Rondonópolis: SOS RACISMO

Importante o Projeto de Lei SOS Racismo, que está em tramitação na Câmara Municipal, pois levanta uma discussão em torno da discriminação que ainda existe no Brasil, contra homossexuais, pobres e, especialmente, negros. Faz pensar, que infelizmente, não vivemos em um mundo utópico, onde o preconceito não existe e nos coloca de frente com um problema que está ao nosso lado, e que nem sempre damos a importância que merece.

O PL dos vereadores Adonias Fernandes (PMDB) e Ibrahim Zaher (PSD) é um demonstrativo de como ainda vivemos em meio a preconceitos e falta de respeito entre as pessoas. É um tapa na cara da sociedade que, muitas vezes, não se julga racista, que acha que não discrimina homossexuais. A realidade é que estamos em uma sociedade, ainda hoje, racista e discriminatória, que necessita de mecanismos como o proposto Projeto de Lei SOS Racismo, para buscar reduzir a discriminação.

No caso do negro, o SOS Racismo, também é proposto como uma política pública que busca amenizar os problemas sociais até hoje enfrentados pela população negra. A dívida social histórica que o Brasil tem se reflete nas cidades, como em Rondonópolis, onde a maioria negra está na periferia, infelizmente.

O Projeto de Lei também é uma forma de incentivar a luta contra as discriminações quando abre um disque denúncia direto para a população e fornece assessoria jurídica aqueles que são vítimas de discriminação, e que muitas vezes, se calam por não terem condições socioeconômicas de obter um advogado.

O SOS Racismo é importante, pois trás à sociedade o debate sobre as discriminações e pretende levar até a população palestras, cursos que esclareçam sobre o racismo e as várias formas de discriminação. É importante quando faz a sociedade pensar sobre uma questão que para muitos é melhor esquecer.

 

Fonte: A Trbuna MT 

+ sobre o tema

para lembrar

É racismo, sim: ColourPop é obrigada a mudar nome de produto para pele negra

Em tempos de ativismo digital, as marcas precisam estar...

A situação colonial, ou a arrogância do colonizador

Zoológicos humanos: entre 1877 e 1912, foram montadas, em...

A cor dos brasileiros e a chaga do racismo

José Carlos Ruy O racismo é uma chaga, como...

O hilário Gabriel Green responde: “perguntas de branco”

Gabriel se considera "uma enciclopédia a base de melanina,...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=