Saiba o que fazer em caso de assédio no Carnaval

Enviado por / FonteDa Folha de S. Paulo

Saiba o que fazer em situações de importunação sexual, estupro ou perseguição

O Carnaval é momento de festa e comemoração, mas também uma época em que algumas pessoas, especialmente as mulheres, correm maior risco de assédio, importunação sexual e estupro. Por isso, é importante saber o que fazer nessas situações.

Coletivos feministas têm divulgado nas redes sociais manuais com orientação sobre o que fazer nesses casos e como denunciar os agressores. Elas ressaltam que é importante conscientizar homens e mulheres sobre o que configura crime.

Por exemplo, um beijo forçado, puxão de cabelo ou uma passada de mão podem ser configurados como importunação sexual, que é um crime previsto no Código Penal.

Já o estupro é quando o ato sexual é praticado com violência ou grave ameaça. Há ainda a tipificação de estupro de vulnerável, quando a vítima não tem capacidade de consentimento, como alguém que está sob efeito de drogas ou álcool e sem a percepção completa da realidade.

No início do mês, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), sancionou uma lei que obriga bares, restaurantes, casas noturnas e eventos a adotarem medidas de auxílio a mulheres que se sintam em situação de risco.

A nova legislação determina que os estabelecimentos de lazer devem adotar medidas que auxiliem mulheres que sintam em situação de agressão física, sexual ou psicológica.

Entre as novas regras está a determinação que o estabelecimento ofereça uma pessoa para acompanhar a mulher até algum meio de transporte ou até ela comunicar o problema à polícia.

Além disso, devem ser colocados cartazes nos banheiros femininos e em outros ambientes informando a disponibilidade do local para ajudar as mulheres em situação de risco.

Entre as orientações para quem passa por esse tipo de situação em blocos ou festas de Carnaval está denunciar o mais rápido possível. Por exemplo, em um bloco de rua, os organizadores podem ser acionados. Em bares ou festas, os funcionários também podem ser chamados para orientar e ajudar a vítima.

Também é possível fazer a denúncia em um posto policial ou em delegacias da mulher. Ou acionar a Polícia Militar pelo telefone 190.

“Sabemos que esses crimes vitimizam mulheres o ano inteiro em todo o Brasil, mas casos assim são intensificados durante o Carnaval, principalmente pela falsa sensação de que “tudo é permitido” —uma sensação falsa, pois tudo isso é crime”, destaca o Mapa do Acolhimento, uma iniciativa do grupo Nossas para o enfrentamento à violência de gênero.

ONDE BUSCAR AJUDA

  • em posto policial ou delegacias da mulher
  • pelo telefone 190 da Polícia Militar
  • pelo telefone 180, da Central de Atendimento à Mulher, para orientações

+ sobre o tema

Feministas indicam desafios para avanço das políticas para as mulheres

Em reunião com a ministra da Secretaria de Políticas...

Graciliana Selestino Wakanã: ‘O que a gente quer é viver bem’

Graciliana Selestino Wakanã, do povo Xucuru Kariri, fala sobre...

Vozes femininas disputam espaço na Rio+20

"Se alguém acha que somos invisíveis, está na hora...

Agressor de mulher terá que pagar gastos do INSS

Medida começará por Espírito Santo e Brasília, mas deve...

para lembrar

Aplicativos de táxi anunciam mudanças para coibir assédio a mulheres

Com mais de 27 mil assinaturas, abaixo-assinado online fez...

Para 49% dos homens, bloco de rua não é lugar para mulher ‘direita’

Pesquisa feita pelo Instituto Data Popular, como contribuição à...

A carta de José Mayer mostra o fosso entre homens e mulheres

A ficção machista é uma criação da cabeça dos...

Mulheres substituíram quase metade dos homens derrubados pelo #MeToo

Há cerca de um ano, acusações sobre constantes episódios...
spot_imgspot_img

Macetando o apocalipse

Veio de Veveta, também conhecida como Ivete Sangalo, o mandamento definitivo da carnavália 2024: a gente maceta o apocalipse. Foi uma resposta relâmpago à...

Quem cata suas latinhas é trabalhador?

Todo Carnaval tem seu fim. E com ele toneladas e mais toneladas de lixo... Não importa como você decidiu comemorar o seu Carnaval. Se decidiu cair na folia, lá...

Um samba de cor e de protesto

"Eu aprendi o português, a língua do opressor / Pra te provar que meu penar também é sua dor." Com versos tão cortantes quanto...
-+=