Seminário contra o racismo: sociedade civil se une contra afirmações do deputado Jair Bolsonaro

Aos mesmo tempo que alguns dos principais representantes dos direitos da população negra estão reunidos em Brasília, para discutir o tema racismo no Seminário Racismo, Igualdade e Políticas Públicas, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados Federais, as organizações da sociedade civil e os parlamentares estão preparando  uma representação contra c, deputado federal do Partido Progressista (PP) eleito pelo Rio de Janeiro. A representação deverá ser encaminhada à Procuradoria Geral da República com pedido de abertura de um processo legal contra o deputado por práticas recorrentes de injúrias, ofensas à dignidade e incitação da discriminação e de preconceitos.

A iniciativa é uma resposta às afirmações de cunho racista proferidas pelo deputado no programa CQC, veiculado segunda-feira, 28 de março. Nele, Bolsonaro, ao ser indagado pela cantora Preta Gil “se seu filho se apaixonasse por uma negra, o que você faria?”, afirma: “ô Preta, eu não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja, eu não corro esse risco porque meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambientes como lamentavelmente é o seu”.

O Instituto de Estudos Socioecônomicos (Inesc), que realiza um seminário sobre racismo dias 30 e 31 de março, na Universidade de Brasília, foi uma das primeiras entidades a assinar o documento. Segundo Alexandre Ciconello, assessor político do Inesc, a conduta do deputado se no artigo 20 da Lei Caó (Lei 7716/89) e também no inciso XLII do art. 5º da Constituição Federal. “Se esse tipo de atitude não configurar crime de racismo, o melhor a fazer é rasgar a Lei e também a Constituição Federal” – ressalta.

Ainda de acordo com Ciconello, a Constituição é  explícita ao repudiar o racismo como prática social, considerando-o um crime imprescritível e inafiançável. “Esse tipo de denúncia pode acontecer em qualquer momento, mesmo muitos anos após a realização da ação discriminatória, e não pode haver liberdade provisória para o acusado mediante o pagamento de fiança” – explica.

 

Mais informações: 61-32120204/81994426

Sobre a representação

Alexandre Ciconello, assessor do Inesc

[email protected]

Rosiana Queiroz, assessora técnica da CDHM

[email protected]

Sobre o seminário Racismo, Igualdade e Políticas Públicas

[email protected]

http://racismo.inesc.org.br/racismo/

+ sobre o tema

Confissões de um cotista

Desde que o Brasil é Brasil – e a...

Juventus e Inter podem interromper partida em caso de racismo

Fonte: Estadão.com Por Mark Meadows - Reuters     MILÃO - O jogo...

Casos de racismo, sexismo e homofobia chegam a 331 durante o Carnaval de Salvador

Segundo relatório parcial do Observatório da Discriminação Racial, foram...

para lembrar

Jundiaiense denuncia contratação da Magazine Luiza por discriminação racial

O programa de contratação trainee exclusivo para negros da...

Infâncias, Intersecção e Educação Infantil: Quem tem direito ao afeto?

por Flávio Santiago para o Portal Geledés O debate acerca...

Balotelli pede desculpas por mensagem polêmica e diz que “era anti-racista”

A mensagem de Mario Balotelli em seu Instagram mostrando...

O lumpenradicalismo e outras doenças da tirania, por Achille Mbembe

Do fim do período colonial ao começo dos anos...
spot_imgspot_img

Portões da universidade

"Nós queremos é que uma filha de uma empregada doméstica possa ser médica, possa ser dentista, possa ser engenheira. Nós não queremos uma sociedade...

Desaparecidos assombram país mesmo após redemocratização

Quando o presidente Lula assinou o decreto de reinstalação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, no início de julho, emergiu como prioridade na retomada...

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...
-+=