“Toda mulher negra é obrigada a ser mais forte”, diz Nega Duda

O sorriso de batom vermelho e o turbante colorido, tão bem alinhado no penteado afro, não são as únicas características que chamam a atenção de quem a vê. Do alto de seu 1,75m, Ducineia Cardoso – ou Nega Duda, nome artístico pela qual é conhecida há 12 anos – emociona quando sobe ao palco e começa a cantar.

Por Ana Luísa Vieira*, do Promenino, com Cidade Escola Aprendiz
*Colaborou Tânia Carlos

No Promenino.org

O vozeirão rouco e imponente já foi comparado ao da norte-americana Nina Simone (1933-2003), um dos maiores nomes do jazz. Basta o elogio para os olhos de jabuticaba de Nega procurarem o chão, timidamente. “Faça isso não! Nina é uma grande diva.”

As semelhanças não se restringem ao timbre, tampouco à cor da pele. Ícone da música e da defesa dos direitos civis, Nina, sexta de sete filhos de uma empregada doméstica com um marceneiro, teve uma infância pobre, como mostra o documentário “What Happened, Miss Simone?”, previsto para estrear em junho no Brasil.

Nega, nascida em São Francisco do Conde, cidade de 38 mil habitantes localizada a 1h30 de Salvador, no Recôncavo Baiano, é a mais velha de 12 irmãos. Quatro morreram por desnutrição, ainda bebês.

Sua mãe, limpadora de peixes da espécie xangó, cuidou sozinha das crianças. O pai, operário de uma plataforma de petróleo, não acompanhou o crescimento dos filhos – reapareceu quando Nega, mãe adolescente, já dera à luz Jackson, hoje com 31 anos, e Jaqueline, atualmente com 30 – ela tem três netos, Eric, Jackson Júnior e Camille Vitória, de 12, 3 e 2 anos, respectivamente.

Força e sonho
Os percalços na estrada, de certa forma, fortaleceram a voz da cantora. Nega Duda, ao assumir o microfone, leva os trajes, os batuques e as histórias africana e afro-brasileira para suas apresentações. Tornou-se expoente do povo negro.

Nascida em 13 de maio de 1968, no aniversário de 80 anos da Abolição da Escravatura, Ducineia conta que o apelido Nega Duda surgiu justamente por causa da coincidência entre as datas. “Na Bahia, 13 de maio é Dia dos Negros. Tinha de acompanhar minha mãe ao ‘Bembé do Mercado’. Era uma festa de Candomblé que concentrava todos os terreiros da região em uma cidade vizinha, para celebrar a abolição”, lembra-se. “Eu queria era bolo e festa, como qualquer criança. Mas, quando cresci, pude entender minha missão.”

A infância foi sofrida. “Fome, não passei, mas privação, sim, por ter o que comer ao meio-dia e nada à noite.” Desde pequena, era convidada pela mãe, Hildete Cardoso – a dona Dete do Xangó – a acompanhá-la no Candomblé. A menina registrava em cadernos amarelados os ritos aprendidos. Depois, os lia para a mãe, analfabeta.

“Ela foi uma guerreira ao escolher viver sozinha, sem depender de outras pessoas, em uma sociedade tão machista. Mesmo severa com os filhos, hoje eu a entendo. Dona Dete me inspirou a ir à luta. Toda mulher negra é obrigada a ser mais forte.”

Verve musical
A música sempre esteve na vida de Nega. Ela se lembra da avó “cantando seus lamentos” enquanto pendurava roupas. A mãe preferia o samba de roda e assobiava pelos cantos da casa. As idas ao Candomblé também a ensinaram uma série de canções nos dialetos africanos Yorùbá (Nigéria) e kimbundu, da etnia Bantu (Angola e Congo).

Cantar alto era um mero passatempo para Nega. “Sempre fui boa ouvinte. Tanto no Candomblé quanto no samba de roda, você ouve e responde em um coletivo de vozes. Assim cresci, a 200 metros do mar, na orla da minha cidade.” Pela manhã, a primeira coisa que faz é ligar o rádio. “Hoje, eu acesso o site da emissora, mas sinto falta daquele zumbido ao caçar as estações”, brinca.

Da Bahia para a França
Em 2002, produtores culturais franceses vieram ao Brasil em busca de grupos regionais. A ideia era reuni-los para um mês de apresentações na 17a edição do Festival Printemps des Comédiens, em Montpellier. Ao todo, 38 brasileiros representaram o país no evento. Da Bahia, apenas Nega Duda, então integrante do grupo Lindro Amor, e a conterrânea Rita da Barquinha foram selecionadas.

Transformadora é a palavra que, segundo Nega, descreve a experiência no exterior. “Viramos uma família”, recorda-se. “E aos 35 anos, descobri que as pessoas me achavam bonita. Eu nunca tinha ouvido isso”, emociona-se. “Eu era elogiada pelas minhas comidas e pelo meu trabalho, não pela minha aparência. Sempre trabalhei muito. Sempre fui forte, mas também tenho meus calundu [dias de mau humor]”, diz, os olhos marejados.

“Não era por eu estar com um batom bonito, com uma saia colorida e rodada, com um turbante. Eles me reconheciam como mulher negra. E eu também passei a me reconhecer, a me assumir, a me entender mais bonita, a aceitar o meu cabelo crespo, a conviver com gente da minha tribo que não me cobrava para esticar os fios.”

Leia Também: Parem de dizer às mulheres negras que sejam fortes!

