Remake de ‘A Dama e o Vagabundo’ vai mudar música considerada racista

Canção interpretada por dois gatos siameses foi apontada como um retrato problemático da cultura asiática

NaVeja

Com a onda da produção de remakes, a Disney também acha espaço para reparar seus erros do passado. No caso da nova versão de A Dama e o Vagabundo (1955), animação na qual uma mimada cocker spaniel se apaixona por um vira-lata, a novidade está na trilha sonora: uma das músicas do longa, A Canção dos Gatos Siameses, terá sua letra modificada, segundo a revista Variety. O trabalho será realizado pelo grupo Wondaland, ligado à cantora Janelle Monáe, que também contribuirá com duas faixas originais para a trilha sonora do filme.

Cena do clássico ‘A Dama e o Vagabundo’, da Disney (Reprodução/Diney)

 

A canção, interpretada pelos gatos siameses Si e Am, se tornou alvo de polêmica após ser considerada um retrato problemático da cultura asiática, já que os felinos são retratados com os olhos muito puxados e com dificuldades de pronúncia. A música logo foi apontada como xenófoba, já que os próprios gatos confessam ser imigrantes. “Viemos do Sião há três meses/ E nos chamam de siameses/ Essa é a nova casa onde vamos ficar”, cantam na versão brasileira. Na nova versão, no entanto, os gatos não serão da raça siamesa, que é originária da Tailândia, antes conhecida como Sião.

O remake da animação está sendo desenvolvido com exclusividade para o Disney+, serviço de streaming da companhia, que deve ser lançado em novembro deste ano.

Novos tempos

Esta não é a primeira vez que a Disney procura consertar algum ponto que poderia causar polêmica nos remakes de seus filmes antigos. Na nova versão de Dumbo (2019), dirigido por Tim Burton, a cena na qual o pequeno elefante se encontra com um bando de corvos foi cortada após ter sido apontado que os animais eram uma representação estereotipada da população negra.

A representatividade também passou a ser uma prioridade do estúdio: em A Bela e a Fera (2017), o personagem LeFou (Josh Gad) é apresentado, pela primeira vez, como abertamente homossexual – e não apenas como um alvo de especulações, como era no desenho. Já em Mulan, previsto para 2020, a Disney apostou na representatividade étnica de seus personagens, com o elenco principal composto somente por chineses ou descendentes de chineses, assim como os personagens da animação.

+ sobre o tema

Discriminação e racismo institucional – Brasil 2014

Um debate-denúncia sobre a discriminação racial e o racismo...

O Judiciário e a Justiça Histórica

Por: Boaventura de Sousa Santos   Uma inflexão...

Advogado Sugere Separar Nordeste do Brasil

  Advogado diz que iniciaria guerra para separar...

É preciso reformar o pensamento sobre racismo

A crise econômica acende um alerta para o racismo,...

para lembrar

Notas sobre os Desafios para o Brasil

Anais do Seminário Internacional "Multiculturalismo e Racismo: O papel...

Cabral: pela extensão das cotas

  Governador alerta para o racismo que ainda persiste...

Resistência negra no cinema brasileiro: Um diálogo com a diretora Camila de Moraes

Fotografia: Alf Ribeiro O interesse pelo cinema surgiu quando a...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=