“Revoltante e lastimável”, diz irmã de Marielle sobre fala de Bolsonaro

Em seu discurso feito nesta sexta para rebater as declarações do ex-ministro Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) citou Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2018, quando comparou a investigação da morte dela com a da facada que levou durante a campanha eleitoral. Após a fala, a família da parlamentar repudiou o uso do nome dela pelo presidente.

Anielle Franco, irmã de Marielle e à frente de instituto em memória dela, classificou a declaração de Bolsonaro como “revoltante, lastimável e surreal” e afirmou que o uso do nome da vereadora foi uma “cortina de fumaça” na tentativa de tirar o foco dos ataques que recebia.

“Nenhuma vida deve ser ceifada como a da Marielle, ninguém merece levar facada. Não se pode comparar o crime dele com o crime da minha irmã, que perdeu a vida com mais de cinco tiros na cabeça, é inadmissível”, afirmou Anielle em áudio enviado à reportagem.

A declaração foi dada pelo presidente para rebater as acusações de que tentava interferir no trabalho da Polícia Federal.

“Será que é interferir na Polícia Federal quase exigir e implorar a Sergio Moro que apure quem mandou matar Jair Bolsonaro? A PF de Sergio Moro mais se preocupou com Marielle do que com seu chefe supremo. Cobrei muito deles aí. Não interferi”, disse o presidente.

Anielle e Marielle
Anielle e Marielle, em foto publicada no Instagram pela irmã da vereadora (Foto: Reprodução/Instagram)

“Acho que todas as pessoas de bem do Brasil querem saber. E entendo, me desculpe, senhor ex-ministro, entre meu caso e o da Marielle, o meu está muito menos difícil de solucionar. Afinal de contas, o autor foi preso em flagrante delito. Mais pessoas testemunharam, telefones foram apreendidos”, continuou.

“Para mim, o pronunciamento nada mais foi do que irresponsável e uma cortina de fumaça. Algo que ele não teve foi ética, caráter e valor. Como familiar e diretora do instituto, temos repúdio a essa fala. Eu acho que ele deveria ali ter concentrado suas forças em responder aos ataques e às denúncias que lhe convêm. E não usar o nome de minha irmã para uma cortina de fumaça de seus possíveis crimes.”

Viúva diz que fala é ofensiva

A viúva de Marielle, Mônica Benício, definiu a fala de Bolsonaro como ofensiva a quem quer justiça para o caso Marielle.

“Ofende porque Bolsonaro mente ao dizer que houve mais interesse da PF neste caso do que no episódio de sua facada. O caso Marielle não é de competência federal. É um enorme desrespeito e desqualificação da figura humana e política que Marielle representa”, disse, em nota enviada para Universa.

“Desde a execução da minha esposa, o então candidato, Jair Bolsonaro, sequer proferiu um pronunciamento sobre o assassinato e assim seguiu ao longo de seu mandato. Pelo contrário, foi omisso, e agora insiste na narrativa de desumanizar Marielle. Ele demonstrou isso mais uma vez em seu pronunciamento quando disse que ‘a vida de um presidente tem um significado’. A de Marielle também [tinha]. Assim como as vidas de todas as Marias e Silvas do nosso país e do mundo todo. Bolsonaro utiliza um dispositivo do racismo ao desumanizar uma mulher negra, negando o valor de sua vida e sua história.”

“Que ele lave a boca”, diz filha

A filha de Marielle, Luyara Santos, também reagiu à fala de Bolsonaro, pelo Twitter. “Que o senhor presidente lave a boca antes de falar da minha mãe”.

O Instituto Marielle Franco, mantido em memória à vereadora pela família, divulgou no Twitter nota em que menciona “total desprezo e revolta” pela fala do presidente em relação à Marielle.

“São 772 dias sem resposta de um crime que assassinou Marielle e até agora nada sobre que mandou matar. Como ousa dizer que existe mais empenho na elucidação do crime contra Marielle do que contra o atentado contra você, senhor presidente?”, diz o comunicado.

+ sobre o tema

Como a morte de Marielle afeta as próximas eleições

“Nossa presença na política institucional é a única possibilidade...

Marielle, um convite presente para que possamos enxergar, escutar e agir com os outros

Há exatamente um mês fora brutalmente assassinada em uma...

Justiça decreta prisão de suspeito de envolvimento no caso Marielle

Justiça decreta prisão de suspeito de envolvimento no caso...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...

A Lei do Ato Médico é mais proteção para a saúde do povo – Por: Fátima Oliveira

"A Lei do Ato Médico, como outras regulamentações de...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=