quinta-feira, outubro 29, 2020

    Tag: Lelê Teles

    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Cancela, sim. Cancela geral!

    eu acho triste; aliás, acho humilhante ver intelectuais brancos se debatendo para serem ouvidos. desde que os ouçam em silêncio. mandam-me um texto de contardo caligaris. fazia tempo que eu não o lia. a última vez que li uma coisa sua, ele se jactava de sua sapiência, como quem lambe o próprio pau, e chamava a revolucionária teoria estruturalista, formulada por saussure, de uma ingenuidade, ou coisa assim. me levantei e fui tomar um café, não sem antes amassar o jornal. então… dessa vez o texto me chegou pelo zap, veja você. caligaris defendia, como um goleiro destrambelhado, uma ideia bisonha, que ele tirou sabe-se lá de onde. ele reclama do fato, delirante, de que há uma regra aí que impede quem não é negro de falar sobre negros e que quem não é gay não pode falar de gays. e o texto dele é, inteiro, ele falando sobre negros ...

    Leia mais
    Guga Chakra e Jones Manoel (Montagem/Revista Fórum)

    Jones Manoel rebate Guga Chacra: Visão idealista, falsa, mentirosa e cínica sobre o que é o mundo

    Continua repercutindo a entrevista que o cantor e compositor Caetano Veloso deu a Pedro Bial, da Rede Globo, neste sábado (5), em que o artista baiano afirmou que desistira de suas posições liberais, ou “liberalóides”, como ele diz, a partir de vídeos que assistiu do professor e youtuber Jones Manoel, que lhe apresentou, entre outras coisas, as ideias do filósofo italiano Domenico Losurdo (1941-2018) contra o liberalismo, posicionando os liberais como racistas, escravagistas e apoiadores de intervenções em países periféricos, que se situam fora do eixo central do capitalismo. São questões lógicas, ideológicas e ontológicas que estão sendo colocadas nesse debate. O professor Sílvio Almeida, Phd em filosofia e teoria geral, já havia falado sobre essa questão, do liberalismo e sua correlação com regimes escravagistas, em um longo fio em seu Twitter: Negar a relação entre liberalismo e escravidão está no mesmo nível do terraplanismo e das campanhas anti-vacina. A ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Linguagem não-binária: o Xis da questão

    a manhã sendo. da janela de casa vejo a cabeça branca do velho pi-cazzo, grafiteiro veterano aqui do bairro, pichando a parede nua da paróquia. pego o celular e filmo: com o spray ele grafa, em branco, um punho cerrado e erguido. ao lado, em preto, outro punho, representando o mesmo gesto. dá um confere na arte e vaza. às seis da tarde, tomo um cafezinho na varanda enquanto badalam os sinos da igreja. passa um casal de adolescentes, skatistas; olham o desenho, sacam sprays das mochilas e resolvem fazer uma intervenção: sob o punho negro, a garota, de cachos nos cabelos, desenha uma argola com uma cruz embaixo; é o espelho de vênus, representando o feminino. o garoto, de dreads e meio aloirado, o imita e desenha a seta de marte logo abaixo do punho branco. filmei a dupla, sprays nas mãos, fazendo uma selfie com os punhos ao ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Da negritude: reflexo e reflexão

    “cada criatura humana traz duas almas consigo; uma que olha de dentro pra fora, outra que olha de fora pra dentro.” (machado de assis, o espelho.) a nossa saudável, necessária, imperativa e urgente luta por espaços de poder e de representatividade, não deve se resumir, apenas, a ter a nossa imagem refletida no espelho da branca de neve. é preciso quebrar esse espelho. um orixá, refletido na imagem de um santo branco, é uma capitulação e não uma troca; mesmo porque, o cristo deles e todos os anjos continuam alvos e aloirados. uma troca de mão única é entrega, é rendição; não é kula, não é escambo. é ok que estejamos ocupando, cada vez mais, os espaços midiáticos da branquitude? sem dúvida. e não há dúvida de que é legal que a maju esteja à frente do jornal global, sabemos o que isso significa e o quanto isso nos dignifica, ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    O que você vê quando se vê no espelho?

