terça-feira, julho 7, 2020

    Tag: Violência Doméstica

    POLONEZ / SHUTTERSTOCK

    Número de medidas protetivas a mulheres sobe 13% em um mês na PB

    O número de medidas protetivas expedidas pelo Poder Judiciário cresceu 13,6% entre os meses de maio e junho. De acordo com a Gerência de Pesquisas Estatísticas do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), enquanto em maio deste ano foram distribuídas 428 medidas protetivas, em junho o montante passou para 486. Desde o início da pandemia de coronavírus, em março, já foram distribuídas 1.715 medidas protetivas. Para a coordenadora da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJPB, juíza Graziela Queiroga, este aumento no percentual de medidas protetivas distribuídas significa que as mulheres estão buscando, cada vez mais, denunciar e romper com o ciclo de violência doméstica. “O primeiro passo é a solicitação das medidas, que, normalmente, são deferidas, com o afastamento do agressor do lar ou proibição de aproximação da mulher”, afirmou. De acordo com a magistrada, a quantidade de medidas protetivas distribuídas entre maio e junho deste ...

    Leia mais
    Andrea se libertou de um relacionamento abusivo após dez anos de casamento Imagem: Arquivo pessoal

    Me livrei do meu agressor: elas contam como deram fim à violência doméstica

    Andrea, Carol, Nina, Renata e Maria são de cidades, idades e origens distintas. Embora nunca tenham se encontrado, a história de violência doméstica que cada uma enfrentou e as artimanhas que seus agressores usaram para machucá-las se entrelaçam como se estivéssemos falando de uma mesma vítima. Andrea, Carol, Nina, Renata e Maria são de cidades, idades e origens distintas. Embora nunca tenham se encontrado, a história de violência doméstica que cada uma enfrentou e as artimanhas que seus agressores usaram para machucá-las se entrelaçam como se estivéssemos falando de uma mesma vítima. Pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina analisaram o perfil de homens envolvidos em situações de violência contra mulheres ("O que se sabe sobre o homem autor de violência contra a parceira íntima: uma revisão sistemática"), a partir de 33 artigos internacionais publicados sobre o tema. Além dessas semelhanças entre os agressores, notaram que a vítima tende a ...

    Leia mais
    PM tenta conversar com morador de Alphaville, na Grande São Paulo. Ele ofende o policial com xingamentos e dizendo que ganha R$ 300 mil por mês (Foto: Reprodução/Redes sociai)

    Morador de condomínio de luxo de SP suspeito de violência doméstica diz que ganha ‘R$ 300 mil’ e xinga PM de ‘lixo’; veja vídeo

    Um morador de Alphaville, condomínio de alto padrão na Grande São Paulo, que era suspeito de violência doméstica contra a mulher durante a quarentena, aparece num vídeo que circula nas redes sociais ameaçando agredir um policial militar, dizendo que ganha "R$ 300 mil por mês", o chama de “lixo” e xinga ele e uma policial com palavrões em frente à sua residência, em Santana de Parnaíba (veja as imagens acima). Ele resistiu, mas foi detido. Depois acabou liberado. O comerciante de 49 anos foi levado algemado na tarde de sexta (29) para a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) da cidade, mas foi solto porque sua esposa, uma operadora bancária de 46 anos, não quis representar criminalmente contra ele naquele momento (apesar disso, ela tem prazo legal de até seis meses para fazer a representação). Em depoimento à Polícia Civil, o homem negou que tenha ameaçado a mulher e afirmou ...

    Leia mais
    Imagem: iStock

    Mulheres de Belém vítimas de violência doméstica podem denunciar por telefone e atendimento virtual

    As mulheres vítimas de violência doméstica podem realizar denúncias por telefone e meio virtual disponibilizados pela Coordenadoria da Mulher de Belém (Combel). De acordo com a ONU Mulheres, a violência física e sexual contra mulheres têm aumentado durante o período de isolamento social provocado pelo coronavírus. Por meio dos canais de atendimentos, as mulheres vulneráveis podem contar com encaminhamentos jurídicos, psicossociais e outros. Em 2019, mais de 8 mil casos de violência doméstica foram registrados no Pará. As orientações de isolamento social em todo o Pará iniciaram no dia 16 de março, com a divulgação do primeiro decreto estadual diante da pandemia do coronavírus. Segundo a Combel, a ligação é recebida por assistentes sociais que fazem escuta da vítima e ajudam de acordo com a necessidade de cada mulher, orientando sobre como proceder em situação de agressão. As denúncias podem ser realizadas através do Disque Denúncia 180 da Central de ...

