“Sofri durante 10 anos com ataques racistas”, diz Glória Maria

A jornalista considera o Brasil “o país mais racista do mundo”

Do Correio 24 Horas 

A jornalista Glória Maria desejou força à colega Maria Julia Coutinho, a “garota do tempo” do Jornal Nacional, que foi alvo de comentários racistas nesta sexta-feira (3) nas redes sociais.

“O que eu digo para a Maju é que ela vá em frente e não desista nunca, porque é isso que os racistas querem, que a gente fraqueje e desista. Mas que ela fique mais forte com essa experiência e siga adiante”, afirmou Glória à coluna de Bruno Astuto, da Época.

Os comentários surgiram em uma foto publicada na página oficial do JN no Facebook sobre o quadro de Maju. Internautas afirmaram que Maju só entrou no jornal pelas “cotas”. “Só conseguiu emprego no Jornal Nacional por causa das cotas. Preta imunda”. Outros fizeram piadas de cunho racista.

Majú foi vítima de racismo nas redes sociais. (Foto: Reprodução/TV Globo)
Majú foi vítima de racismo nas redes sociais.
(Foto: Reprodução/TV Globo)

“Sofri durante 10 anos com ataques racistas”, disse a jornalista, lembrando da época do”Fantástico”. “Essa é a prova do que eu sempre disse, que o racismo nunca vai acabar. O que ela está passando hoje, eu vivi no Fantástico. Recebia os comentários por cartas e, depois, por e-mails. Não era uma declaração pública e vinha diretamente a mim, atingia a minha alma e meu coração. Hoje atinge o Brasil. A diferença é essa. Eu tinha que aguentar o tranco sozinha. Isso que ela está vivendo é a normalidade do brasileiro. Mas nunca fraquejei, nunca desisti”, acrescentou Glória.

Leia Também:Maria Julia Coutinho é novamente alvo de racismo na página do “Jornal Nacional” nas redes sociais

A jornalista considera o Brasil “o país mais racista do mundo”. “Posso dizer isso literalmente pela minha própria pele. Acabei de voltar desses dois países, onde você praticamente não encontra pretos pelas ruas, e as pessoas são gentis e delicadas, pedem pelo amor de Deus que você fique mais um pouco. O Brasil é um outro planeta nesse sentido”, criticou.

A equipe do Jornal Nacional se manifestou apoiando Maju. “Estou na sala de troféus do JN, que é nossa sala de reuniões. Essa aqui é a Renata Vasconcellos. A Renata, eu e a equipe do JN tivemos uma ideia. A gente queria dar um recado para vocês: #somostodosMaju”, disse William Bonner, acompanhado pela equipe, com um cartaz com a hashtag.

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

‘Humor’ advindo do ‘blackface’ praticado por Trudeau pode ser tudo, menos inocente

Caso do primeiro-ministro pôs luz sobre o privilégio de...

Liverpool não vai recorrer de suspensão a Suárez por racismo

O Liverpool não vai recorrer da suspensão de oito...

BBB12 – Boninho diz que Daniel é vítima de racismo

Momentos antes da expulsão de Daniel, Boninho, diretor do...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=