    asé, saudou-me o velho ifá assim que adentrei, descalço, na tenda da cafunagem. mestre cafuna colocou o samovar no fogareiro, inclinou-se e soprou as brasas rubras. em seguida, deitou-se em seu pontiagudo catre de pregos; magro como um faquir e leve como o vento. eu me estendi na maca de bambu ao seu lado e, em silêncio ficamos, até a água fervilhar. lá fora, o sol preparava-se para descansar, espreguiçando seus longos braços em raios multicoloridos que abraçavam as nuvens. um delicioso cheiro de terra molhada invadia os alvos e diáfanos tecidos da tenda, revelando que chovia não muito longe dali. ao fim, o velho ergueu-se e, de forma reverente, despejou o líquido fervilhante nas duas xícaras, preparando a infusão; ato contínuo, exalou um fragrante aroma de raízes, ervas, folhas e flores maceradas. sentamos diante um do outro e, em lótus, meditamos a sorver o líquido tórrido. mestre cafuna trajava, ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Estátua e tabu

    no brasil, há quem defenda que as estátuas de genocidas, escravizadores e invasores de terras alheias permaneçam de pé, mesmo que elas estejam a ser arrancadas mundo afora. um tabu injustificável. me parece que estão a mitificar quem deveria ser demonizado, confundindo uma estátua com um totem; tem sua razão de ser. explico. o título dessa crônica faz uma referência ao livro seminal de freud, de 1913 (totem e tabu), mas deixo claro que os etnólogos frazer, malinowiski, boas ou mesmo o durkheim, fizeram um estudo bem mais interessante sobre a questão totêmica do que o notável fumador de charutos de viena. digo isso porque me lembro de ter lido um artigo de ricardo latcham, onde ele mostra que freud vacilou um pouco na sua interpretação sobre os totens. e concordo em parte com o etnólogo chileno. o fato é que a antropologia cultural nos descreve que um totem, elemento ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Diário do isolamento social, o guru

    alceu é funcionário público, seu hobby e ler jung e tocar flauta doce. Por  Lelê Teles, enviado para o Portal Geledés frequenta uma chácara, nos arredores de brasília, propriedade de um coroa barbudo que se autodeclara guru. o sujeito manja de mantras, massagem ayurvédica e, apesar de solteiro, faz terapia para casais. por influência do tal guru, alceu já foi à índia. ir à índia, pra essa moçada que cultua gurus, é como ir ao vaticano para os católicos, à meca para os muçulmanos e à israel para os seguidores dos empresários de cristo. alceu é casado com alice, que é atriz e nutróloga e frequenta o retiro com o marido. por força de um decreto do governo do distrito federal, o casal foi obrigado a ficar sem ver o guru por pelo menos quinze dias. há sete dias alice não vai ao teatro e nem ao consultório e, pelo mesmo ...

    Leia mais

    Reflexões sobre a morte

    “filosofar é aprender a morrer” sócrates. Por Lelê Teles enviado para o Portal Geledés Lelê Teles (Arquivo Pessoal) tava aqui pensando: isolamento social, máscaras, álcool em gel, água e sabão. nunca foi tão fácil evitar a morte, não é mesmo? penso nisso observando meu vizinho a higienizar tudo à sua volta. enquanto besunta maçanetas e mobílias com doses exageradas de álcool em gel, ele fuma 20 cigarros por dia. é uma escolha, prefere morrer de enfisema que de coronga. veja essa outra imagem: um sujeito, voluntariamente isolado em casa, na ânsia de curar o tédio, tomou todas as cervejas que tinha na geladeira e depois saiu pra comprar mais, bêbado e cantando pneu. bateu com o carro num poste, na esquina de casa, e morreu na hora. tava usando uma linda máscara de flanela xadrez, bem ajustada e feita com todo cuidado pela vó zelosa. agora veja mais ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Diário do isolamento social, LAURIÑA

