A cor do criminoso

observe bem a imagem das pessoas presas durante os atos antidemocráticos em brasília.

a maioria é formada por gente parda, preta e idosos cheios de comorbidades.

tem mais gente entre 60 e 70 anos do que jovem de 25.

lembra daquela gente branca, de sapatênis, copo stanley e camisa polo com um jacarezinho com a boca aberta que aparecia nos acampamentos?

cadê-las?

no momento da triagem, da seleção de quem dos arruaceiros iria pra tranca, os brancos endinheirados foram poupados.

dá uma olhada no perfil da moçada que tá presa, a grande maioria foge daquele perfil típico do bolsonarista raiz.

esses bois de piranha pagarão pela arruaça patrocinada pelos ricaços.

uma boa parte dessas vovós vieram ao protesto incentivadas por pastores picaretas.

é uma gente lobotomizada em igrejas, midiotas deseducados em redes antissociais e idosos desiludidos com a solidão e aqueles passeios enfadonhos.

o grupo deu a essa gente uma sensação de pertencimento, uma causa pra lutar e a recompensa em adrenalina e serotonina que recebiam após xingamentos, coreografias, churrascadas, orações coletivas e quebra-quebras.

é sintomática a expressão de perplexidade das pessoas detidas.

elas acreditavam que escapariam como os brancos endinheirados escaparam.

não se esqueça de que no episódio anterior, no ensaio geral em brasília, os caras prenderam apenas um indígena(!). um cacique de festa junina.

o fato de você andar com morcego não lhe dá habilidade de dormir de cabeça pra baixo.

os ricos têm um sofisticado sistema de defesa que só serve pra eles, o decotelli (quem se lembra dele?) se lascou todo porque caiu nessa onda de que os não brancos podem cometer os mesmos erros que os brancos cometem.

e é bom que se diga, e isso é muito importante, engana-se quem pensa que esse golpe é verde-amarelo, isso é apenas simulação e simulacro pra engabelar o gado branco, o boi de corte.

o golpe, na verdade, é verde-oliva.

palavra da salvação.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Sociedade civil apresenta propostas para agenda de Comissão de Direitos Humanos

Plataforma de Direitos Humanos e organizações filiadas apresentaram temas prioritários Enviado...

Marcha da Negritude Catarinense: Por democracia, nenhum direito a menos

Negros e negras marcharão em Santa Catarina por Felipe Cardoso dos...

Circuito Cinegrada 2017– Protagonismo negro no cinema

Do dia 01 ao dia 30 de novembro de...

Ativismo e migração – A atuação da mulher negra em contexto internacional

No dia 25.07.18 o coletivo de teatro das oprimidas Anastácia-Berlim,...

para lembrar

Frei Betto: “ONGs aperfeiçoam a democracia”

Em entrevista para o Observatório da Sociedade Civil, Frei...

Louco é quem não sonha

Utopias e distopias são poderosos exercícios de imaginação que...

Vereadores discutem na Câmara de Porto Alegre por causa de camiseta com estampa de Malcolm X

Uma discussão entre vereadores paralisou a sessão plenária desta...

A democracia brasileira está mesmo em vertigem?

Dentre todos os concorrentes ao Oscar 2020 na categoria...

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=