‘Tinha que ser negra’ Grita cliente racista para funcionária do caixa de estabelecimento em Sorocaba

Caixa negra se diz vítima de discriminação em Sorocaba, SP

Ela teria sido ofendida por cliente dentro do estabelecimento onde trabalha.

A suspeita será intimada a depor nos próximos dias.

Uma caixa de 21 anos afirma ter sido vítima de discriminação racial em Sorocaba, no interior de São Paulo. O caso ocorreu na quinta-feira (12), quando uma cliente teria lhe ofendido dentro do estabelecimento onde a vítima trabalha, no bairro de Brigadeiro Tobias. Segundo a caixa, a cliente teria gritado que ela era burra e feito ofensas em relação ao fato dela ser negra. O estabelecimento comercial estava lotado. A suspeita, que pode responder a crime de racismo, será intimada a depor.

“Sou igual qualquer uma e é por isso que não abro mão de levar esse caso à Justiça. Ninguém pode me desmerecer em razão da minha cor. Ela me rebaixou demais” 

Ao G1, nesta sexta-feira (13) a caixa afirmou que vai levar o caso “até o fim” e não abre mão de mover ação judicial contra a suspeita. “Foi um ataque gratuito e que acabou comigo. Sempre trabalhei com gente e jamais havia sofrido constrangimento semelhante. Jamais abriram a boca para falar qualquer coisa em relação a minha cor. A loja estava lotada. Foi uma vergonha”, relata.

Segundo a jovem, a mulher de 34 anos – que teve o nome e a idade identificados graças a documentos pessoais que foram deixados no local de trabalho da vítima – foi até o caixa do estabelecimento para efetuar o pagamento de algumas contas. Como é procedimento, a vítima tentou fazer o saque para então usar o dinheiro para o pagamento, mas o sistema emitiu, por sucessivas vezes, uma mensagem que alertava que o valor máximo diário para saque já havia sido excedido. A operação teria sido repetida na máquina da outra caixa, que também apontou impossibilidade de pagamento.

Segundo a caixa e testemunhas, nesse momento a cliente teria afirmado que a jovem era burra e que era incapaz de trabalhar naquele local. Pouco depois, teria deixado o local dizendo que a caixa “tinha que ser negra”. Todo o episódio foi filmado pelo circuito interno de monitoramento do estabelecimento e será entregue à polícia, segundo informa a vítima.

Sem a presença da suspeita, a delegada Maria Tereza Cardum registrou um boletim de ocorrência de injúria. O crime tem pena prevista de 1 a 3 anos de reclusão, mas pode ser aumentada caso a injúria seja praticada na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação da ofensa. O inquérito será conduzido pela Delegacia de Defesa da Mulher de Sorocaba. A suspeita deverá ser intimada a depor dentro de uma semana. O G1 tentou, mas não conseguiu ouvir a versão da suspeita a respeito dos fatos.

 

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

“Já falei 10.639 vezes: Racismo é crime” – Protesto contra o racismo na UFSC

Estudantes protestaram na manhã desta quarta-feira contra o que...

Repórter da Globo comenta caso de racismo sofrido: ‘Não somos otários’

O repórter Manoel Soares, da Globo, falou hoje sobre...

Racismo de superfície e de profundidade

por Juremir Machado da Silva O que seria um racismo...

Ambiente escolar é onde mais se sofre racismo, diz pesquisa

Uma pesquisa conduzida pelo Instituto de Referência Negra Peregum...

para lembrar

‘A vida de uma galinha de macumba vale mais do que a de jovens negros’

O advogado Hédio Silva Jr. aponta racismo na tentativa...

Nossas estatísticas sob o olhar de Marcelo Paixão

por Juliana Barauna Conheci pessoalmente o professor Marcelo Paixão durante uma entrevista...

EUA: líderes religiosos prometem ações após absolvição de vigia

Ex-vigia que matou Trayvon Martin foi considerado inocente; julgamento...

É diferente ser pai e mãe de uma criança negra – TED de Clint Smith

Quando criança, todos recebemos conselhos que parecem estranhos, de...
spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=