Reino Unido: Polícia vai tratar denúncia de estupro com mesma severidade de ameaça terrorista

Manifestantes levantam faixa: ‘estupro:um problema global’

Segundo relatório, 80% das vítimas britânicas de violência sexual sofrem em silêncio de modo que esses crimes são profundamente mal estimados

no Ópera Mundi

A polícia do Reino Unido prometeu tratar casos de estupro e de assédio sexual com a mesma severidade de ameaças terroristas, reportou o Guardian nesta terça-feira (02/06). A decisão de elevar a preocupação de violência sexual ao mesmo patamar de questões que envolvem a segurança nacional vem em meio ao lançamento de um relatório que revela que a instituição britânica falha na investigação de vítimas desta modalidade criminal.

Cartaz: 'Como prevenir estupro: 1. não estupre; 2. não crie descupas para estupradores'
Cartaz: ‘Como prevenir estupro: 1. não estupre; 2. não crie descupas para estupradores’

“Nós temos que dar a mesma prioridade às investigações de ofensa sexual como fazemos para combater o terrorismo”, garantiu o comissário da polícia Sir Bernard Hogan-Howe, em entrevista ao jornal inglês.

A avaliação foi conduzida por Elish Angiolini para a Met (Polícia Metropolitana, principal força do Estado) e para a CPS (Crown Prosecution Service, a procuradoria britânica). Segundo a especialista, o governo do recém-reeleito premiê, o conservador David Cameron, deverá fornecer mais recursos para ajudar a lidar com um aumento de denúncias de violência sexual

Leia: PLP 2.0 – Aplicativo para coibir a violência contra a mulher

De acordo com o relatório, ao menos 80% das vítimas deste tipo de delito sofrem em silêncio e não denunciam seus ataques, de modo que esses crimes são profundamente mal estimados pela polícia do Reino Unido.

A avaliação, que faz quase 50 recomendações a essas instituições para melhorar o atendimento às vítimas e a investigação desses casos, está sendo implementada na capital, Londres, mas poderá gerar mudanças em nível nacional, estima Guardian.

Nos últimos anos, a Polícia Metropolitana tem sido marcada por uma série de escândalos pela forma como investiga e leva à justiça os casos de estupro reportados no país.

Há cerca de duas semanas, a imprensa britânica reportou que mais de 1.400 pessoas estariam sendo investigadas pela polícia local na operação Hydrant, que desde o ano passado analisa casos de abuso sexual infantil no Reino Unido. Entre os suspeitos, estão 135 artistas do cinema e da televisão, 76 políticos e 43 músicos, totalizando ao menos 254 pessoas públicas envolvidas no escândalo.

+ sobre o tema

Fim do feminicídio está associado a mudança cultural, dizem participantes de audiência

Mudanças socioculturais são necessárias para acabar com a violência...

Vitória em Goiás, derrota em São Paulo: “resoluções” de casos de estupro

Universidade Federal de Goiás demite professor acusado de estupro,...

Violência de gênero é tema de debate gratuito no Campo Limpo, em São Paulo

No dia 11 de setembro, terça-feira, o Usina de Valores e...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...

para lembrar

Nudez e pedofilia: onde está o real problema?

Incentivamos uma relação com a sexualidade desigual e potencialmente...

Quem são as vítimas “invisíveis” dos estupros no Brasil?

Estimativa é que apenas 10% de quem sofre com...

Médica alerta para estupro de meninas silenciado por familiares

Especialista do Ministério da Saúde alerta que falta integração...

Mutilação genital afeta 200 milhões de mulheres no mundo, diz ONU

Prática é considerada violação flagrante aos direitos humanos Do O...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

Robinho chega à penitenciária de Tremembé (SP) para cumprir pena de 9 anos de prisão por estupro

Robson de Souza, o Robinho, foi transferido para a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior de São Paulo, na madrugada desta sexta-feira (22). O ex-jogador foi...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=