“Termo auto de resistência surgiu na ditadura para encobrir homicídios”.

Juliana Farias, pesquisadora da Justiça Global, falou nesta segunda-feira para a Rádio CBN sobre os autos de resistência e o caso do morro do Banco. O caso ganhou repercussão durante o fim de semana após a divulgação de um vídeo que mostra o jovem Alysson Lima sendo executado por policiais, mesmo após ter levantado as mãos em sinal de rendição. Os policiais registraram o caso na 16a DP como auto de resistência, conferindo novamente evidência à pratica de acobertamento das violações policiais pelo uso deste tipo de registro.

“É importante lembrar que esta denominação foi criada durante a ditadura civil-militar, e é um termo que, assim como naquela época, vem sendo utilizado para encobrir ações da policia que deveriam ser registradas como homicídio”, ressaltou Juliana. A pesquisadora também comentou a prática reiterada de arquivamento de inquéritos policiais envolvendo autos de resistência, e o grave aumento deste tipo de registro verificado no último mês de junho:

“Houve um aumento de 69% quando comparado a junho de 2013, segundo os próprios dados oficiais. A situação se torna ainda mais preocupante se observarmos também as denúncias que chegam à Justiça Global, como por exemplo 5 registros de auto de resistência numa mesma semana na favela de Acari, onde houve operações do Bope e do Choque”.

Juliana também destacou a importância da mobilização de movimentos de favelas e organizações de direitos humanos ao se posicionarem contrários à utilização dos registros de “auto de resistência” e “resistência seguida de morte”, que culminou na aprovação da resolução 08/2012 do antigo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH). A  mobilização continua para que sejam adotadas medidas mais efetivas de controle da atividade policial, que vitima sobretudo a população negra das favelas e periferias urbanas. Juliana reforçou o chamado para o engajamento de todos nesta pauta – a próxima atividade prevista é a Marcha Nacional contra o Genocídio do Povo Negro, que ocorrerá no próximo dia 22 de Agosto.

Confira a entrevista completa:

+ sobre o tema

É impossível promover direitos humanos sem proteger as mulheres

Medo e trauma de experiências de violência muitas vezes...

Negros são mais condenados por tráfico e com menos drogas em São Paulo

Levantamento inédito analisou 4 mil sentenças de tráfico em...

Encontro nacional debate estratégias para fortalecer organizações da sociedade civil

A Constituição brasileira de 1988 só tem a abrangência...

para lembrar

‘Me sinto defendendo outro preso político’

Advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, defensor do manifestante Fábio Hideki,...

Florestan Fernandes e o protesto intelectual negro na Ditadura Militar

A influência perene do sociólogo paulista Florestan Fernandes nos...

Conheça e acesse o relatório final da Comissão Nacional da Verdade

Repressão policial nos tempos da ditadura. O relatório final da...
spot_imgspot_img

Racismo, perseguição e assassinatos nas instalações da CSN nos anos da ditadura

Eram 6 horas da manhã do dia 1° de abril de 1964, quando João Alves dos Santos Lima Neto, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos,...

Racismo religioso, repressão e as memórias da Guerrilha do Araguaia

O Terecô, também chamado de Tambor da Mada, é uma religião afro-brasileira originária do interior do Maranhão. Embora seja menos conhecida nacionalmente em comparação,...

Durante 40 anos, homicídios de mulheres foram subnotificados no país

As taxas de homicídio de mulheres foram subnotificadas no Brasil por um período de 40 anos, de 1980 a 2019. O aumento foi de...
-+=