Rapaz trabalha como diarista há 7 anos no ES e diz que não se importa com preconceito

Para psicóloga e consultora de carreiras, o mercado de trabalho está mudando e ficando cada vez menos preso aos gêneros.

Por Poliana Alvarenga Do G1

Os termos “trabalho de homem” e “trabalho de mulher” estão ficando no passado. É que cada vez mais as pessoas têm se empenhado nos mais variados tipos de serviço, seja por paixão ou para driblar o desemprego. É o caso do diarista Maicon Silva, que paga as contas fazendo faxina há sete anos.

Maicon começou a trabalhar limpando casas aos 15 anos, quando se mudou do interior do Espírito Santo para a Grande Vitória. Começou morando de favor e hoje, com o rendimento das faxinas, paga o próprio aluguel, ajuda a família e até já tem novos planos, mas sem abandonar a atividade.

O jovem conta que o preconceito foi um dos problemas no início da atividade, mas nunca foi uma barreira.

“No início foi difícil. Pensa você chegar na portaria de um prédio, falar para o porteiro que você vai fazer faxina e o porteiro não te deixar subir por ser estranho um homem fazer faxina. Muitas pessoas também já passaram por mim enquanto eu fazia faxina e riram, filmaram… mas nunca dei valor a nada disso”, falou.

Maicon começou a fazer as faxinas na casa da aposentada Ieda Abreu, em Jardim Camburi. Segundo ela, o rapaz nunca decepcionou. “Existem mulheres que não fazem faxina tão bem como ele. Isso eu posso afirmar.”

Destaque na mecânica

Uma oficina mecânica geralmente é um espaço predominantemente masculino, mas não se depender da Laiani de Oliveira, que tem o cargo de mecânico automotivo na Serra.

“Eu fui colocada pra fazer um estágio em uma área automotiva, sendo que eu fazia mecânica industrial, mas acabei gostando dessa área automotiva e fiquei”, contou.

Laiane conta que ainda causa uma cerca surpresa nos clientes que procuram a oficina. “Na maioria das vezes, sim. Mas eu procuro fazer o meu trabalho da melhor maneira possível, ganho a confiança dos clientes, e assim fui conseguindo meu espaço no mercado de trabalho”, disse.

A delicadeza e cuidado não estão apenas no batom e nos brincos, mas em cada toque feminino, por mais pesado que o serviço pareça. O gerente conta que a escolha foi intencional e superou as expectativas.

“Já virou uma referência na nossa empresa, uma mulher mecânica, tanto que os nossos clientes chegam e perguntam ‘a Laiani tá aí? Ela vai poder fazer a minha revisão?’. Isso, para nós, é muito gratificante e quem ganham são os nossos clientes”, falou o gerente Fabrício Correia.

O colega de trabalho Erico Santos contou que admira Laiane. “É interessante porque a gente vê a diversidade do mercado, a mulher está tomando o espaço do homem e o homem da mulher. Cada um tem a capacidade de desenvolver um trabalho diferenciado.”

Carreiras

A psicóloga e consultora de carreiras Martha Zouain acredita que o mercado vem mudando e abandonando cada vez mais o preconceito. O que falta muitas vezes é o profissional se reconhecer na atividade em que se sente feliz.

“Quando se vai contratar, o que as empresas querem é alguém que dê resultado, não importa o sexo. Hoje já se sabe que se a pessoa está feliz no trabalho, ela será alguém que de fato vai entregar o resultado esperado”, disse.

+ sobre o tema

Museu Republicano e UNEI promovem 2º Encontro da Mulher Negra de Itu

Evento acontece dia 29 de julho. O auditório do Centro...

Opinião: O sistema penal não pode proteger as mulheres da violência

Pesquisadora pergunta de que maneira o feminismo pode abordar...

40% das vítimas de violência contra a mulher são evangélicas

Os dados de violência contra a mulher são alarmantes,...

para lembrar

Michelle Obama e Hillary homenageiam Sojourner Truth negra que lutou contra escravidão

Washington, 28 abr (EFE).- Michelle Obama e Hillary Clinton...

Duas ou três questões sobre mulheres negras, relações não monogâmicas e questões raciais

Começo esses escritos sobre afetividades das mulheres negras, relações...

Carnaval – Com Vânia Flor a Salgueiro inova no quesito musa

Com 104 kg, Vânia Flor foi eleita durante concurso...

Bahia registra 15.751 casos de violência contra a mulher em 135 dias

O Estado da Bahia registrou 15.751 casos de violência...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=