Timão e Racismo

fonte:Blog do Helena

Para encarar a Libertadores nas regras das artes, antes de tudo, o Corinthians precisa esquecer a Libertadores, já. Sobretudo, porque daqui até lá, haverá tantos imprevistos de toda sorte, sem falar no curso normal das coisas, o que em futebol significa qualquer coisa.

Certo mesmo é que o Corinthians terá de chegar à Libertadores assentado, equilibrado emocionalmente, pelo menos. Para tanto, não pode relaxar agora, pois se o fizer correrá o sério risco de chegar lá fragmentado, portanto, vulnerável.

Faz bem, pois, Mano Menezes em eleger o Brasileirão como um alvo absolutamente prioritário. Não só porque esse título seria a terceira coroa a fechar com chave de ouro um ano até aqui prodigioso para o Timão. Mas, sim, para manter o time ligado, aceso, já com vistas ao objetivo maior – a Libertadores.

Claro, é normal, ao fim de uma campanha em que o Corinthians aumentou o seu acervo de glórias com o Paulistão e a Copa do Brasil, que sobrevenha um certo relaxamento, aquela sensação de prazer satisfeito, o desejo a siesta, cochilo reparador e tal e cousa e lousa e maripousa.

Mas, o lema que tem impulsionado esse Corinthians é aquele que vem da galera: Não pára, não pára, não pára…

RACISMO NO FUTEBOL

O racismo é um desses demônios que devem ser erradicados de vez da alma humana. Mas, o bicho é resistente. Alimentado pela ignorância e a impotência dos homens, sobrevive há milênios – às vezes, abertamente; às vezes, nas sombras da dissimulação.

Nem sei se não é, enfim, a tal Marca de Caim, impressa na alma humana até a eternidade. Mas, de qualquer forma, é preciso combatê-lo sempre, em todos os quadrantes, para que, ao menos, finjamos que somos civilizados.

Da segunda metade do século passado até aqui, o mundo avançou muito nesse sentido, apesar dos bolsões de resistência de bandos de estúpidos espalhados por esse planeta afora. Mas, ainda há muito o que avançar nesse caminho civilizatório.

E o futebol, talvez a mais abrangente expressão esportiva mundial, que se insere nos corações mais recônditos, passa a ser um alvo prioritário nessa luta.

A Fifa, a Uefa e as federações nacionais da Europa já se deram conta disso, e baixaram medidas disciplinares, não apenas sobre jogadores e clubes que eventualmente recorram a tal método odioso, como também sobre as torcidas que manifestem sua idiotia nas arquibancadas com ritos e cânticos racistas.

Mas, o que fizeram até aqui a Conmebol e a CBF a respeito? Zero!

Vez por outra, jogadores entram em campo com faixas condenando essa prática malsã. E só.
Não basta. Devem ir fundo nessa questão, estabelecendo punições severas sobre as torcidas e seus respectivos clubes que adotem tal postura nos estádios.

É absolutamente inaceitável, neste nosso Brasil mulato, cafuz, mameluco, onde Ocidente e Oriente se fundiram tão profundamente que é impossível distinguir um nissei de um descendente de índio, manifestações como as de parte da torcida do Grêmio chamando jogadores do Cruzeiro de macacos.

Na fauna simiesca, sabemos, há macacos negros, marrons, brancos, cinzas, de todos os tamanhos e formatos. O traço comum entre eles, porém, é a imitação.

Tanto, que no linguajar popular, quando se refere a um imitador, diz-se que parece macaco.

Desde o início da rivalidade entre os brancos argentinos e os mulatos e negros brasileiro, nas primeiras décadas do século passado, eles nos chamam, abertamente, de macaquitos.

Se for por causa da nossa cor, é ofensa. Se for porque parte dos nossos os imitam em tudo nas arquibancadas, então, é apenas uma constatação: macacos são aqueles os imitam, sem nenhuma originalidade nem vergonha.

Matéria original: Timão e Racismo

+ sobre o tema

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Racismo filho do fascismo

A luta para acabar com as repetidas manifestações de...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Estudantes do Congo acusam Brigada Militar de racismo no Rio Grande do Sul

Africanos acusam BM de racismo e constrangimento por Jessica...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=