I shot myself – autorretratos de garotas comuns

O projeto I shot myself é um fórum público de auto-expressão através do retrato nu. Ao remover o fotógrafo e estúdio do processo, as colaboradoras são capazes de criar a sua própria experiência e explorar o meio em seu próprio tempo e espaço. Resulta em imagens de liberdade que são muito mais íntimas, expressivas e sinceras do que qualquer fotógrafo pode criar no comprimento do braço. Nem todo retrato é genial, mas cada imagem é única e pessoal, revelando muito mais do que o corpo de uma mulher: é a diversidade de imaginação que faz com que cada imagem verdadeiramente original.

O que inspira as mulheres a apresentarem suas fotos nuas online? A resposta é simples, segundo os mentores do projeto – controle. A capacidade de se mostrarem em seus termos, como elas gostariam de ser vistas, livres do ponto de vista e da distorção de alguém, sem a higienização do Photoshop. Para algumas colaboradoras, essa é uma exposição de pura arte. Para outras, é um gesto rebelde, expressão erótica, o desejo de ser desejada ou um processo catártico. E para todas, como dizem todos os dias, é só extremamente divertido. Em 8 anos, desde que começou a coletar ensaios, o site acumulou cerca de um milhão de imagens exclusivas de mais de 5 mil colaboradoras.

A proposta do I shot myself é quebrar paradigmas. Invocar a musa interior e usar a criatividade para transcender a banalidade clichê da pornografia, em imagens que não precisam ser explícitas e brutais. O que não significa que a garota precisa conter sua expressão sexual – de fato algumas das imagens mais belas e atraentes do site são incrivelmente cruas e fortes. A diferença está no contexto e nas intenções. E, para incentivar a criatividade desenfreada das meninas, o projeto oferece mensalmente um prêmio de US$ 500,00 para um colaboradora mês, que vem acompanhado de um certificado. O site também publica pequenos vídeos que contenham nudez, com liberdade total de formato.

Então, o que há no ishotmyself.com? Uma diversidade surpreendente de colaboradoras. Do Congo à Califórnia, de 18 a 70 anos (ou mais), estudantes de arte, advogadas, desempregadas, pilotas de avião. Fotógrafas profissionais e iniciantes. Elas se fotografam em casa, na natureza, e às vezes em atos de nudez bem pública. Ensaios em dueto, com o amigo ou parceiro (ou a parceira). Às vezes, o fundo é tão revelador quanto o sujeito – o pacote vazio debaixo da cama, os objetos pessoais variados e peças que compõem o seu ambiente. Beleza em todas as suas cores, sem discriminação. Corpos em perfeita forma ou que carregam as cicatrizes da vida. Chama atenção a criatividade infinita das garotas ao se clicar. E a autoestima ao se mostrarem, independente do seu aspecto físico.

Às pretensas colaboradoras, o site deixa o seguinte recado:

Não tenha vergonha de admitir que está aqui porque o autorretrato nu é incrivelmente sexy. Isso não diminui o seu mérito artístico ou valor cultural.

Fonte: DCM

+ sobre o tema

“Homens não vão protagonizar o feminismo”, afirma Pitty

Segundo cantora, cabe ao gênero masculino dar apoio ao...

Desigualdade afeta mais mulheres, indígenas e afrodescendentes, segundo ONU

A forte desigualdade observada na América Latina e no...

Dia da Menina: ECA deve ser revisto para protegê-las, dizem especialistas

No ano passado, a história da menina de 10 anos...

para lembrar

Ialorixá Wanda d’Omolú: ‘O mundo precisa tirar o mofo’

Criadora do Centro Cultural de Tradições Afro-brasileiras YIê Asè...

Alagoinhas pode ter primeira candidata a prefeita trans do Brasil

Aos 32 anos, Samara Diamond (PSOL) pode ser a...

Diante de morte de Marielle, deputados europeus pedem suspensão de negociação com Mercosul

Diante de morte de Marielle, deputados europeus pedem suspensão...
spot_imgspot_img

Julho das Pretas: ‘Temos ainda como horizonte sermos livres das amarras históricas’, diz ativista

No dia 25 de julho será celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E em alusão a data, o Julho das Pretas é realizado...

Meninas negras de até 13 anos são maiores vítimas de estupro no Brasil; crime cresceu 91,5% em 13 anos

O número de estupros no Brasil cresceu e atingiu mais um recorde. Em 2023, foram 83.988 casos registrados, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior....

Eugênio Bucci, Marilena Chaui e Sueli Carneiro são finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico; confira a lista completa

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou, nesta quinta-feira (18), os finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico, que contempla obras científicas em 29 categorias, como Artes,...
-+=