Serena Williams questiona: “por que sou negra, então, pareço má?”

Para ser dominante no circuito feminino e uma das maiores lendas do tênis no geral, Serena Williams teve que passar por muita coisa. Mulher negra, a tenista chegou a ouvir de John McEnroe que ela teria dificuldade de vencer o número 700 do mundo na chave masculina. A declaração foi dada em junho.

 Do  Virgula

Grávida, a tenista faz planos de voltar ao tênis já em janeiro de 2018, no Australian Open.

Em entrevista à Vogue, a esportista falou sobre o racismo que enfrenta dentro e fora do mundo do tênis. Williams é frequentemente alvo de piadas sobre seu corpo e seu desempenho no esporte. “Acho que as pessoas pensam que sou má. No vestiário, as meninas vão dizer que sou legal. Mas Maria Sharapova, que não fala com ninguém, é percebida pelo público como mais legal. Por que isso? Por que sou negra, então, pareço má? Essa é a sociedade em que vivemos. É a vida. Dizem que afro-americanos precisam ser duplamente bons, especialmente mulheres. Eu posso ser duplamente boa, então”, criticou.

A estrela também falou sobre como tem sido a sua relação de aceitação com o próprio corpo, ignorando o que ouve de algumas pessoas. “Conforme fui envelhecendo, passei a me sentir diferente a respeito (do meu corpo). Poder é beleza. Força é beleza. Então, agora, na quadra, eu quero que as pessoas pensem que sou poderosa. Mas também quero que se choquem com meu jeito de jogar. Quero que esperem uma coisa e vejam outra completamente diferente”, afirmou.

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade Segue o rastro das andorinhas” (Ditado...

para lembrar

Lei institui o Dia de Luta contra Genocídio da Muher Negra no Rio

A lei estabelece que instituições públicas e privadas promovam...

Em resposta a racismo e bullying, jovem desenha vestido de formatura em estilo africano

A norte-americana Kyemah McEntyre, de 18 anos, conta que,...

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=