Relatório “arrasa” políticas nacionais contra racismo, diz Solidariedade Imigrante

O presidente da associação Solidariedade Imigrante defendeu hoje que o relatório da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância (ECRI) “arrasa completamente as políticas nacionais de combate à discriminação racial”, defendendo a criminalização dos atos racistas.

A ECRI considera que Portugal progrediu na luta contra a discriminação racial, mas lamenta a persistência de situações “preocupantes” como casos de “hostilização” e “abusos da polícia” contra os ciganos.

Por outro lado, aponta que os sites na internet com conteúdos racistas e xenófobos têm aumentado nos últimos anos, visando principalmente os ciganos e os imigrantes.

Defende igualmente que o Alto Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural (ACIDI) devia ser independente do Governo e dotado de “poderes de investigação e habilitado a propor ações e a participar em processos judiciais”.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da associação Solidariedade Imigrante defendeu que o relatório da ERCI “arrasa completamente as políticas nacionais contra a discriminação racial”.

“De certa forma também arrasa e põe a descoberto os falhanços das políticas de integração dos imigrantes”, disse Timóteo Macedo.

Ressalvando que não teve oportunidade de ler todo o conteúdo do relatório, o responsável frisou que tem faltado a coragem política para se avançar mais no que diz respeito ao combate aos crimes racistas.

“Nós achamos que a ECRI fica aquém daquilo que é necessário e é necessário efetivamente criminalizar as atitudes racistas e aplicar penas que estejam em consonância com o espirito solidário do povo português”, defendeu Timóteo Macedo.

Na opinião do responsável, as atuais políticas não ajudam os imigrantes porque são estigmatizantes, acusando as instituições públicas de terem um discurso paternalista para com aquelas pessoas.

Concorda com a posição manifestada no relatório de que o ACIDI deveria ser independente do Governo porque senão, avisa, vão manter-se “as políticas do faz de conta”.

Defendeu, por outro lado, a existência de serviços públicos de qualidade para todos, que não estigmatizem os imigrantes e lhes deem efetivamente igualdade de oportunidades.

“Portugal pensa que os imigrantes são pobres e desgraçadinhos que não percebem nada do assunto, mas os imigrantes querem ser respeitados. Querem ter direitos e ser atores na sociedade”, disse ainda.

 

 

Fonte: DN

+ sobre o tema

Alemanha endurece legislação contra crimes racistas

O governo alemão aprovou nesta quarta-feira (27) um projeto...

O arrastão de racismo no jornalismo online de A Gazeta

Nenhuma loja depredada no Shoping Vitória. Nenhum registro...

Policiais investigados por homicídio de João Pedro mudaram versões sobre disparos

Os três policiais civis investigados pelo homicídio do adolescente...

Grife Louis Vuitton é acusada de racismo por ex-funcionária

As grifes sempre estão envolvidas em polêmicas, como por...

para lembrar

ONU diz que Brasil tem ‘problema gigantesco’ de violência policial

O Brasil enfrenta um "problema gigantesco" de violência policial...

Criminoso nazista mais procurado do mundo é encontrado em Budapeste

Laszlo Csatary, 97 anos, é apontado como cúmplice na...

A meritocracia é um mito que alimenta as desigualdades, diz Sidney Chalhoub

Para historiador da Unicamp e de Harvard, a Universidade...

Vídeo mostra mulher negra expulsa de voo da Gol na BA: ‘levaram à força’

Uma mulher negra foi retirada pela Polícia Federal de...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=