quarta-feira, setembro 23, 2020

    Tag: velhice

    (Foto: China Photos / Getty Images)

    Pandemia de coronavírus evidencia ‘velhofobia’ no Brasil, diz antropóloga

    A pandemia de coronavírus que se alastrou pelo mundo e chegou ao Brasil evidenciou a 'velhofobia' de parte da população, para a qual os idosos são considerados um peso para a sociedade. A opinião é da antropóloga e escritora Mirian Goldenberg, professora titular do Departamento de Antropologia Cultural do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em entrevista por telefone à BBC News Brasil, Goldenberg, que pesquisa envelhecimento há 20 anos, diz que "estamos assistindo horrorizados a discursos sórdidos, recheados de estigmas, preconceitos e violências contra os mais velhos". Segundo ela, esse tipo de discurso, que chama de "velhofóbico", sempre existiu, mas ficou mais evidente com o coronavírus. Os idosos são considerados grupo de risco para a doença. "Esse tipo de discurso já existia antes da pandemia: os velhos são considerados inúteis, desnecessários e invisíveis. Mas agora está mais evidente. Políticos, empresários ...

    Leia mais
    blank

    Outra face da prostituição: Idosas, Negras e Analfabetas

    “As mulheres que cumprimetei no caminho na verdade estão todas se prostituindo”. Assim Cleone começa nossa conversa enquanto caminhamos para a sede do Parque da Luz, ao lado da Pinacoteca do Estado em São Paulo, uma construção antiga, tombada, e que hoje abriga o Grupo Mulheres da Luz formado por duas ex-prostitutas L.T. (mantivemos o nome em sigilo a pedido da entrevistada), Cleone e Regina, uma irmã da Igreja que há anos auxilia mulheres prostitutas. Por Stephanie Ribeiro Do Alma Preta O grupo que foi se organizando nesse espaço, conquistado mediante muita luta, possibilita que mulheres que se prostituem durante a semana no parque tenham acesso a aulas, já que muitas querem sanar a dificuldade de ler e escrever. A organização também serve como apoio diverso e acolhimento, pois na maioria das vezes elas se sentem solitárias e culpadas. Essa organização se dá mesmo na ausência de apoio público e ...

    Leia mais
    blank

    As dez coisas piores (e melhores) de ser uma mãe mais velha

    O mais difícil de ser mãe ou pai são as testemunhas. Por Kathleen Dennehy, do HuffPost Brasil 1. As outras pessoas. Elas ficarão olhando. Quando outras pessoas perguntarem: "Ahn, essa é sua neta?", apenas sorria e diga suavemente: "Não, é minha filha. Sou a mãe idosa". Com isso, as pessoas vão: a. Ficar caladas, sem saber o que dizer. b. Ficar com medo de falar alguma coisa. c. Elogiar você ou pedir desculpas. E, como bônus adicional... d. Elas vão pensar duas vezes antes de fazer a mesma pergunta a outra pessoa! Por nada. 2. O tamanho das fontes. Seu filho está doente, você está cansada, estressada e não consegue encontrar seus óculos para ler as instruções nos vidrinhos de remédios do bebê. O tamanho da fonte usada nesses vidrinhos só é legível por crianças pequenas, que ainda não sabem ler. Recomendação: inclua o telefone do Centro de Controle de Intoxicações na ...

    Leia mais
    Senior Woman --- Image by © Ned Frisk Photography/Corbis

    Eu não preciso pular de paraquedas para envelhecer bem

    O que os anunciantes precisam saber a respeito da nova maturidade para estabelecer conexão com esta geração. Texto: Denise Ribeiro, do Médium Só tem uma coisa que me irrita mais do que perguntarem minha idade: é ver octogenárias pulando de paraquedas. Cansei desses clichês imagéticos da chamada terceira idade. O que pretendem com isso? Melhorar a autoestima dos idosos? Sinalizar que a velhice não é fim de linha? Que é tempo de ousar? Devo confessar que, para mim, essas tentativas são inócuas. Primeiro porque minha autoestima vai bem, obrigada, depois, porque não sou o tipo de pessoa alimentada por pretensões esportivas. Paraquedas? Nem aos 20 e nem agora, que já passei dos 50. Prefiro rever algum filme do Fellini. Há outros clichês bonitinhos, mas também irritantes. Velhinhos e velhinhas supercool, com roupas originais, meio hipongas ou de grife, sempre em poses modernas, chapéus e badulaques nas ruas de Nova York. ...