    Leia mais
    blank

    Isis de Oliveira presta queixa contra o marido: ‘Me socava enquanto dormia’

    Isis de Oliveira, modelo e atriz, irmã de Luma de Oliveira, prestou queixa ontem (22) na 12ª delegacia de Copacabana, no Rio de Janeiro, contra o marido, o egípcio Hazem Roshdi, com quem é casada há seis anos. Em entrevista à Universa, ela explicou que os episódios de violência física se tornaram recorrentes nos últimos meses, mas que ontem (22), pela primeira vez, sentiu medo de ser assassinada. Isis, que está com 69 anos, relembrou que a primeira vez que prestou queixa contra Hazem foi em 2017, quando ele a empurrou com violência e, devido à queda, ela teve um sangramento do supercílio. "Percebi que a situação era séria quando senti o quente do sangue. Ele também ficou apavorado e colocou gelo. Na ocasião, fui para o hospital e relatei o que aconteceu na delegacia. Mas fui boba, acreditei quando ele disse que não vivia sem mim e voltamos", conta. ...

    Leia mais
    Marcos Santos/USP

    O que acontece após a vítima de violência doméstica fazer um B.O. online?

    Mulheres vítimas de violência doméstica podem, desde o começo do mês, registrar boletins de ocorrência pela internet em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo e no Distrito Federal. A medida foi tomada em caráter de emergência por causa do aumento de casos do crime durante a pandemia de Covid-19 e também por causa da subnotificação provocada pelo isolamento social. Por Priscila Gomes, da Universa Marcos Santos/USP Em São Paulo, embora não haja ainda dados oficiais, que devem ser divulgados apenas no fim do mês, todos os dias o registro desse tipo de ocorrência cresce entre 10% e 15% em relação ao dia anterior. Mas o que acontece depois que uma mulher emite, de casa, esse grito de socorro? Conversamos com advogadas e a Secretaria de Segurança Pública (SSP) para descobrir. Como obter provas em um B.O. pela internet? Assim como os demais ...

    Leia mais
    POLONEZ / SHUTTERSTOCK

    Prisões em flagrante em casos de violência doméstica crescem 51%, diz MP-SP

    O Ministério Público de São Paulo divulgou nota técnica que compara os números da violência doméstica durante o isolamento para combater a pandemia de coronavírus. O estudo foi realizado pelo Núcleo de Gênero da entidade e contempla os meses de fevereiro e março. Por Rafa Santos, da Conjur  POLONEZ / SHUTTERSTOCK O dado que mais chama atenção é o das prisões em flagrante por violência contra a mulher: aumento de 51% em março em comparação ao mês anterior. O número de medidas protetivas de urgência também aumentou 29% em março em relação a fevereiro. Os descumprimentos de medidas protetivas caíram durante a quarentena. E os pedidos de medidas preventivas de urgência, entretanto, registraram, de modo geral, um aumento. O documento também aborda o problema da subnotificação dos casos de violência. Conforme o MP-SP, a tendência é que o isolamento gere uma queda nos registros de boletins de ocorrência em números absolutos ...

    Leia mais
    Imagem: fiorigianluigi/Getty Images/iStockphoto

    Estar em casa significa proteção. Mas e criança que vive em lar violento?

    O mundo inteiro já sabe: vivemos a pandemia de covid-19. O coronavírus representa um desafio para autoridades, saúde pública e toda a população. Vimos nos últimos dias a adoção de medidas oficiais para interromper a circulação das pessoas — e, assim, do vírus. Por Viviana Santiago, do Universa Imagem: fiorigianluigi/Getty Images/iStockphoto Trabalhadores em home office, cinemas e lojas fechados, crianças e adolescentes em casa com a paralisação de escolas e atividades lúdico-pedagógicas em clubes, organizações e outros espaços. É em casa portanto o lugar em que toda a população deve estar para atravessar a situação com mais segurança. E estar em casa significa, em um primeiro momento, a certeza de tranquilidade no lugar que lhe é mais caro. Significa ausência de deslocamento e de interações com pessoas de fora do círculo familiar. Deveria significar proteção. E poderia de fato significar isso — se essa casa não ...

