sexta-feira, janeiro 27, 2023
InícioQuestão RacialArtigos e ReflexõesAntropologia da Sofrência, um estudo de caso

Antropologia da Sofrência, um estudo de caso

O meu vizinho de parede mora relativamente bem: casa de frente pro mar, grama verde no quintal e um jardim cheio de flores coloridas que atraem beija-flores e borboletas.

Tem, também, um pequeno comércio no centro e duas casas alugadas.

Cria dois gatos e é, ele mesmo, o animal de regaço de sua esposa amantíssima; o casal de filhos está terminando a faculdade.

Parece que temos aí uma vida feliz, não é mesmo?

Quem não imagina esse sujeito assim, com um largo esgar de sorriso nos lábios, a regar a relva doméstica, ao som d’A Primavera, de Vivaldi: fan fan fanran ran fan fan fan…

No entanto, quem o diria?, esse pequeno burguês se diverte, em casa e sempre ao pé da churrasqueira, ouvindo músicas alegremente tristes; tanto as do presente quanto as do passado.

“Desce desse pole dance…, volta pra mim…, cucurucucu Paloma…”

Por quê diabos?

Ouço, porque não sou surdo, por todos os lados, a dissonante estridência do culto ao sofrimento, uma descarada e alienada apologia da dor e da desgraça.

“Ô, Rita, volta desgramada…”

Copos sempre cheios, corpos sempre vazios e insaciados, malas de carros abertas e as ébrias lágrimas escorrendo pela sarjeta.

“Volta que eu perdoo a facada.”

Uns infelizes choram, enquanto outros cantam, trocam perdigotos, esfregam-se uns nos outros, sorriem e gargalham do infortúnio do irmão de copo, num sadomasoquismo teatral e brincante.

O diabo é que o sujeito que sorri hoje é o mesmo que pode estar a chorar amanhã.

Schopenhaeur diria que o futuro sofrente se felicita com a sofreguidão do sôfrego presente porque acredita que o sofrimento do outro é bem maior que o seu.

Humm. Já temos a cabeça do boneco.

O meu vizinho é um bom católico, se benze antes de dormir, vai à igreja aos domingos e sempre deixa umas moedas na sacola de espórtulas.

É nessa hora que o psicólogo põe a mão no queixo, inclina o corpo, curioso, e dá uma invisível baforada no charuto de Freud: “fale-me mais sobre isso”.

Sabemos que o catolicismo trouxe, junto com a chibata, a cruz que é, ao fim e ao cabo, um símbolo sagrado do culto à dor e ao sofrimento.

A Paixão de Cristo não é a Madalena, é o teatro da tortura e da mortificação.

Além do Cristo esquálido e coberto de sangue, pendurado nos altares, a Igreja também é adornada com outros santos, ditos mártires, cujo calvário é a sua marca maior.

Lembro-me de ter frequentado, quando criança, a igreja de São Sebastião. Na entrada, tinha uma enorme estátua do homenageado, nu da cintura pra cima, com uma canga pendurada na cintura e o dorso cravejado de flechas.

Quem não se lembra do pobre São Esteves, o protomártir, morto a pedradas – oh, opróbrio -, ou mesmo de São Lourenço que, ardendo vivo numa grelha infernal, gracejou a seus algozes, “podem me virar, porque esse lado já está bem assado”.

Não basta sofrer, é preciso sentir prazer na dor da morte, no êxtase deleitoso da alma que, finalmente, se desprende do corpo.

Esse lance de êxtase foi o Sartre quem falou n’O Ser e o Nada, onde afirma que tanto o sadismo quanto o masoquismo são uma “assunção de culpabilidade”.

O homem que vai ao cabaré é o mesmo que chora por ser chifrado, é um sofrimento de culpa, nada é mais católico do que a dor da culpa.

O sertanejo universitário e o arrocha da quinta-série são frutos dessa mentalidade.

No palco, o cantor sofrêncio representa o sádico da língua de chibata com a qual a plateia se masoquiza.

Para Sartre, o sádico é aquele puto covarde que aplica no outro as dores que deveras sente.

Porque você sabe, quando não está cantando, o cantor também é plateia; ou seja, aquele que fere com ferro, com ferro também é ferido.

Sedentos pela epicúrica e dionisíaca liberdade dos prazeres e presos à culpa e à castração da igreja, esses molambos vivos vivem numa eterna ambivalência.

Durante a semana, cabaré, buteco, bate-coxa nos forrós e bate-bundas nos fluxos e, no domingo, penitência, genuflexão, rezas e ave-marias.

Segunda-feira, chifre.

Meu vizinho, como os seus pares de audição, tem essa necessidade do abismo, dessa mortificação interior, necessita descer à escuridão das catacumbas.

Essa treva representa o inconsciente.

De forma consciente e conscienciosa, o sujeito entra no primeiro puteiro da esquina. Em seguida, a culpa sai com ele de mãos dadas.

O venerando Mestre Cafuna chama isso de antro-apologia.

No grego, o étimo antro designa uma caverna sombria, covil de feras, mas aqui também significa um lugar de vícios e perdição: consciente e inconsciente.

Eis aí um arranjo metafísico e psicológico para dar vida ao nosso homo sofrencius.

Os epistemólogos de buteco, cornólogos e cornólatras, chamam de sofrência a este gênero musical que é, em síntese, apenas uma nova roupagem para uma manifestação cultural brazuca recorrente, atávica e que, por isso mesmo, se manifesta como um fenômeno ontológico e patológico da nossa gente.

“Eu não sou cachorro não…”

Claro que não é, os cães são livres, andam nus, não frequentam igrejas, não adoram santos e nem querem santas as cadelas, não têm relação de posse com suas parceiras e, por isso mesmo, não traem e nem se sentem traídos.

O chifre, apesar de estar na cabeça de alguns animais e até do próprio capeta, é uma típica invenção da cristandade.

Há, no entanto, outra questão, tãomente importante e que deixa o analista em estado de aporia: é que o homem sem chifres é um animal indefeso.

Palavra da salvação.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 
Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench