Terça-feira gorda – Manifestações livres sobre qualquer assunto

Por Leno F. Silva

 

Neste último dia do feriadão, nada vi de Carnaval. Dos desfiles das Escolas de Samba de São Paulo e do Rio de Janeiro, mais as manifestações de Salvador e Olinda, observei apenas as manchetes dos jornais com as mesmas fotos de sempre: mulheres seminuas, multidões aglomeradas e as celebridades que “espontaneamente” circularam pelos camarotes das empresas que patrocinam essa farra brasileira.

Gosto dessa celebração nacional, mas estou mais para blocos de rua, pela alegria sincera e pela descontração, do que para os produtos que se transformaram as festividades pelo país afora. Na minha adolescência o grande barato era frequentar as matinês e, mais crescido, os bailes noturnos do Clube Atlético Ypiranga. Eu ficava contando os meses do ano para aproveitar, com a turma de amigos, as quatro noites de folia.

A cada edição o roteiro era mais ou menos o mesmo: ficávamos andando em círculo sem parar, com o salão lotado, cantando as marchinhas “Mamãe eu quero”, “Doutor eu não me engano, meu coração é corintiano”, “Eu você aí, me dá um dinheiro aí”, dentre tantos outros clássicos daquele tempo. Era uma alegria, pouco se consumia de bebidas alcóolicas e lá pelas quatro da matina todo mundo voltava para casa; uns de carro e muitos de ônibus.

Esta terça-feira gorda marcará o final da maratona. Amanhã, teremos o balanço do que de bom e de ruim aconteceu nesses dias. Para os que fugiram para a praia ou para o campo, o desafio será escolher o melhor momento para fugir dos congestionamentos das estradas, das rodoviárias e dos aeroportos. Milhões de pessoas se deslocaram para os diversos cantos do Brasil e tomara que tenham encontrando o que forem buscar e que voltem felizes e melhores para os seus lares.

Para os protagonistas do samba, quarta, em São Paulo e quinta, no Rio de Janeiro, serão dias de tensão com a contagem dos votos que elegerão as agremiações campeãs. Torço para que as apurações ocorram com tranquilidade, lisura e que as comunidades vencedoras comemorem com alegria. Do mais, em poucas horas tudo voltará ao normal. Numa semana curta, logo teremos um sábado e domingo para desfrutar, e a partir da próxima semana, arregaçar as mangas para pagar as contas de Momo e batalhar para garantir o peru de Natal. Afinal, o tempo voa. Por aqui, fico. Até a próxima.

 

+ sobre o tema

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

para lembrar

Marina Silva, uma fundamentalista! por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Tão triste testemunhar a uma mulher...

11 filmes para entender a ditadura militar no Brasil

Onze filmes que fazem um diagnóstico de como o...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...
-+=