    Leia mais
    Imagem: Getty Images

    Coronavírus: violência contra mulher pode aumentar durante quarentena; veja como e onde buscar ajuda

    Delegacias da Mulher do Rio continuam funcionando 24 horas; denúncias também podem ser feitas pela internet Por Leda Antunes, do O Globo Durante o confinamento na China, ONGs que atuam na defesa e acolhimento de mulheres vítimas de violência doméstica afirmam que receberam três vezes mais denúncias de agressão  (Imagem: Getty Images) Apesar de ser uma das principais medidas de combate à pandemia do coronavírus, a quarentena pode se tornar um pesadelo para mulheres que sofrem violência doméstica. Na China, ativistas de direitos humanos afirmam que as denúncias de agressão a mulheres no ambiente familiar subiram três vezes durante o período de confinamento e muitas das vítimas não tinham ideia a quem recorrer. Infelizmente, o mesmo pode acontecer no Brasil neste período de isolamento, de acordo com especialistas. A ONU Mulheres afirma que, em um contexto de emergência, os riscos de violência doméstica contra mulheres e ...

    Leia mais
    Imagem: Getty Images

    Em SP, vítimas de violência doméstica poderão receber auxílio-aluguel

    Câmara Municipal de São Paulo aprovou projeto que visa dar auxílio aluguel a vítimas em situação de vulnerabilidade e aguarda sanção do prefeito Bruno Covas. Do HuffPost Brasil Imagem: Getty Images Está nas mãos do prefeito Bruno Covas (PSDB) a decisão final sobre um projeto de lei que permitirá o recebimento do auxílio-aluguel por vítimas de violência doméstica em situação de vulnerabilidade, em São Paulo. Proposta foi aprovada semana passada na Câmara dos Vereadores da capital paulista. De autoria dos vereadores Isac Felix (PL), Eduardo Tuma (PSDB), Noemi Nonato (PL), Patrícia Bezerra (PSDB) e Adriana Ramalho (PSDB), o PL visa conceder auxílio às mulheres que estiverem com medida protetiva ou ainda às que foram obrigadas a abandonar a própria casa por correrem risco de morte. No entanto, as vítimas terão que comprovar para a Justiça a violência e a situação de vulnerabilidade. “A comprovação da violência ...

    Leia mais
    Imagem: Getty Images

    Lei obriga reabilitação para agressores: como isso pode ajudar as mulheres?

    Embora a Lei Maria da Penha determine, desde 2006, a criação de centros de educação e reabilitação para agressores de mulheres, somente neste ano deve entrar em vigor uma legislação que exija o encaminhamento do homem denunciado por violência doméstica para acompanhamento psicossocial. Por Camila Brandalise. de Universa Imagem: Getty Images A nova lei tem origem no projeto 9/2016, aprovado no Senado na quarta-feira (5), e aguarda sanção presidencial. A previsão é de que entre em vigor até o final deste mês. Também conhecidos como grupos reflexivos, esses acompanhamentos visam educar agressores para que entendam e discutam a gravidade do crime que cometeram e não voltem a agredir mulheres, sob orientação de um mediador capacitado para tratar de casos de violência doméstica. Atualmente existem 31 programas desse tipo, em 19 estados brasileiros, de acordo com a advogada Grasielle Borges Vieira de Carvalho, autora do livro "Grupos ...

    Leia mais
    Mulheres carregam números para representar os 101 feminicídios registrados neste ano na França

    Assassinatos de mulheres na França geram alerta sobre violência doméstica na Europa

    Em 1º de setembro, um morador de Cagnes-sur-Mer, no sul da França, notou um pé saindo de uma pilha de lixo, galhos e tecidos velhos. Da BBC  Mulheres carregam números para representar os 101 feminicídios registrados neste ano na França (Foto: Getty Images) Era o corpo desfigurado de uma mulher, vítima de um ataque brutal. Seu parceiro nega o assassinato. Salomé, 21 anos, foi a centésima vítima da França só neste ano do crime de "feminicídio" - normalmente definido como o assassinato de uma mulher por um parceiro, ex-parceiro ou membro da família. Um dia após o corpo de Salomé ser encontrado, uma mulher de 92 anos apanhou até a morte do marido de 94 anos. Número 101. Em poucas horas, o governo francês anunciou uma série de medidas para proteger as mulheres da violência doméstica. Outros países europeus também reagiram a este crime - que ...

