Revista Acho Digno fortalece imprensa negra brasileira

O lançamento da nona edição da Acho Digno, revista eletrônica que tem como objetivo fortalecer a imprensa negra no Brasil, aconteceu no dia 17 de junho, às 18h, no Instituto Mídia Étnica, Dois de Julho, em Salvador. Segundo Camila de Moraes, idealizadora do veículo juntamente com a socióloga Elísia Santos, esse meio colabora para a maior visibilidade das pautas que representam positivamente a comunidade negra. No lançamento, será exibido o documentário “A escrita do seu corpo”, que, através de poemas pintados no corpo de mulheres, trata sobre a questão de gênero e racismo. A música para comemorar o evento ficará por conta da banda, composta somente de mulheres, Intêra, que traz o som da MPB, jazz e blues.

no Correio Nagô

A revista Acho Digno tem o mesmo público que a Revista Afirmativa, por exemplo, mas, para Camila, elas não são concorrentes. “Não há uma competição entre os veículos que pautam as questões raciais, mas sim, a construção de uma rede de apoio de combate ao racismo e de visibilidade para evidenciar o que os negros e as negras estão produzindo”, afirma a jornalista. Nesta edição, além de outras temáticas, a revista eletrônica traz, na editoria Música da Terra, uma reportagem sobre a vida e carreira da cantora e compositora Clécia Queiroz, que lançará, no dia 24 de julho, no Teatro Castro Alves, o CD de samba Quintais. Temas que abordam a questão do racismo na internet, textos referentes à necessidade de o ser humano saber amar a si mesmo, artigos que tratam do cenário político atual e a questão do golpe contra a presidenta são assuntos que fazem parte da próxima edição da Acho Digno.

Com cerca de 30 páginas e editorias voltadas para a área cultural, da moda e da música, a Acho Digno surgiu em setembro de 2014. Camila de Moraes afirma que é muito difícil manter a revista, pois ela ainda não tem patrocínios e não tem nenhum tipo de investimento que não seja da própria equipe. A comunicóloga conta que, inicialmente, a pretensão era que a revista fosse mensal, mas, por questões financeiras, não foi possível acontecer dessa forma. “Temos dificuldades financeiras para continuar produzindo a revista, mas o amor e o sonho fazem com que continuemos”, destaca Moraes.

De acordo com Camila, a revista Acho Digno tem uma boa visibilidade e um bom retorno dos leitores. “No lançamento da edição passada, a publicação teve mais de 6.000 acessos, de países diferentes. Recebemos elogios, as pessoas dizem que precisamos continuar”. A jornalista afirma que isso tudo é resultado de um trabalho feito com verdade. “As pessoas que leem percebem o amor, a paixão com que é feita a Acho Digno”. Segundo Camila de Moraes, além da falta de dinheiro, outro fator que impulsiona a continuar o projeto de a revista ser eletrônica e não impressa é a grande probabilidade de o conteúdo chegar a regiões diversas. “Hoje, nós estamos na Tanzânia”, destaca.

acompanhe no Facebook

+ sobre o tema

Filha de Beyoncé, Blue Ivy, rouba a cena durante jogo da NBA

“Filho de peixe, peixinho é”. O ditado popular se...

Após campanha com Gil e Emicida, Museu de Arte Negra bate meta para expo 3D

Após a realização de uma campanha com apoio de...

6 músicas para entender Jaden, o talentoso filho rapper de Will Smith

Na última quarta, 8, Jaden, filho de Will Smith,...

JAGUARIÚNA: Prepara comemorações da Semana da Consciência Negra

Fonte: Portal Vermelho - Para celebrar a cultura negra...

para lembrar

José Luiz Griot: #RBMASP: o homem que doou livros afro ao Racionais

Antigo dono de livraria, José Luiz Griot passou anos...

Aluno nigeriano resolve equação que estava há 30 anos sem solução no Japão

Um estudante nigeriano alcançou as maiores notas em uma...

Rua em bairro valorizado de Porto Alegre vai virar quilombo

Governo federal desapropriará terreno e beneficiará 67 famílias ...

Brasileira eleita miss Italia nel Mondo incentiva misses negras: “Nunca desistam!”

Silvia Novais, 25, é uma miss vitoriosa: foi miss...
spot_imgspot_img

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...

Coletivo Kukuru Itan realiza oficina gratuita de teatro de Nanã para idosos durante o mês de junho

Com a missão de valorizar a identificação de idosos racializados, sobretudo negros, o Coletivo Kukuru Itan criou a oficina de teatro de Nanã, que acontece durante o mês...

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...
-+=