    “quando morre um africano idoso, é como se queimasse uma biblioteca”.  Hampâté Bâ Por Lelê Teles enviado para o Portal Geledés Reprodução/ Twitter pelo noticiário, a pequena lauriña soube que, em alguns países europeus, por conta do novo coronavírus, estavam a oferecer a cabeça dos idosos à senhora da foice vestida de negro, porque isso faria com que sobrassem leitos nos hospitais para cuidar dos mais jovens. isso a intrigou bastante, e ela se lembra dos debates que ocorriam em sua casa contra essa absurda decisão; para a família de lauriña, não se tratava de uma escolha de sofia, mas de uma opção. lauriña vive em uma sociedade em que tudo tem que ser trocado antes que “envelheça”. em que as mulheres se olham no espelho aterrorizadas com os aparecimentos dos primeiros fios brancos; estes serão arrancados à unha. quando passam a abundar, são retocados com tinta ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Coronavírus na África, a terceira onda

    dos 54 países africanos, pelo menos 40 já testaram positivo para o COVID-19; as maiores incidências estão localizadas em Burkina Faso, no Egito e na África do Sul. Por Lelê Teles enviado para o Portal Geledés Reprodução/ Twitter curiosamente, não são os chineses os maiores propagadores do vírus no continente negro; embora haja um grande fluxo de chineses por lá. a maioria dos casos está ligado a pessoas que vieram da Europa. não se sabe como o vírus vai reagir em temperaturas elevadas, sabe-se que ele não é fatal para organismos jovens e sabemos que a África é um continente de população não muito longeva; apenas 5% dos mais de 1 bilhão e 300 milhões de africanos têm mais de 65 anos. para se ter uma ideia, na Itália esse contingente é maior que 23%. no entanto, há milhões de jovens infectados com o vírus da ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Coronavírus, uma abordagem antropológica

    pega teu copo, senta um pouco e presta atenção nessa, meu camarada. Por Lelê Teles, enviado para o Portal Geledés Lelê Teles (Foto: Reprodução/Twitter) “as pessoas devem ficar em casa”, recomenda o coro, no teatro a céu aberto, vocalizando num megafone. e lá vão as pessoas, obedientes, trancafiarem-se em suas casas. vemos, nas varandas e nas sacadas italianas, as pessoas tomando vinho, cantando óperas, corificando o bella ciao. beleza: varanda ok, vinho ok, sobrancelha ok. aí você olha aquilo e fala: “vejam, as pessoas!” ilze scamparini, coração sangrando, chora pelas pessoas; guga chacra, todo arrepiado, vai aos prantos pelas pessoas. compreensível, são seus iguais. o vírus, insensível, nômade e ubíquo, pilotando sua retroescavadeira anárquica, derruba fronteiras e invade países. espera passar o carnaval, que ele não é muito de festas, e chega ao brasil. “as pessoas devem ficar em casa”, grita o guarda municipal, com o ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Luna, la negra

    O Brasília Shopping fica no centro da cidade, mais precisamente na ala norte do Eixo Monumental, e é imponente como um monumento. Por  Lelê Teles enviado para o Portal Geledés  Reprodução/ Twitter seu desenho, moderno e arrojado, combina harmoniosamente com o conjunto arquitetônico da capital: tem uma forma ousadamente ovalada e sinuosa; quase sensual. a fachada de vidros espelha o lindo céu da cidade. estamos na primavera, lá fora há canto de cigarras por todos os cantos. o edifício tem três andares de lojas, o restante é ocupado por profissionais liberais: publicitários, médicos, advogados, dentistas, psicólogos e afins. no térreo há um Piano Bar e é pra lá que vamos agora. mas, antes, permita-me uma digressão, durante anos eu era o único jovem negro naquela selva, pelo menos o único a não utilizar o elevador de serviço. foi ali que ganhei meus primeiros prêmios como redator, ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Devemos perdoar os bolsominions arrependidos?

