Guest Post »

Torcidas organizadas gays usam redes sociais para enfrentar preconceito no futebol

A homossexualidade sempre foi um tabu no esporte. E no futebol, um meio dominado prioritariamente pelo público masculino, raríssimos são os casos de jogadores profissionais que assumiram ser gays. Quando o assunto vai para as arquibancadas, a escrita continua. Porém, algumas iniciativas online estão tentando reverter este quadro.

No último mês, torcedores de alguns dos maiores clubes brasileiros criaram páginas no Facebook para combater a homofobia no meio esportivo. A primeira destas iniciativas foi da torcida do Atlético-MG. A página Galo Queer (gíria para gay, em inglês) foi criada no dia 9 de abril e já conta com quase 5 mil fãs na rede social.

Na postagem de criação da página, os comentários se dividiam entre pessoas que apoiavam a iniciativa e outras que xingavam a pessoa que criou a página alegando se tratar de obra de algum torcedor do Cruzeiro (rival do Atlético). Com o tempo, os comentários homofóbicos foram sumindo da página. E depois desta iniciativa, torcedores de outros clubes também resolveram criar páginas contra a homofobia.

Confira logo abaixo, a lista de algumas páginas anti-homofobia criadas por torcedores no Facebook:

Atlético Mineiro:  Galo Queer
Cruzeiro: Cruzeiro Maria
São Paulo: Bambi Tricolor
Náutico: Timbu Queer
Grêmio: Grêmio Queer
Vitória: Vitória Livre
Bahia: EC Bahia Livre
Internacional: Queerlorado
Palmeiras: Palmeiras Livre
Corinthians: Corinthians Livre
Flamengo: Flamengo Livre

 

 

Belo Horizonte inicia luta contra homofobia no futebol

Homofobia em preto e branco

Homofobia no Brasil: estatística de guerra

“Com a criminalização da homofobia, muitos crimes não ficarão impunes”, diz MV Bill

Futebol de verdade!

Sobre Futebol no Portal

 

 

Fonte: Agência Brasil

Related posts