Risco de morte de adolescente negro é 3,7 vezes maior em relação ao branco, diz estudo

Por: Mônica Ribeiro e Ribeiro

Pesquisa foi feita pelo Observatório de Favelas e pela Secretaria de Direitos Humanos

 

O risco de morte de adolescente negro entre 12 e 18 anos no Brasil é 3,4 vezes maior que o de um garoto branco. O dado faz parte do PRLV (Programa de Redução de Violência Letal contra Adolescentes e Jovens) divulgado em Brasília (DF) nesta quarta-feira (8).

O estudo foi feito pelo Observatório de Favelas em conjunto com a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Unicef e Laboratório de Análises de Violência da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro).

O balanço foi realizado a partir da análise de 266 cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes. Nele, o IHA (Índice de Homicídios na Adolescência) por cor da pele, com base no ano de 2007, apontou que o risco de assassinato é maior para os negros em 79% dos municípios.

Em Maceió (AL), o risco de morte deste grupo chega a ser 53 vezes maior que aquele registrado entre os brancos.

O PRLV aponta ainda que a chance de morte entre adolescentes do sexo masculino é 9,5 vezes maior que em relação às mulheres de mesma idade. O estudo foi baseado em mortes provocadas por armas de fogos e outros meios.

O estudo teve como fonte dados do Datasus (banco de dados do Ministério da Saúde) e do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Unicef alerta para trabalho infantil como causa significativa do abandono escolar

O relatório Todas as Crianças na Escola em 2015...

NOTA FÚNEBRE

Mais um ato de execução sumária empreendido pela PM...

Nova “lista suja” do trabalho escravo no Brasil aumenta para 251 nomes

A nova "lista suja" de empregadores explorando trabalhadores em...

Joel Rufino – Memórias do cárcere

Por Viviane Cohen O escritor e historiador Joel Rufino dos...

para lembrar

spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=