Sobre crespo, a luta e a gratidão

Tenho andado pelas ruas e perdido as contas. Perdido as contas de quantos cabelos crespos vejo por aí. Crespos mesmo, do jeito que eles são em todo o seu embaraço, com todas as suas irregularidades, em toda multiplicidade de cor e texturas. Não “relaxados”, não “domados” como os querem os rótulos de xampu. Cabelos crespos que andam por aí a fazer reverências à cor da pele, aos largos narizes, às grandes bocas, aos largos e fortes quadris. Crespos que guardam memórias e vão por aí a encrespar também os que insistem em alisar o mundo. Tenho andado pelas ruas e sentido gratidão por cada homem, cada mulher preta que, com seu cabelo, me oferece também a sua história, sua resistência. E compartilha comigo uma dor que de tão cotidiana parece, por vezes, nosso lugar comum. Me oferecem, com seus crespos, a chance de saber-me bonita. Bonita, sim! E me oferecem, acima de tudo, as possibilidades de me identificar, de poder pensar: “talvez meu cabelo ficasse bem com esse corte”; “talvez meu cabelo fique bem com essa cor”.

 

Por Adriane Henderson, no Meninas Black Power 

Parece uma bobagem quando você não viveu uma vida em que durante vinte e poucos anos seu cabelo não tem outro lugar se não o “cabelo ruim”; o que precisa “dar um jeito”; o que “tem volume de mais”; o que “não tem jeito”. Amarra! Prende! Tá feio assim! Alisa logo! Uma violência tão sutil quanto institucionalizada, praticada dentro de casa, entre os amigos e por aqueles que te querem bem. Hoje reverencio meus antepassados que com suor e sangue resistiram e ainda assim nos ofereceram alegria e beleza na música, na dança, nas artes, na mitologia. Tenho andando pelas ruas e reverenciado cada homem, cada mulher preta que com seu crespo exerce liberdade, por que essa só pode estar presente no gesto cotidiano, nunca foi institucional. Reverencio cada homem e cada mulher preta que com seu crespo segura a minha mão e me faz hoje afirmar com toda minha força: “sou negra ainda que tu me queiras morena”.

+ sobre o tema

Murray corrige jornalista e protagoniza novo episódio contra sexismo no esporte

Tenista número 1 do mundo, britânico Andy Murray interrompeu...

Jennifer Lopez defende os direitos das mulheres em novo clipe

Jennifer Lopez faz vídeo para a música 'Ain't Your...

7 empresárias negras brasileiras que você precisa conhecer agora

O mundo empresarial também conta com mulheres negras. Não...

para lembrar

Estudantes de Direito promovem ato em apoio a professor que fez piada sobre mulheres

Alunos que estavam em aula quando professor fez brincadeira...

Igreja em Curitiba batiza três crianças filhos de um casal homossexual

O último domingo foi mais do que especial para...

Estereótipos sexistas também prejudicam os homens

Gostei muito deste artigo que Flávio Moreira (autor de...

Pesquisadora lança catálogo Afro paladar com os saberes e os sabores quilombolas

Após visitar sete comunidades para observar e registrar os saberes...
spot_imgspot_img

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...
-+=