    Leia mais
    blank

    Marta, FHC, Bicudo e a geração perdida de velhos do Brasil. Por Kiko Nogueira

    Marta Suplicy, 70 anos. Fernando Henrique Cardoso, 84. Hélio Bicudo, 93. Fernando Gabeira, 74. Et caterva. Por Kiko Nogueira Do DCM Em comum, além das cãs e das rugas, a raiva e a disseminação da raiva. Idosos estão estimulando outros idosos a odiar num grau como eu aposto que você não se lembra de ter testemunhado antes. Dois casos recentes com amigos meus: 1) Tiago Mendes Tadeu, nosso programador, foi a uma festa de aniversário em Monte Verde (MG). O padrasto da aniversariante, levemente alcoolizado, ao saber que ele morava em São Paulo, solta a seguinte frase: “E o Haddad, aquele comunista?” Em seguida, saca o celular e mostra o Decálogo de Lênin. “Assim eles vão tomar o poder”. Fica frenético. Tadeu pede licença e se retira, antes que a situação perdesse o controle. 2) José Marcos Castanho, assessor de imprensa, num casamento. O tio da noiva, um “velhote simpático”, começa ...

    Leia mais
    blank

    Eu envelheci

    Um dia desses, uma jovem me perguntou como eu me sentia sobre ser velha. Levei um susto, porque eu não me vejo como uma velha. Ao notar minha reação, a garota ficou embaraçada, mas eu expliquei que era uma pergunta interessante, que pensaria a respeito e depois voltaria a falar com ela. Pensei e concluí: a velhice é um presente. Eu sou agora, provavelmente pela primeira vez na vida, a pessoa que sempre quis ser. No Conti Outra  Oh, não meu corpo! Fico incrédula muitas vezes ao me examinar, ver as rugas, a flacidez da pele, os pneus rodeando o meu abdome, através das grossas lentes dos meus óculos, o traseiro rotundo e os seios já caídos. E constantemente examino essa pessoa velha que vive em meu espelho (e que se parece demais com minha mãe), mas não sofro muito com isso. Não trocaria meus amigos surpreendentes, minha vida maravilhosa, ...

    Leia mais
    blank

    Como envelhecem as feministas?

    Mulheres que ajudaram a construir o movimento feminista no Brasil nos últimos 40 anos comentam suas vivências do envelhecimento e os efeitos da maturidade sobre a militância Por Carolina de Assi, do Opera Mundi os 38 anos, a filósofa francesa Simone de Beauvoir começou a escrever uma das obras mais importantes do pensamento feminista ocidental. Entre exposições sobre diferentes narrativas sobre a entidade “mulher” (biológica, histórica, mitológica, psicanalítica…), “O segundo sexo” traz também capítulos sobre diferentes fases das vidas das mulheres (brancas, ocidentais e de classe média, é bom salientar). No capítulo “Da Maturidade à Velhice”, Simone escreve sobre como em certo momento da vida a mulher “é bruscamente despojada de sua feminilidade; perde, jovem ainda, o encanto erótico e a fecundidade de que tirava, aos olhos da sociedade e a seus próprios olhos, a justificação de sua existência e suas possibilidades de felicidade: cabe-lhe viver, privada de todo futuro, cerca de metade ...

    Leia mais
    blank

    As cenas de sexo que ‘ninguém quer ver’

    Um casal prestes a comemorar um importante aniversário de casamento entra em crise quando o marido recebe notícias inesperadas sobre uma antiga namorada. Tentando esquecer o assunto, os dois bebem vinho e conversam. Quando vão para o quarto, acabam transando. A sequência se passa no filme 45 Years (ainda sem título em português), do diretor britânico Andrew Haigh, cujos protagonistas receberam o Urso de Prata de melhor atuação no Festival de Berlim deste ano e que estreia na Grã-Bretanha nesta sexta-feira. O que chama a atenção nessa cena de sexo é o fato de o casal, formado pelos atores Charlotte Rampling e Tom Courtenay, estar entrando em seus 70 anos. "Essa cena é absolutamente crucial para o filme", define o diretor Haigh. "Mas é engraçado o silêncio estranho que eu noto nas exibições, porque o público pensa que quando a personagem de Charlotte fecha a porta do quarto, está tudo ...

