o tema

Documentário sobre revolução na Tunísia é destaque da mostra África Hoje

"Rouge Parole" abre segunda edição do evento, que...

Espetáculo Negra Palavra – Solano Trindade estreia no Teatro Wedo!

A vida e obra de Solano Trindade, poeta pernambucano...

para lembrar

Regina Advento

A DANÇARINA Marten Vanden Abeele (foto). A Sagração da Primavera....

Consciência Negra programação Pará 2011

01 a 30/11 EXPOSIÇÃO VIRTUAL "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS" NO MÊS...
spot_imgspot_img

Mulheres afrodescendentes são destaque em evento internacional pela conservação ambiental e justiça climática

No último dia 14, a vice-presidenta da Colômbia, Francia Márquez, esteve no fechamento do evento internacional “Garantir a posse da terra e os direitos...

Instituto Tebas celebra 194 anos de nascimento de Luiz Gama com caminhada e exibição de vídeo em São Paulo

 Liberdade ou Morte: histórias que a História não conta é o título da web série composta por sete narrativas (fotográficas, textuais e audiovisuais) que destacam a agência...

Filme biográfico sobre Luiz Melodia é o vencedor do Festival In-Edit Brasil

O documentário "Luiz Melodia - No Coração Do Brasil" é o grande vencedor da 16º edição do In-Edit Brasil, o Festival Internacional do Documentário Musical. Dirigido...
-+=