Tambores que empoderam
Em Montpellier, Nega conheceu Beth Beli e outros artistas dos quais se aproximou. De volta a São Paulo, Beth a chamou para fundar o grupo Ilú Obá de Min (Mãos Femininas que Tocam Tambor para o Rei Xangô).

Trata-se de um coletivo que busca empoderar as mulheres negras, com sede no Centro da capital. O espaço oferece debates, oficinas, palestras e cursos de danças típicas.  Recebe também os ensaios da trupe para o Carnaval de rua.

Há uma década, o Ilú, que reúne quase 300 mulheres de diferentes religiões, celebra as matrizes culturais africanas. Seus enredos, influenciados pelo Candomblé, sempre homenageiam mulheres negras. Neste ano, a escolhida foi a escritora e poetisa Carolina Maria de Jesus (1914-1977). Os leitores do jornal Folha de S.Paulo elegeram o Ilú o melhor bloco da cidade.

“É no Ilú que Nega vira Nega Duda”, diz, rindo. Com o grupo, além de aprender a tocar tambor, soltou a voz. “Imagine só: eu tinha quase 40 anos e não sabia quem tinha sido Rainha Nzinga, a primeira homenageada do Ilú, primeira mulher a comandar um exército masculino. O llú me ensinou história, cidadania e empoderamento”, afirma Nega, que se tornou protagonista do desfile de dois anos atrás, com o enredo “Nega Duda e o samba de Roda do Recôncavo Baiano – Patrimônio Imaterial da Humanidade”.

Canção de estudante
No Candomblé, todos são filhos de orixás. Nega Duda exibe no punho esquerdo a tatuagem do machado de Xangô (o Rei, aquele que representa a Justiça). No peito, estão o nome da mãe e as iniciais dos filhos. “Sou incendiária desde pequena”, gargalha.

Um passeio pela pequena casa de Nega, localizada em Santana (Zona Norte de São Paulo), mostra o quanto a cantora preza suas raízes africanas. Colares e lembranças de viagens colorem o espaço. Nas prateleiras abarrotadas, entre tantos livros, chamam a atenção as obras “Dialética Radical do Brasil Negro”, “Caroço de Dendê – a Sabedoria dos Terreiros”, “Novo Dicionário Banto do Brasil” e “Amkoullel, o Menino Fula”, de Amadou Hampâté Bâ, autor nascido em 1900 em Bandiagara, atual Mali. “Eu quero e preciso saber sobre a história da arte, sobre o que meus ancestrais me trouxeram. Também tenho de ler as novidades da literatura da África, do Brasil, do meu povo”, diz.

Na cabeceira, duas biografias: a do líder negro Malcolm X e a do fotógrafo francês Pierre Verger, intitulada “O Homem Livre”. O antropólogo passou a vida estudando a relação entre a África e o Brasil. Na estante reservada aos CDs, misturam-se Alcione, Clementina de Jesus, Clara Nunes e Leci Brandão – esta, por sinal, madrinha do Ilú Obá de Min.

Com 5 mil amigos no Facebook, Nega recorre às redes sociais para anunciar seus shows. Antes e depois dos espetáculos, a artista vira vendedora: oferece pimentas caseiras, licor de jenipapo, turbantes e bijuterias criadas por ela. “Gostaria de ter mais apoio para divulgar o samba da minha cidade. Sei que tenho e recebo muito amor. Mas, infelizmente, ele ainda não paga as contas”, reflete Nega, que estuda arte-educação e sonha em cursar faculdade de Ciências Sociais.

Depois de uma operação na garganta por conta de pólipos (pequenas formações nas cordas vocais), Nega precisou largar a vida de diarista. Alguns produtos de limpeza começaram a lhe fazer mal. “Eu não sabia que para cantar precisava aquecer a voz, dormir bem, não tomar gelado”, conta. “Parei de fumar também. Se essa voz pode me dar algo bonito, então vamos tratar dela com carinho, né?”

 

 

+ sobre o tema

A relação entre o sexo como tabu e a violência sexual – Por Jarid Arraes

É muito interessante a forma como nossa sociedade lida...

Universidade da Dinamarca terá curso sobre Beyoncé

Já pensou em estudar Beyoncé na faculdade? Pois agora...

para lembrar

Com chuva, Parada Gay atrai 150 mil pessoas em Florianópolis

Cerca de 150 mil pessoas, segundo os cálculos da...

05/08 – Ato show celebra os 5 anos da Lei Maria da Penha

Há cinco anos foi sancionada a Lei 11.340/06, conhecida...

Primeira desembargadora negra do Tribunal de Justiça denuncia racismo

Ela foi elogiada pela presidente da instituição Por: Francisco Alves...

#MinhaPrimeiraTransfobia: transexuais relatam primeiro caso de preconceito

Internautas relatam os acontecimentos e recebem o apoio de...
spot_imgspot_img

‘A gente pode vencer e acender os olhos de esperança para pessoas negras’, diz primeira quilombola promotora de Justiça do Brasil

"A gente pode vencer, a gente pode conseguir. É movimentar toda a estrutura da sociedade, acender os olhos de esperança, principalmente para nós, pessoas...

Ana Maria Gonçalves anuncia novos livros 18 anos após lançar ‘Um Defeito de Cor’

Dois novos livros de Ana Maria Gonçalves devem chegar ao público até o fim de 2024. As novas produções literárias tratam da temática racial...

Mulheres recebem 19,4% a menos que os homens, diz relatório do MTE

Dados do 1º Relatório Nacional de Transparência Salarial e de Critérios Remuneratórios mostram que as trabalhadoras mulheres ganham 19,4% a menos que os trabalhadores homens no...
-+=