    Leia mais
    blank

    De uma certa idade

    Numa era em que a beleza é considerada um valor imperativo, principalmente para as mulheres, certos padrões são impostos e as características de um corpo envelhecido não são um deles. No entanto, envelhecer não tem de significar a perda de qualidades, beleza, sensualidade e sexualidade. Por Margarida Henrique, do O Clitoris da Razão Há cerca de dois anos atrás, a actriz brasileira Betty Faria, com 72 anos, foi fotografada na praia em bikini. Esta situação poderia não ter nada especial se a actriz não tivesse sido insultada nas redes sociais. E porque é que foi insultada? Porque se achou que foi uma“falta de bom senso” e que “uma senhora de 72 anos deveria ter mais dignidade” e, portanto, não usar um bikini. O policiamento do corpo envelhecido de Betty Faria não foi uma situação única, visto que muitas outras pessoas, em grande parte, mulheres, celebridades ou não, passam pelo mesmo. [caption id="attachment_40939" ...

    Leia mais
    blank

    Elza Berquó: “O sexo é um direito das mulheres na velhice”

    A demógrafa identifica um novo comportamento nas mulheres acima dos 60 anos. Elas dançam, viajam, fazem ginástica – e algumas iniciam relacionamentos homossexuais Por GRAZIELE OLIVEIRA, do Época  A população brasileira vem envelhecendo e, entre os que ultrapassam os 60 anos, as mulheres são maioria. A demógrafa Elza Berquó, de 83 anos, uma das fundadoras do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), é uma estudiosa desse contingente da população. Em um de seus estudos, a pirâmide da solidão, ela mostra que existem muitas mulheres sem parceiros na faixa acima dos 60 anos, e atribui isso à regra cultural segundo a qual as mulheres se relacionam principalmente com homens mais velhos. Nesta entrevista, ela diz que nessa faixa etária existem também muitas mulheres homossexuais, como as personagens de Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg na novela Babilônia. ÉPOCA – Mulheres bissexuais ou lésbicas, que esconderam isso durante a vida toda, podem ...

    Leia mais
    blank

    Sobre velhos e velhice

    “Escondendo a verdade Deixou de ser velho: Agora é da melhor idade” Por Mouzar Benedito, do  BLOG DA BOITEMPO Antes de entrar em ditados e pensamentos de gente famosa sobre o assunto (há alguns muito interessantes e divertidos), umas considerações minhas. Em parte, considerações óbvias. Velho, antigamente, era velho. Quando se falava de um velho respeitosamente, como um sábio, podiam chamá-lo de ancião, “amenizando” o peso da palavra velho. Depois “amenizaram” também para os velhos comuns, velho passou a ser idoso. Aí surgiu o eufemismo “terceira idade”, e parecia que os eufemismos parariam aí, mas em seguida veio outro pior: “melhor idade”. Essa expressão me irrita, mas um dia parei pra pensar e concluí que para certas pessoas a velhice é mesmo a melhor idade. É o caso de mulheres que vivem sufocadas por maridos mandões. Muitas delas não podem fazer absolutamente nada de prazeroso. Como mulheres “do lar”, trabalham, ...

    Leia mais
    blank

    A velhice é uma conquista e não uma tragédia

    Cidade do Futuro, 21 de março de 2050 – Estou com 97 anos. Como eu, o Brasil também envelheceu. Faço parte das estatísticas que comprovam que sou uma entre cinco pessoas com 60 anos ou mais. Uma das cerca de 8,5 milhões de mulheres com 80 anos ou mais. Estou bem, parei de fumar aos 65, mas ainda bebo três taças de vinho por dia na hora do almoço. Minha alimentação é simples: como de tudo, mas pouco, e dou preferência aos orgânicos. Déa Januzzi, do 50emais Como parte de uma geração que mudou costumes no século 20, com o advento da pílula anticoncepcional e a revolução sexual, sempre fui dona do próprio corpo, senhora de mim, livre para escolher os diferentes caminhos. Acompanhei a transformação tecnológica e, hoje, mesmo de óculos para perto e cirurgia de catarata nos dois olhos, estou escrevendo minha autobiografia, que inclui as lembranças decisivas ...

    Leia mais
    Rubem Alves: Linguagem politicamente correta

    Rubem Alves: Linguagem politicamente correta

    RUBEM ALVES Linguagem politicamente correta Aprendi que as palavras não são inocentes, elas são armas que os poderosos usam para ferir e dominar os fracos ERA O ANO de 1971. Eu fora convidado a fazer uma conferência no Union Theological Seminary de Nova York. Na minha fala, usei a palavra "homem" com o sentido universal de "todos os seres humanos", incluindo não só os homens, que a palavra nomeava claramente, como também as mulheres, que a palavra deixava na sombra. Era assim que se falava no Brasil. Depois da conferência, fui jantar no apartamento do presidente. Sua esposa, delicada, mas firmemente, deu-me a devida reprimenda. "Não é politicamente correto usar a palavra "homem" para significar também as mulheres. Como também não é correto usar o pronome "ele" para se referir a Deus. Deus tem genitais de homem? Esse jeito de falar não foi inventado pelas mulheres. Foi inventado pelos homens, numa ...

