Gabriela Moreyra, protagonista de ‘Escrava mãe’, faz críticas ao racismo: ‘Erro’

Quem olha para Gabriela Moreyra vê a cara do Brasil. Não à toa, a beleza miscigenada e o talento da atriz sobressaíram num teste com 40 concorrentes e lhe deram a chance de interpretar a primeira protagonista de sua carreira após seis novelas. Em “Escrava mãe”, a artista de 29 anos é Juliana, mãe da escrava Isaura, referência emblemática da dramaturgia e da literatura.

— Na época em que tentei, achei que não fosse rolar. Demoraram uns dois meses para me ligar. Quando recebi a notícia, tive noção do tamanho da conquista — lembra a atriz, que neste ensaio veste um tema escolhido por ela mesma em reverência à cultura negra: a tendência afro.

Quatro meses após a estreia, Gabriela está numa situação atípica à de outros atores que fazem sucesso na televisão: com tempo de sobra, ela acompanha com calma a repercussão da história, já que a novela foi gravada em 2015.

— Eu me surpreendi com o sucesso da novela e com o carinho do público. Mas a gente tem que saber lidar com a curiosidade sobre os próximos passos dos personagens. Os telespectadores sabem que já gravamos tudo e querem saber o que vai acontecer (risos). E tem coisa que eu realmente esqueci.

O difícil de esquecer são as sequências que mostram a escravidão e o preconceito. Descendente de negros, a atriz avalia a necessidade de relembrar no presente episódios semelhantes aos do passado brasileiro do século 19.

— Pela minha família, pela mistura que eu carrego, eu me considero negra.. Eu tive avós e bisavós brancos, mas tenho um lado da família que não conheço muito. Meus bisavós podem ter sido escravos — frisa a atriz, que acrescenta: — No Brasil, muitos acontecimentos estão relacionados às diferenças sociais e ao racismo. A novela ajuda a contar parte do que originou isso: aquela mulher sofre preconceito da senzala por ser branca e da Casa Grande por ser negra. A escravidão é triste. É importante conhecer a história e não repetir os erros.

moreyra-gabriela
Gabriela veste peças inspiradas no universo afro Foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo

Gabriela só pensa em acertar. E grande parte de suas tentativas se envereda pelos caminhos da arte. Filha de uma bailarina e de um editor de vídeo, ela já arriscou passos de dança na infância e na adolescência, já derramou suas tintas em quadros e atualmente agrega outra habilidade à rotina: o prazer pela arte de cozinhar. Namorada do cantor e ator Leandro Léo, ela é dona do perfil de Instagram Nega Fullô e ali compartilha suas experiências na cozinha e em restaurantes:

— Vejo vídeos na internet, cozinho em casa e quero muito fazer o canal oficial. A cozinha é uma terapia.

Se o assunto é eliminar os quilinhos ganhos com os quitutes, ela também não deixa para depois. Com 1,69m de altura e 63kg, Gabriela treina diariamente com o personal trainer Rafael Ribeiro e está três quilos mais magra do que na época das gravações de “Escrava mãe”:

— Eu procuro comer bem todos os dias, me cuido com uma nutricionista. Se eu fizer uma macarronada numa sexta-feira, procuro aliviar depois. Tento comer de tudo um pouco, mas sem grandes restrições. Não acredito em radicalismo.

colete-terra2 roupa-afro

Créditos

Fotos: Roberto Moreyra/ Beleza: Chico Toscano/ Produção de moda: Milton Castanheira/ Agradecimento: Corcovado Rio Hostel

+ sobre o tema

Praça das Artes recebe comunidades no lançamento da 2a edição do Circuito de Rodas de Samba SP

A segunda edição do guia oferece informações sobre 56...

CONCENTRAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO POR RAÇA NO BRASIL

RESENHAKILSZTAJN, Samuel e col. Concentração e distribuição de rendimento...

Shonda Rhimes, criadora de ‘Grey’s Anatomy’, diz que Emmy é vergonhoso

A roteirista e produtora americana Shonda Rhimes, criadora das séries...

para lembrar

Viola Davis vem ao Brasil para promover a estreia do filme “A Mulher Rei”

A vencedora do Oscar® Viola Davis vem ao Brasil para...

Escravos na Justiça

Entre as várias preciosidades do Arquivo Nacional do Rio...

Nossos Motivos Pra Lutar ainda São os Mesmos

por: Gildean Silva Panikinho Para expressar minhas opiniões...

Capoeira: da marginalização à institucionalização

Artigo de Katiuscia Mello Figuerôa, professora e praticante de...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=