Seminário busca diretrizes para plano de atenção a povos tradicionais de matriz africana

Lideranças das matrizes africanas e representantes do Governo Federal vão discutir temas como inclusão produtiva, economia solidária, segurança alimentar e nutricional

A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) promove amanhã e quinta-feira (14 e 15), em Brasília, o Seminário Territórios das matrizes africanas no Brasil – povos tradicionais de terreiro. Do encontro, espera-se a produção de um documento que subsidie a elaboração de um plano integrado de atenção ao público alvo do debate. As atividades acontecem no Campus Universitário Darcy Ribeiro, que fica na Avenida L3 Norte, edifício Finatec – Asa Norte, com abertura às 8h, coordenada pela ministra da Seppir, Luiza Bairros.

Após a abertura, autoridades governamentais e lideranças da sociedade civil participam do painel “Povos tradicionais de matriz africana – território e identidade”. Em seguida, acontece uma mesa redonda sobre o tema: “Iniciativas de políticas públicas no âmbito do governo federal para os povos tradicionais de terreiro”. Para esse debate, estão convidados gestores da Seppir e dos Ministérios da Saúde, do Desenvolvimento Social, da Cultura, da Fundação Cultural Palmares e da Secretaria de Direitos Humanos.

Haverá ainda, grupos de trabalho sobre meio ambiente, inclusão produtiva, economia solidária, segurança alimentar e nutricional; educação, cultura, identidade e território; comunicação e inclusão digital; saúde e seguridade social infraestrutura e habitação; gênero e juventude; inventário e mapeamento; e marco legal.

Segundo a diretora de Programa da Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais (Secomt), da Seppir, Silvany Euclênio, ao promover o seminário a Seppir cumpre sua finalidade de articulação e monitoramento das ações de governo com foco nos povos tradicionais de matriz africana. “A expectativa é que desse diálogo saiam subsídios e diretrizes para a elaboração de políticas públicas para os terreiros”, declarou a gestora.

Fonte: SEPPIR

+ sobre o tema

Pra cima com o esforço, moçada

Não sei em qual momento a ideia do esforço...

Proposta sobre ‘cura gay’ é aprovada em comissão presidida por Feliciano

Sob o comando do deputado federal Marco Feliciano...

SPM prorroga, até 30/8, inscrições para o Pró-Equidade de Gênero e Raça

Empresas e instituições privadas e públicas que promovem...

O Movimento Negro e o Pacto Nacional – por Sérgio São Bernardo

A presidenta Dilma anunciou medidas de peso em...

para lembrar

Para comunidade quilombola, trabalhar significa ficar longe da família

por Júlia Dias Carneiro Adelvan da Paixão, de 30...

Militantes do Educafro fazem greve de fome em frente ao Palácio do Planalto

Yara Aquino   Brasília - Cinco militantes do Educafro,...

Cúpula dos Povos: afro-religiosos debaterão justiça ambiental

  No mesmo período em que o Rio...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=