    Leia mais
    AdobeStock

    Como a violência doméstica impacta a saúde mental

    Quadros de ansiedade e depressão são comuns em mulheres que sofrem abusos contínuos. Baixa autoestima também costuma estar associada Por ÉRICA MONTENEGRO, do Metrópoles AdobeStock/Geledés  A violência doméstica provoca sérias consequências psicológicas nas vítimas. Mulheres que sofreram abusos contínuos podem desenvolver quadros de ansiedade e depressão. O medo de uma agressão física ou de uma situação de confronto costuma deixá-las em um estado de estresse constante ou em uma permanente apatia. “A violência física costuma estar acompanhada de uma violência psicológica sistemática, e isso pode provocar um adoecimento mental”, afirma Izis Morais Lopes dos Reis, doutora em antropologia e servidora do Ministério Público do Distrito Federal, que coordena um grupo de acolhimento às vítimas no Recanto das Emas. “As mulheres ficam com um receio permanente de que algo que elas façam desencadeie uma reação agressiva do parceiro, isso gera muito estresse”, completa. Responsável pelo acolhimento das ...

    Leia mais
    Débora Mafra, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (Foto- Divulgação:PCAM)

    Mulheres são vítimas de 97% dos crimes de violência doméstica em Manaus

    Foram 24,5 mil queixas entre situações de lesão corporal, difamação, violação de domicílio e outros tipos de ocorrência no A Crítica Débora Mafra, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (Foto- Divulgação:PCAM) No ano passado, Manaus registrou 25,3 mil casos de violência doméstica. A maioria desses crimes teve mulheres como vítimas. Elas responderam por 96,9% dos casos que chegaram aos Distritos Integrados de Polícia Civil. Foram 24,5 mil queixas entre situações de lesão corporal, difamação, violação de domicílio e outros tipos de ocorrência. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). Enquanto a polícia recebeu 24.553 casos de violência doméstica tendo mulheres como vítimas, os homens registraram 775 casos ao longo de todo o ano passado. Em comum, ambos os gêneros sofrem majoritariamente com ameaça, injúria e lesão corporal. O levantamento engloba mais de 20 tipos de crimes sofridos no ambiente doméstico. A ...

    Leia mais
    (foto: Editoria de arte/CB/D.A Press)

    Grande parte das mulheres vítimas de agressões apanha da infância à velhice

    Grande parte das mulheres vítimas de agressões apanha da infância à velhice, alternando apenas o autor e os tipos de ataques. Abusos psicológicos, sexuais, financeiros, abandonos e negligências são as violências mais recorrentes AB Adriana Bernardes DF Deborah Fortuna no Correio Brasiliense (foto: Editoria de arte/CB/D.A Press) “Quando eu era criança, apanhava do meu pai. Quando casei, passei a apanhar do meu marido. E, agora, na velhice, apanho do meu filho”. Esse é um dos relatos que Dulcielly Nóbrega não esquece em quase uma década de atuação na Defensoria Pública do Distrito Federal. “Essa fala foi muito forte. Ali compreendi que a violência contra a mulher é uma questão que perpassa todas as idades”, afirma a coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher. Na quarta e última matéria da série Elas no Alvo, o Correio mostra que a violência contra a mulher não tem idade. Muitas ...

    Leia mais
    Mulheres com deficiência auditiva encontram barreiras ainda maiores Foto: Lari Arantes / .

    Mulheres surdas não conseguem denunciar violência doméstica por falta de intérpretes

    'Nunca tive a possibilidade de me comunicar na minha própria língua', conta uma das portadoras de deficiência auditiva que encontrou dificuldades para denunciar a agressão Por Giulia Costa, do O Globo  Mulheres com deficiência auditiva encontram barreiras ainda maiores Foto: Lari Arantes / O Globo  Depois de quase cinco anos sofrendo com a violência de seu marido, Carla* precisou de três tentativas — em 2014, 2017 e neste ano — para conseguir encaminhar um pedido de medida protetiva na Delegacia da Mulher do Rio. Sua surdez impedia a comunicação com os funcionários, já que o local não conta com um intérprete para auxiliar portadores de deficiência auditiva. Devido à demora do processo — também por falta de testemunhas —, ela voltou a sofrer agressões e pensou que fosse morrer antes de conseguir a medida. — Na polícia, não havia intérprete para me auxiliar. Tive de fazer ...

