Sobre o ódio

Na democracia, pertencemos a uma comunidade política onde todos podem ser deslocados de suas posições e interesses por meio do debate e/ou de acordos.
Por Marcos Rolim, do Rolim Marcos
O debate político, quando feito com respeito e profundidade, possui extraordinário poder. Os melhores argumentos exercem coerção virtuosa e criam caminhos. Ainda quando isso não ocorre, a democracia permite pactos em torno de soluções intermediárias, ainda que provisórias. No acordo, os debatedores mantém suas posições, mas cedem em parte de suas pretensões, superando impasses. No Brasil, o ódio cresce porque a esfera pública virou um deserto para o pensamento e porque os pactos se tornaram improváveis pelo “jogo de soma zero”, onde é preciso derrotar o outro. Ao invés de propostas para o Brasil e lutas por reforma, temos uma disputa autofágica pelo poder, orientada por objetivos particularistas e pelo cinismo. Para o senso comum, esta é uma característica inerente à política, quando, na verdade, é sua negação. Entendo que um dos impasses do Brasil, aliás, consiste em termos uma democracia sem política.A intolerância é a primeira postura que autoriza o ódio. Nela, há um núcleo irremovível de convicções que produz identidade grupal.  Contestar este núcleo equivale a uma ameaça ao grupo. Esses que ameaçam são “poderosos” e “insidiosos”; agem de forma “solerte” e “imoral” e mereceriam todo desprezo. Podem ser os tutsi, em Ruanda; os ibos na guerra civil da Nigéria; os armênios na Turquia; os judeus na Alemanha nazista; os “gusanos” em Cuba; os “terroristas” na ditadura militar; as “feiticeiras” na Idade Média; os negros no apartheid; os homossexuais no Irã; os albaneses no Kosovo; os “infiéis” para o Islã.

Os que odeiam o fazem sempre no plural, já que não podem conceder ao outro a honra de individualizá-lo. No ódio, se trata de desconhecer a humanidade do outro. Não se sustenta tal pretensão diante de uma pessoa concreta, com nome e olhos. É preciso, antes, transformá-lo em um ajuntamento, em um coletivo repugnante, em uma manada. Não por acaso, os nazistas raspavam as cabeças dos judeus e lhes retiravam todos os pertences e as roupas antes de encaminhá-los às câmaras de gás, em grupos. Não por acaso, se disseminou entre as polícias a expressão “vagabudos” para designar suspeitos. Não por acaso, a polarização protopolítica no Brasil virou xingamento entre “petralhas” e “tucanalhas”. O ódio tem muitos nomes, mas, onde se instala, promove a mesma dor e a mesma escuridão.

+ sobre o tema

É impossível promover direitos humanos sem proteger as mulheres

Medo e trauma de experiências de violência muitas vezes...

Negros são mais condenados por tráfico e com menos drogas em São Paulo

Levantamento inédito analisou 4 mil sentenças de tráfico em...

Encontro nacional debate estratégias para fortalecer organizações da sociedade civil

A Constituição brasileira de 1988 só tem a abrangência...

para lembrar

Dado racial em documento trabalhista é passo no combate a desigualdades

Em 20 de abril de 2023, o governo federal sancionou...

Projeto pune crimes de ódio

Nova proposta para combater e prevenir discriminação social está...

O problema do Brasil é o ódio ao pobre

As noções de patrimonialismo e populismo são as ideias-guia...

CARE

por Sueli Carneiro Cuidado, carinho, é o que a palavra...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...
-+=