Roda de conversa virtual da OAB sobre racismo é invadida e tomada por comentários ofensivos: ‘macaco’

Enviado por / FonteG1, por Hugo Soares

Uma roda de conversa virtual sobre racismo e intolerância religiosa, promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Campos, no Norte Fluminense, na última segunda-feira (22), foi invadida por ofensas racistas aos palestrantes. Entre as ofensas, participantes contam que foram chamados de macacos.

“Muitos gritavam: ‘ Fora daí seu macaco! Fora daí seu macaco!’ Foi muito triste!”.

“As meninas e meninos mais jovens que estavam na sala (virtual) com a gente se sentiram desesperados. Foi uma cena simplesmente aterrorizante pra gente naquele momento”, acrescentou o subsecretário de Igualdade Racial e Direitos Humanos de Campos, Totinho da Capoeira, um dos palestrantes do evento online.

Além das ofensas racistas, os hackers também promoveram atos antidemocráticos e exibiram vídeos de pornografia durante o evento. Com isso, a roda de conversa virtual precisou ser interrompida.

“A gente se vê invadido, a gente se vê impotente, sem conseguir ter reação, com gritos de ‘macaco’, com cenas eróticas, com um silenciamento absurdo”, disse o subsecretário.

As agressões sofridas pelos participantes do evento da OAB, no entanto, não são um caso isolado. A prática ficou conhecida como “zoombombing”, que é uma invasão incômoda feita em transmissões na internet.

“É um pensamento que cresceu muito no Brasil e no mundo nos últimos 10 anos. Na medida que alguns setores que têm esse pensamento começaram a chegar nos poderes executivo e legislativo eles se sentiram mais empoderados e têm usado essas práticas como práticas de intimidação”, afirmou Ivanir dos Santos, membro da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa da OAB.

A OAB de Campos considerou a invasão também censura e um ataque a instituição. Por isso, o caso já está sendo analisado pela Procuradoria Institucional da entidade.

“Esse momento de pandemia é um momento muito complicado pra gente. Tudo está com uma efervescência muito grande nas redes sociais. A gente deve fazer um grande quilombo na internet, um grande quilombo cibernético. A gente precisa fazer esse enfrentamento de forma igual. É claro que, para nós, negros e negras, nada é igual, mas nós temos que lutar pra dar justiça à essa igualdade, tornar as coisas equânimes”, finalizou o Totinho Capoeira.

A prática de racismo é crime, com pena de um a três anos de reclusão, mesmo quando as agressões acontecem pela internet.

 

 

+ sobre o tema

Barrada em porta giratória de banco, professora goiana denuncia racismo

“Eu falava que não estava armada, que não era...

Projeto de Lei de Cotas em concursos federais é aprovado na Câmara

  Em regime de urgência, o Projeto de Lei que...

Austrália: Facebook sob pressão para apagar página racista

  O Facebook está a ser pressionado pelo Governo australiano...

para lembrar

Ministério Público denuncia preparador físico por racismo e pede que ele continue preso

O Ministério Público de São Paulo ofereceu denúncia, nesta...

Por que as pesquisas online por racismo estrutural explodiram no Brasil?

As pesquisas na internet feitas por brasileiros para saber...

Batuko: poder feminino, literatura oral e tradição.

O Continente Africano, em toda a sua diversidade, possui...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=