    Leia mais
    Rogéria Cardeal viveu o cotidiano de agressões em seu casamento. Hoje ela conta a própria história no teatro — Foto: Reprodução TV Globo

    Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

    O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019. O crime mais denunciado é o de lesão corporal, com 7.490 casos. Em 60 dias foram 248 casos de estupro. Por Raquel Honorato, do G1 Rogéria Cardeal viveu o cotidiano de agressões em seu casamento. Hoje ela conta a própria história no teatro — Foto: Reprodução TV Globo O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) registrou, durante os dois primeiros meses desse ano, 22.360 novos processos de violência contra a mulher. São 15 novas denúncias na Justiça a cada hora. Nesse período de 60 dias, o TJRJ recebeu 7.490 denúncias de lesões corporais contra mulheres; 4.649 casos de ameaça; e 248 casos de estupro, sendo 107 processos relacionados a estupro de mulheres menores de idade. Na maioria dos casos, a violência contra a mulher começa com pequenos sinais e, com o tempo, evolui para agressões ...

    Leia mais
    Mulher ferida e com a mão na boca

    Chance de homicídio de mulheres agredidas é 151 vezes maior

    Os homicídios e suicídios correspondem a 83% das mortes por causas externas em mulheres vítimas de agressões anteriores no Catraca Livre Crédito- pepifoto : iStock As mulheres brasileiras adultas que registraram episódios de violência nos serviços de saúde públicos têm chance 151,5 vezes maior de morrer por homicídio ou suicídio em comparação com a população feminina geral. Os homicídios e suicídios correspondem a 83% das mortes por causas externas em mulheres vítimas de agressões anteriores. No caso de idosas e crianças que sofreram violência prévia, a mortalidade por causas violentas aumenta ainda mais: mulheres com mais de 60 anos têm chances 311,4 vezes maiores enquanto meninas com menos de 9 anos têm 256,1 vezes a mortalidade média de outras meninas na mesma faixa etária. Os dados foram compilados pelo Ministério da Saúde e serão publicados em março no livro Saúde Brasil 2018. Considerando apenas as mulheres ...

    Leia mais
    Foto- Guito Moreto : Agência O Globo

    Combate ao feminicídio passa pela reinvenção do masculino

    Desconstrução de padrões de masculinidade tóxicos está na ordem do dia para reduzir violência contra mulher e o feminicídio por Paula Ferreira no O Globo Foto- Guito Moreto : Agência O Globo - Curso aborda questões relativas à masculinidade e ao papel do homem perante a sociedade A transformação da "masculinidade hegemônica" entrou na ordem do dia do combate ao feminicídio no quinto país do mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), com maior número de mortes violentas de mulheres. Grupos de discussão coordenados por Tribunais de Justiça país afora promovem rodas de conversa entre agressores e abordam temas relacionados a gênero para incentivar mudanças no comportamento. Neles, está em xeque o estereótipo do homem incapaz de demonstrar fragilidade, não chorar ou falar sobre seus sentimentos. Os padrões de masculinidade em que grande parte dos meninos são forjados carregam, dizem especialistas no tema, características ...

    Leia mais
    Marcelo sentia ciúmes, segundo um parente de Andreia Foto: Facebook/Reprodução

    Denunciado por violência doméstica, homem mata a mulher grávida em Santa Catarina

    Um homem de 39 anos confessou ter matado a própria mulher, de 28 anos, que estava grávida de três meses, neste domingo, no interior de Santa Catarina. Segundo a Polícia Militar, ele tinha passagens criminais por vias de fato, ameaça contra a mulher e violência doméstica. O casal estava junto há quase um ano, segundo a família da vítima. por Louise Queiroga no Extra Globo Segundo um parente de Andreia Araujo, que preferiu não se identificar, as denúncias contra Marcelo Kroin foram feitas por ex-namoradas dele. O relacionamento dos dois era visto como "normal", mas o marido da jovem vinha se revelando cada vez mais ciumento. — Eles tinham um relacionamento normal, como todo casal, mas bateu um ciúme doentio nele, acabaram brigando, ele bateu nela, a matou — disse o parente ao EXTRA, por telefone, nesta segunda-feira. Após uma denúncia anônima, policiais militares encontraram o corpo da vítima enrolado ...

    Leia mais
    Página 1 de 4 1 2 4

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist