Senado uruguaio aprova descriminalização do aborto

Texto estabelece procedimentos e atendimento na rede pública e privada

 

O Senado do Uruguai aprovou na quarta-feira (17) o projeto de lei que descriminaliza o aborto. O projeto teve 17 votos a favor e 14 contra e agora segue para sanção presidencial. Por sua vez, José Mujica já deixou claro que não vetará a decisão do Parlamente sobre este assunto, o que significa que será sancionado e se tornará lei.

O projeto cria uma série de procedimentos para a mulher que quer interromper a gravidez e impede que ela seja tratada como criminosa. A gestante que queira abortar deve, antes, passar por consulta na qual deve manifestar o desejo de interromper a gravidez.

Comitê Multidisciplinar

A partir daí, ela será encaminhada a um comitê formado por ginecologista, psicólogo e assistente social, que lhe darão todas as informações sobre o procedimento; a mulher deve explicar as razões pelas quais tomou a decisão. Ainda terá 5 dias para refletir sobre a decisão; caso mantenha a decisão, o procedimento será feito imediatamente e sem obstáculos em hospitais públicos ou privados.

O projeto também mantém o aborto legalizado – até a 14ª semana – para casos de risco de vida para a mulher, mal formações do feto incompatíveis com a vida após o nascimento e em caso de estupro. O texto proíbe o procedimento para mulheres estrangeiras.

Debates

Desde 2008 o país discute a descriminalização do aborto, quando o então presidente Taberé Vázquez vetou artigos da lei de saúde sexual e reprodutiva que desciminalizavam o procedimento.

Segundo números do coletivo Mujeres y Salud en Uruguay, são realizados por ano cerca de 30 mil abortos no Uruguai – pouco menos que o número de nascimentos, que no ano passado foi 46.706, segundo o Ministério de Saúde.

Entre 1934 e 38, o aborto foi legal no país – desde 1985, com a redemocratização, se discute no Parlamento projetos de descriminalização.

Com informações do Senado uruguaio

 

Fonte: Caros Amigos

+ sobre o tema

“Eu, mulher negra, estou cansada”

Comemoramos mais um Dia da Consciência Negra. Mais uma...

Exposição presta homenagem a Sueli Carneiro no Itaú Cultural

Era uma noite de segunda-feira, 21 de outubro de...

Os serviçais do Brasil

Aos 12 anos, Cleusa Maria de Jesus deixou os...

para lembrar

Eleonora Menicucci: Respeito às mulheres que sofrem violência sexual

Eleonora Menicucci: "Estima-se que, a cada 12 segundos, uma...

Preconceito de gênero também se manifesta por meio de gesto e piadas

A cada esquina, um olhar de repreensão seguido de...

Mães criam grupo ”antiterrorismo” contra empregadas

Elas trocam e-mails com observações sobre sua relação com...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=