Tenho que compartilhar o que aprendi, diz Rachel Maia

À frente da Pandora, ela falou no Fórum CLAUDIA #EuTenhoDireito sobre como ajuda a transformar a realidade de quem não teve as mesmas oportunidades que ela

Do Claudia

(Estúdio Abril/CLAUDIA)

Mulher, negra, nascida na periferia de São Paulo, Rachel Maia sabe que é exceção à regra. “Nem por isso devo me sentir menos”, disse no painel “Somos maioria, mas somos poucas. O paradoxo das mulheres negras em posições de comando no Brasil”, apresentado por meio de vídeo no Fórum CLAUDIA #EuTenhoDireito, que acontece nesta terça-feira (06), em São Paulo. À frente da fabricante de joias Pandora há 8 anos, ela representa 0,4% do universo de presidentes de empresas brasileiras, segundo mapeamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), feito em parceria com o Instituto Ethos.

Com passagem por empresas como Novartis e a Tiffany&Co, Rachel faz parte do rol das mulheres que trabalham por oportunidades para as negras. “Ser inclusiva, dentro da representatividade que eu represento, é tratar todos de forma igual, mas sem esquecer que eu sou uma mulher negra, sim, e que eu devo olhar para aquela minoria”, ponderou. Por dentro do assunto: O avanço do empreendedorismo feminino encontra espaço especialmente entre os pequenos negócios. Saiba mais com a ContaAzul! Patrocinado 

Para ela, o conhecimento é o que traz poder e, por ter oportunidades que outras mulheres negras não têm, é seu dever ser exemplo. “Eu tenho direito de continuar me qualificando para que eu possa replicar essa qualificação para o próximo”, disse a presidente.

“Sou capacitada todos os dias pelos livros que eu leio e pelas pessoas que eu converso. No final do dia, eu tenho a certeza que eu não posso manter esse conhecimento só para mim”, completou. “Eu não posso simplesmente me bastar na minha capacitação. Eu tenho que compartilhar aquilo que aprendi.”

+ sobre o tema

‘Aumento salarial beneficia especialmente as mulheres’, diz Maria Sylvia, do Geledés

Os dados mostram que as mulheres negras têm as piores taxas...

Gestão Doria desativa serviço de aborto legal do Hospital Jabaquara

Inaugurado em 1989, Hospital Municipal Arthur Ribeiro Saboya foi...

Ensaio de moda criticado por ‘glamurizar estupro’ causa polêmica na Índia

EO ensaio de Raj Shetye foi considerado 'nojento' por...

para lembrar

EBC lança Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça no Rio

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) lançou hoje (28), no...

Shock no sistema

Muito se fala sobre ser mãe de princesas. Eu...

Valdênia, um metro e meio de atrevimento por Fernanda Pompeu

Valdênia Paulino Lanfranchi, a primeira ouvidora mulher de polícia...

Piovani detona Kadu Moliterno: ‘Bateu e continua posando com namoradas no Caribe

Luana Piovani detona Kadu Moliterno: 'Bateu e continua posando...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=