Sarkozy perde, mas ressuscita a Besta

Por Rui Martins, de Genebra

Domingo os franceses elegerão Hollande presidente, mas Sarkozy. para ganhar votos, deu legitimidade aos neofascistas e neonazistas franceses.

Comentando meu artigo prevendo a vitória do socialista François Hollande para a presidência da França, um leitor de direita, mal informado pela grande imprensa brasileira e mal humorado, comentou que eu decretara a vitória de Hollande.

Engano, foi o povo francês, cansado das estrepolias e traições do atual presidente Sarkozy, quem decretou, e isso tornou visível, já faz algumas semanas, a vitória de François Hollande.

Tudo ficou ainda mais evidente com o debate de três horas, desta quarta-feira, diante das câmeras da televisão francesa, depois do qual os comentaristas políticos franceses e pessoas entrevistadas deram vantagem para o candidato socialista. Foi um verdadeiro duelo, com a surpresa de se ver Hollande, que era chamado de fraco e sem presença, se transformar num agressivo, forte e convincente candidato.

A hora da verdade será domingo, dia 6, quando cerca de 53% dos eleitores mostrarão a porta dos fundos do Palácio do Eliseu para uma saída discreta do irriquieto Sarkozy por não cumprimento de promessas, por ter falhado na contenção do desemprego, por ter baixado os impostos para os ricos e aumentado para os pobres e outras tantas peraltices.

Sarkozy correu como um hiperativo insone para tentar debelar a crise econômica européia, contando com o apoio da chancelar alemã Angela Merkel, mas o plano de austeridade concebido pela dupla francoalemã aguarda o momento de ser abortado. A União Européia sabe que as regras vão mudar depois de domingo e seus dirigentes esperam as novas orientações de Paris, que não serão mais na direção do neoliberalismo.

Tudo vai mudar, porque já é historicamente reconhecido que a França tem sempre um papel de liderança e de vanguarda, no continente europeu, seja no mundo das idéias, dos costumes, como na economia e na política.

Assim como Jean-LucMélenchon eletrizou parte da esquerda francêsa adormecida e desencantada com sua nova leitura do socialismo, revivendo comícios dignos da Revolução Francesa, da Comuna de Paris ou da vitória do Programa Comum da esquerda que levou Mitterrand à vitória, em 1981, é certo que a derrota da direita de Sarkozy, em franco adultério com a extrema-direita de Le Pen, despertará os ideais socialistas nos eleitores europeus.

Os ventos vão mudar a partir de domingo, mas um espectro ressuscitado por Sarkozy, na louca tentativa de conseguir obter mais votos, ficará rondando à espera de intervir e de transformar a vitória de domingo numa catástrofe.

Sarkozy no seu desespero diante da derrota fez como Fausto um pacto com o Diabo e, pela primeira vez, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, ressurgiu na boca de uma presidente francês a linguagem do marechal Pétain, colaborador de Hitler após a ocupação da França.

No afã de conquistar os votos da extrema-direita francesa do Front National, liderada agora pela filha de Le Pen, Marine, o já quase ex-presidente deu legitimidade e tornou compatível o discurso racista, antiestrangeiros e nacionalista popular dos neonazistas franceses.

Mas tudo em vão, porque Marine Le Pen, que promete restabelecer a pena de morte, expulsar os estrangeiros e branquejar a França, tem outro plano – fragmentar e destruir a direita francesa para reconstituí-la como um forte partido híbrido de extrema-direita.

Em outras palavras, após a derrota de Sarkozy e os ajustes de contas que se seguirão, o partido do presidente derrotado implodirá, e no seu lugar surgirá um Front National com outro nome, versão light, enquanto Marine Le Pen, aparentemente lavada dos seus perigosos extremismos, poderá se sentar como líder entre os políticos franceses.

Como num pesadelo, ressurgirá na França um partido nacionalista, cujo programa lembrará os espectros do passado. E o pior poderá acontecer se François Hollande falhar no seu posto de presidente.

Mas, mesmo na versão otimista de um bom governo Hollande, haverá na cena política francesa a ameaça latente da ideologia fascista e nazista, numa versão mais leve e adoçada, porém com o mesmo veneno dos anos 30, escondido no seu interior. Essa a herança de Sarkozy.

Publicado originalmente no site Direto da Redação

Rui Martins, correspondente em Genebra.

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos...

para lembrar

Morte de transexual brasileira detona novo escândalo político-sexual na Itália

Fonte: UOL - O arrevesado e ambíguo caso de...

Jornal The Guardian abre espaço para brasileiros relatarem situação do país

O jornal britânico The Guardian lançou, neste sábado (14),...

Will Smith e Paris Hilton prestigiam première de “This is It”

Fonte: Terra-   O ator Will Smith é...

África, não!

Namíbia, fica no sul da África e foi um...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de famílias cristãs e heterossexuais" foi marca de destaque da convenção do Vox - Viva 24,...
-+=