    Brasília, 19h. ouçamos a voz do Brasil. Por  Lelê Teles para o Portal Geledés  Lelê Teles (Reprodução/ Twitter) comia uma kafta picante (kafka, segundo o coveiro da educação), no Beirute da Asa Norte, na companhia da amiga Lívia quando um sujeito adentrou o bar, andrajoso como um mendigo, e cumprimentou a moçada com o megafone. “boa noite a todos… e Lula Livre”, saudou o pedinte de araque. o pessoal respondeu com um uníssono Lula Livreeee, como se estivéssemos numa igreja. percebi que havia, também, no staff do falso sem teto, dois camaradas empunhando, cada um, uma dessas câmeras digitais que gravam em 4K. “me parece uma perfomance”, observou Livinha, levando uma caipirinha de mangaba à boca batomizada. o pseudo mendigo seguiu com uma voz jocosa e megafônica: “pelo amor do que vocês acreditam, deem uma migalha do seu conhecimento para essa alma infeliz. como se sabe, ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Meu corpo, minhas regras

    Reprodução- Twitter De quem é esse corpo que habito? Por Lelê Teles enviado para o Portal Geledés    É seu, dirás.   Não e não, retrucarei.   Acaso poso me desfazer dele quando eu bem quiser?   Minha religião diz que não, a sua religião também, qualquer religião dirá o mesmo.   “Agarra-se à sua vida, por mais miserável que ela seja”, lhe impõem.   Não crês, ouça-me:   Caso eu queria dar cabo de minha vida, atentai bem, não faltará cidadãos de boa vontade para tentar me impedir.   Minha família e meus amigos se sentirão traídos se eu conseguir retirar-me sem que eles me tenham consentido.   Por isso os suicidas escrevem cartas, é preciso se justificar.   A justiça só não transforma o suicídio em crime porque o autor, que por acaso também é a vítima, não pode mais ser preso.   É meu ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Estupra a dor

    Reprodução - Twitter Por Lelê Teles enviado para o Portal Geledés  os çábios da minha aldeia costumam se reunir às sextas-feiras de lua. sempre homens. nessas reuniões, costumam dissertar sobre tudo e sobre todos. os machos se juntam, sempre, em volta da luz que emana de uma fogueira. bebem, se abraçam, gritam, elogiam uns aos outros e falam mal de suas mulheres. é sempre assim na nossa ágora ígnea. dessa vez falavam sobre o aborto. diziam que, mesmo sendo estuprada, a mulher não deveria abortar. então, levantei o dedo e perguntei: "mestre, se acaso tua filha ou tua esposa fossem estupradas – note que isso é uma probabilidade não muito remota, dado os dados que nos chegam – o senhor deixaria ela ter o filho? e se ela o tivesse, ele seria registrado em nome do pai, o vil violentador, ou o senhor assumiria como teu o fruto desta brutal ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Papai Noel preto, uma crônica natalina

    Seo Gerson beijou a esposa e a filha pequena, meteu uma nota amassada de dez pratas no bolso, fez o sinal da cruz e foi esperar o ônibus. Reprodução/ Twitter por lelê teles via Guest Post do Geledés saltou do buzão e entrou no shopping. oito da matina, só funcionários entrando. Gerson já se sentia um deles, embora temporário. falou com o segurança e ele apontou a sala. seo Gerson entrou, deu bom dia e recebeu bom dia em troca. o homem leu em voz alta o que vinha na folha A4: Gerson de Veras, 56 anos, pintor, eletricista… "Seo Gerson, acho que há um engano aqui. a vaga é para Papai Noel". "sim, é isso mesmo", disse o homem, sorridente e um pouco excitado. atrás do balcão, o gravata foi mais incisivo: "seo Gerson, vamos esclarecer as coisas, o senhor é negro, o senhor já ...