    Leia mais
    blank

    Idosas viram prostitutas para sobreviver na Coreia do Sul

    Houve um tempo em que os coreanos veneravam os mais velhos e viviam suas vidas na certeza de que, um dia, quando eles próprios fossem velhos, seriam cuidados pelos filhos. Por:Lucy Williamson Hoje, os tempos são outros. Muitos dos que trabalharam duro para construir a economia da Coreia do Sul descobriram que as novas gerações têm outras prioridades. Como resultado, muitas mulheres idosas estão apelando para a prostituição como forma de sobreviver Kim Eun-ja passa o tempo sentada nos degraus da estação Jongno-3, do metrô de Seul. Aos 71 anos, ela usa batom vermelho berrante e casaco da mesma cor. E segura uma sacola grande. Kim é uma entre várias idosas coreanas que ganham a vida vendendo pequenas garrafas que contêm uma bebida chamada Bacchus, um energético muito em voga entre homens coreanos. Mas muitas vezes não é só a bebida que essas mulheres vendem. Algumas também vendem sexo. "Você ...

    Leia mais
    blank

    A não vítima

    Um golpe na Internet reflete tanto o crime da sociedade contra as mulheres que envelhecem quanto a natureza complexa do amor Por: Eliane Brum Primeiro, o golpe. Um homem se apresenta no Facebook dela, psicanalista e escritora. Ele mora nos Estados Unidos, mas é irlandês com mãe brasileira. É viúvo, tem dois filhos, um adotado, já adulto, de 25 anos, e uma adolescente de 13. Trabalha com geologia e faz negócios com petróleo. Tem 60 anos, sente-se sozinho, faz seis anos que se tornou viúvo e busca um amor para dividir a vida. Por inspiração da mãe, começou a buscar perfis de brasileiras no Facebook. Chegou até ela, explica, pelo sorriso da foto. Eles conversam em inglês. O inglês dele é melhor do que o dela, ele a corrige com carinho, a ensina. O inglês dela melhora a cada dia. Tornam-se presentes um para o outro, apesar da distância. Pelo ...

    Leia mais
    blank

    Ultrapassando as soleiras da velhice com saúde e autonomia

    Envelhecer, em si, não tem sido problema, apenas uma espera que encarei com naturalidade e amando meus cabelos brancos, como falei em “O poder grisalho é só para quem tem coragem e teimosia” (O TEMPO, 2.11.2010). Não crendo no elixir da juventude e na contramão da uma sociedade obcecada pela eternização da juventude, vi a velhice chegar com serenidade e sensibilidade pela sofrença de pessoas idosas com doenças e perda da autonomia, meu único temor como “mulher difícil”– que manda na própria vida (“Difíceis, empoderadas e felizes”, O TEMPO, 31.5.2006). Como médica, sei dos significados da velhice dependente de cuidados. Por alto, elenco algumas crônicas que garatujei abordando o tema: “Cuidadora familiar” (4.2.2004); “Um pacto civilizatório para os cuidados na infância e na velhice” (13.3.2012); “Infância e velhice descuidadas atestam descaso e crueldade” (20.3.2012); e “A velhice maltratada, roubada, abandonada e vilipendiada” (15.1.2013). Todas publicadas em O TEMPO. Todavia, nenhuma ...

    Leia mais
    velha

    Me chamem de velha. Por ELIANE BRUM

    A velhice sofreu uma cirurgia plástica na linguagem. Na semana passada, sugeri a uma pessoa próxima que trocasse a palavra “idosas” por “velhas” em um texto. E fui informada de que era impossível, porque as pessoas sobre as quais ela escrevia se recusavam a ser chamadas de “velhas”: só aceitavam ser “idosas”.  Pensei: “roubaram a velhice”.  As palavras escolhidas – e mais ainda as que escapam – dizem muito, como Freud já nos alertou há mais de um século. Se testemunhamos uma epidemia de cirurgias plásticas na tentativa da juventude para sempre (até a morte), é óbvio esperar que a língua seja atingida pela mesma ânsia. Acho que “idoso” é uma palavra “fotoshopada” – ou talvez um lifting completo na palavra “velho”. E saio aqui em defesa do “velho” – a palavra e o ser/estar de um tempo que, se tivermos sorte, chegará para todos. Desde que a juventude virou ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    blank
    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist