Serra: A carnificina das mulheres

Por: Margareth Arilha

 

 

As declarações do candidato Jose Serra sobre a situação do aborto no Brasil e as consequencias de sua legalização tiveram uma repercussao importante, gerando um debate saudável. A posição do candidato surpreende, especialmente pelo fato de ter sido Ministro da Saúde, ter implementado uma norma técnica com incorporação do uso da contracepção de emergência e da atenção aos casos de aborto legal e adicionalmente foi marcante sua capacidade de ampliar o acesso aos métodos anticoncepcionais no país, implementando assim a lei do planejamento familiar que garante este direito constitucional às mulheres. Que o candidato considere abominável um aborto, é posição louvável e compartida com a população em geral. No entanto, há muito para mudar. Mesmo nos casos previstos em lei ainda estao muito longe do aceitável. Há poucos serviços em funcionamento considerando o tamanho do problema e do país. A midia vem mostrando as inumeras barreiras que sao criadas quando meninas, por exemplo , sofrem a violencia sexual e se veem grávidas em função de abusos cometidos por homens de suas próprias famílias ou da comunidade, inclusive religiosa. O caso da menina de Alagoinha gerou uma comoção nacional, mostrando como a população aceita e entende o sofrimento das mulheres de todas as idades frente a uma gravidez indesejaa. As mulheres nao decidem irresponsavelmente, e nem gostam de ter que enfentar um aborto. Como evidenciado na vida real e nas novelas da Rede Globo, abortar significa sofrer e ninguem gosa disto. No entanto, o que ocorre hoje no país é que as mulheres correm riscos : o risco da desigualdade ( as mulheres de estratos medios e altos abortam sem ter que lidar com a lei ou com a falta de assistencia), o risco da desinformação, o risco da falta ou precária assitencia a sua saúde, o risco de nao ter acesso a tecnologias adequadas, o risco da arrogância, do desconhecimento, da displicência ou do descaso das autoridades que estao ou que podem vir a estar no poder. E, alem de tudo as mulheres morrem.

O caso recente de uma mulher do Rio Grande do Norte, grávida de um feto malformado, com risco de vida, nao recebeu a assistencia devida, com um juiz que nao operou de maneira clara e rápida, atrasando o procedimento abortivo, e terminou morrendo.

Os números de pesquisa realizada e divulgada recentmenete no país mostram que o problema é grave, afeta um numero enorme de mulheres, e precisa de mudanças legais que nao podem mais ser adiadas.

 

Margareth Arilha, diretora executiva da Comissão de Cidadania e Reprodução [email protected]

 

Fonte: CCR

 

+ sobre o tema

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

para lembrar

Lula ganha prêmio internacional por combate à fome

  O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva...

Paraisópolis capacita moradores em primeiros-socorros e cria 60 bases de emergência

Em mais uma ação de combate à pandemia do...

Texto da Rio+20 não garante futuro e pode provocar cataclisma, diz teólogo

Para Leonardo Boff, só novo modelo econômico pode evitar...

Quero poder falar sobre mim mesma como negra

Fonte: Brasil de Fato - Cida Bento, do...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...
-+=