SP: menina de 11 anos diz ter sido abusada por 6 em escola

Uma criança de onze anos teria sido abusada sexualmente por alunos da escola estadual onde estuda em Bauru, no interior de São Paulo. A família da menina procurou a Polícia Civil, que está investigando o caso.

Por Talita Zaparolli

Ao chegar em casa, na tarde desta segunda-feira, após as aulas na escola estadual Padre Antônio Jorge Lima, no bairro Nobuji Nagasawa, a menina relatou à mãe que foi cercada no corredor por seis meninos – três de 11 anos, dois de 12 e um de 13. Segundo o relato, enquanto um deles tapava a boca da garota, os demais acariciavam as partes íntimas dela.

A mãe da jovem diz que a filha chegou em casa aos prantos. “Ela não conseguia nem se expressar, falei pra ela se acalmar. Aí ela me contou que tinha ido até a diretoria levar uma autorização e quando ela retornou os meninos agarraram ela no corredor. Uma menininha que estava próxima dela chegou e tentou ajudar. Ela desceu correndo, mas não tinha uma diretora, uma vice-diretora na escola. Aí a menininha voltou pra sala de aula. Foi quando uma professora viu e os meninos saíram correndo”, conta a mãe, que pediu para não ser identificada.

A mulher explica ainda que a professora registrou uma ocorrência interna na instituição e que a menina foi dispensada em seguida. “Não se preocuparam em ligar pra gente, como se nada tivesse acontecido”, critica. “Depois a gente foi até a escola e só tinha uma coordenadora e ela mesma falou que não tem funcionário lá. Isso já está se repetindo faz tempo. Tanto é que quando a polícia chegou não tinha nenhum responsável pela escola. Só tinha essa coordenadora e ela estava apavorada”, revela.

A delegada responsável pelo caso, Priscila Bianquini, afirma que não houve outro tipo de abuso além das carícias. Porém, devido a recente mudança no Código Penal, o que antes era considerado ato libidinoso, hoje é tratado como estupro. Ela explica que um beijo ou uma simples carícia, sem consentimento, é considerado abuso sexual pela legislação.

Bianquini ainda não ouviu formalmente a vítima e os agressores. “Pretendo intimar todos os envolvidos com seus respectivos pais ou responsáveis na Delegacia de Defesa da Mulher ainda esta semana (DDM)”, disse.

Ainda segundo a delegada, os meninos de 11 anos estão sujeitos a medidas protetivas, já os demais poderão receber medidas socioeducativas que vão desde advertência a internação na Fundação Casa. Ela explica que nenhum professor ou diretor deverá responder criminalmente e que fica a critério da Secretaria Estadual da Educação puni-los internamente. Já a vítima será encaminhada pela Polícia Civil para acompanhamento psicológico.

A mãe da menina diz ainda que foi orientada a mudar a filha de escola. “A gente não vai ficar seguro né? Se dentro da escola ela não tem segurança, onde vai ter? Buscar e levar a gente já faz isso, mas e dentro da escola? Porque isso aconteceu dentro da escola e não fora”, desabafa. “Ela (filha) está muito abalada, porque ela não é uma criança de ficar na rua nada, ela é frágil, criada dentro de casa. E isso que a gente fica mais revoltado”, conclui.

Secretaria vai investigar
Em nota, a Diretoria Regional de Ensino de Bauru diz que repudia o ocorrido contra a aluna. De acordo com o comunicado, os responsáveis pelos cinco estudantes – e não seis, conforme ela informou à polícia – foram convocados e todas as medidas serão tomadas seguindo o regimento escolar. Eles foram suspensos das aulas.

A Secretaria Estadual de Educação informou ainda que a unidade de ensino possui agentes de organização escolar, que são responsáveis por monitorar os alunos. Uma equipe de supervisores foi designada pela diretoria regional para averiguar a conduta dos funcionários e da direção da escola. A pasta afirma ainda que administração regional prestará todo o apoio à aluna e à família dela e que está à disposição da polícia.

 

 

 

Fonte: Terra 

+ sobre o tema

‘Não dói o útero e sim a alma’, diz menina vítima de estupro coletivo

Trinta e três homens são procurados por participação no...

Prisão é demais para ‘ato que durou só 20 minutos’, diz pai de estuprador nos EUA

Inacreditável. O pai de um ex-aluno da renomada Universidade de...

Médico é condenado a 130 anos de prisão por estupro durante exames

Casos ocorreram entre setembro de 2014 a janeiro de...

para lembrar

Imprensa americana repercute estupro de turista em van no Rio

Segundo jornais, incidente levanta dúvidas sobre segurança na cidade. Meios...

JUSTIÇA DO AMAZONAS MANDA PRENDER PREFEITO DE COARI

Prefeito de Coari, Adail Pinheiro (PRP) é acusado de...

O direito de quem ama

O direito de quem ama Leia Também  Ele nunca me...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=