    Leia mais

    Waack e o Pretismo

    Waack bateu nos petistas o quanto quis. mas com os pretistas a coisa foi diferente. Reprodução/ Twitter por lelê teles para o Guest Post do Portal Geledés ** e num é que os jornalistas dos jornalões - todos brancos - apareceram para defender o indefensável, o racista pego de calça curta, William Waack, paladino da moral e dos bons costumes?! é sempre assim. há mais de 500 anos esses caras aparecem por essas paragens para justificar o racismo do colega e do vizinho como um mero deslize, um erro, como quis Gilmar Mendes. quando um juiz da Suprema Corte chama um crime de “erro”, ele mostra o tamanho da condescendência do judiciário com os seus de cor. segundo a lei, que Gilmar deveria defender, é crime de incitação racial o que fez o defenestrado Waack. Gilmar mostra, com a defesa do amigo branco, um racismo velado. ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    O negro e a academia

    você pode não acreditar, mas a Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo, referência no ensino do Direito na região do ABC, tenta esconder os negros. Por  Lelê Teles para o Portal Geledés  Reprodução/ Twitter Essa semana, de 03 a 05, vai rolar a Semana Jur (dedicada à apresentação de workshops, palestras, painéis e artigos). beleza? nada. não haverá uma única negra, um único negro, palestrado. por que diabos, você se perguntará? representantes do Centro Acadêmico XX de Agosto (CAXXA), questionaram se seriam convidados palestrantes negras e negros, foram informados que não, sob a alegação que o critério a ser utilizado seria acadêmico, sendo sugerido que fosse enviado um projeto de encontro para discutir minorias, e ai sim os estudantes teriam oportunidade de sugerir integrantes. professores e alunos, então, articularam uma palestra com o título ‘’O continente africano: Identidade’’, seguida de um painel sobre um ano ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    A rua é a voz

    por  Lelê Teles via Guest Post para o Portal Geledés   Reprodução/ Twitter   ensinaram-lhe, desde pequeno, a ter vergonha de si mesmo. a escola, o cinema, a publicidade, os jornais e, até a igreja, mostravam desprezo pela sua aparência. diziam que eram ruins o seu cabelo e o seu cheiro. que eram feios os seus lábios, o seu nariz, o tom da sua pele… ele pensava nisso enquanto ajeitava o black power frente ao espelho. nos fones, ouvia o boogie naipe, do Brown. admirou seu corpo musculoso e, em seguida, vestiu sua camisa preta preferida. nela estava escrito, em letras enormes, 100% NEGRO. sorriu, piscou, mandou um beijo para si mesmo e foi pra rua. enegrecer o mundo. palavras sapienciais.   ** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Twitter)

    Os sem terras e o Quilombismo

    luta pela terra no Brasil, aliás, a luta por um cantinho para produzir alimentos para si e para os seus, é muito antiga. Por Lelê Teles Enviado para o Portal Geledés  Reprodução/ Twitter remonta aos nossos primeiros momentos. e nasce ali, nos quilombos. que foram muitos e se espalharam por todo o país. eles mostram, também, a luta do povo negro contra o opressor, ao contrário do mito que prega o negro passivo e submisso. (CLÓVIS MOURA, 1959. Rebeliões da Senzala, quilombos, insurreições, guerrilhas). ali, nos quilombos, trabalhadores sem terra – é bom que se diga – ocuparam densas áreas improdutivas e passaram a plantar e a colher. e diversificaram a produção agrícola na colônia viciada em monocultura. além de nos deixarem o legado da técnica da aragem, do cultivo e do preparo de alimentos, fundamentais para a nossa formatação cultural. nas terras ocupadas, os negros (além de ...

    Leia mais
    Página 1 de 5 1 2 5

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist