segunda-feira, novembro 28, 2022
InícioEm PautaSai Lobão, entra Lobona da Globonews

Sai Lobão, entra Lobona da Globonews

A grande personagem das manifestações de ontem foi sem dúvida Cristiana Lôbo. Uma espécie de Lobão que sorri e veste saias.

por Lelê Teles Do Vi o Mundo

Reprodução/ Twitter

Não ela não foi à rua, não vestiu “uma camiseta apertada de time de futebol”, não fez selfie com a PM, não discursou com uma pistola na cintura.

Coube a Lôbo a constrangedora tarefa de comentar a marcha murcha, dando a ela um caráter épico.

Lôbo é boa de ginástica, e passou a fazer flexões e inflexões verbais para dar dramaticidade à minguada rave cívica de 12 de abril.

Pela manhã, a diligente Cristiana não desanimou ao ver pouca gente na rua, ela dizia que à tarde, em São Paulo, era que a coisa ia ferver.

Falava como uma torcedora que morde seu cachorro quente na arquibancada enquanto seu time aquece no vestiário.

Porém, a tarde chegou e a Avenida Paulista continuou vazia. Mas nada parecia tirar o entusiasmo de Lôbo. A jornalista da globonews, como uma animadora de auditório, passou toda a manhã tentando encorajar o povo a ir às ruas e exibia um lindo sorriso ao falar das “famílias inteiras” que desfilavam contra o governo.

leia também: Lelê Teles: Bandido bom é bandido branco

Não importa quantas pessoas tenha nas ruas, o que importa é o Datafolha que diz que 63% dos brasileiros são a favor do impeachment, Cristiana repetiu diversas vezes esse mantra lobotomizador, “isso tira a preocupação do governo, isso é que é importante.”

O Datafolha era a tábua de salvação da nossa elétrica Lobona toda vez que lhe faziam a constrangedora pergunta sobre o motivo das pessoas terem ficado em casa.

Já no início da noite, sem aquela energia inicial – mais sem graça que a Renata Loprette – Cristiana Lôbo avaliou o fracasso e disse que a culpa pelo pequeno quórum era dos organizadores do evento. Covarde, Lôbo jogou tudo nas costas do adolescente asiático e do analfabeto bombadão.

Era como se ela quisesse dizer poxa, todo mundo viu que nós fizemos a nossa parte, reverberamos FHC e Serra, demos manchetes atrás de manchetes, evidenciamos o Datafolha, fizemos até cobertura ao vivo, se deu xabu a culpa não é nossa.

“Agora, o problema do governo é outro”, ela continua, “não dá pra comemorar essa manifestação, mesmo com menos gente, ela tem um significado, sobretudo se a análise vier acompanhada do resultado da pesquisa Datafolha…”

E assim termina a cobertura das manifestações, deslocaram repórteres, helicópteros, carros, motos para uma festa que não aconteceu.

Saldo: um grupo novo xingava Montesquieu, um senhor de idade foi arrastado por policias por supostamente defender o governo com um megafone (na imagem ele aparece sem o tal megafone), um ciclista foi impedido de seguir viagem se não tirasse a sua inocente camiseta vermelha com gola branca, duas mulheres arrancaram as roupas  e exibiram suas genitálias para os fotógrafos, alguns pais incentivaram as crianças a pisarem em uma camiseta do PT, e havia ainda os inefáveis cartazes em inglês macarrônico ostentados, seguramente, por fãs de Ed Motta.

Nada de HSBC, nada de Operação Zelotes, nenhuma palavra sobre o Trensalão Tucano, nenhum  cartaz contra Beto Richa, nenhuma referência à sonegação da Globo…

Paulinho foi lá dar uma força, mas foi tratado como um rato, ratificando a sua insignificância, o botaram pra correr. Um aposentado levou um ônibus para a Avenida Paulista pedindo intervenção militar. Um PM interveio e disse que se ele não retirasse imediatamente o buzu da rua, a polícia o faria à força.

Mas a melhor imagem do dia foi sem dúvida a de uma manifestante solitária na Cidade Luz, com cartaz e Torre Eiffel ao fundo.

Nada disso interessa a nossa diligente Lôbo, que segue sorrindo, mostrando seus dotes mediúnicos para adivinhar o que pensa o governo e citando um tal de fulano-ligado-ao-governo-me-disse-que…

Ao fim e ao cabo, como um desabafo, a jornalista afirma que o Movimento Vem Pra Rua terá que inventar um novo nome e uma nova estratégia de mobilização. O seu faro perdigueiro lhe diz que a voz louca das ruas se calará.

Noblat cobrou PSDB nas ruas e disse que o partido, de facto, tem nojo de povo. Bolsonaro pediu Aécio, os revoltados online pediram o penico.

Com o minguar das ruas fica a certeza de que teremos um novo estágio de licantropia: sai Lobão, entra Lobona.

Palavra da salvação.

PS do Viomundo: De fato, a Globonews foi o grande instrumento a serviço da manifestação em São Paulo. Só faltou fazer como as emissoras venezuelanas no dia do golpe contra Hugo Chávez, na Venezuela, em 2002: convocavam abertamente os protestos, garantindo cobertura completa e ininterrupta aos golpistas.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench